O grau de correlação entre o resultado operacional líquido e os indicadores socioambientais em instituições financeiras brasileiras/ The degree of correlation between net operating income and social and environmental indicators in Brazilian financial institutions

Eloi Martins Diniz, Janaina Ferreira Marques de Melo, Hipónio Fortes Guilherme, Valdério Freire de Moraes Júnior, Eduardo Rodrigues Viana de Lima

Abstract


Os usuários da informação passaram a valorizar as entidades que demonstram preocupação para com a sociedade, sendo o Balanço Social utilizado como base para a análise das ações socioambientais. Este estudo objetiva verificar o grau de correlação do resultado operacional líquido com os indicadores socioambientais em instituições financeiras do Brasil nos últimos seis anos (2010 a 2015). O estudo é realizado a partir de indicadores Sociais Internos, Sociais Externos e Investimentos no meio Ambiente, coletados do Balanço Social e; informações financeiras, como a Receita Liquida e o Resultado Operacional. As Instituições Financeiras utilizadas como base foi o Banco do Brasil e o Bradesco, pois apresentam informações que podem ser comparadas no período analisado. A metodologia utilizada foi uma análise horizontal entre as variáveis estudadas, uma distribuição média entre receitas e os indicadores socioambientais, bem como utilizou-se da análise de correlação cujo método utilizado foi a correlação, não linear procurando descrever e compreender a suposta existência de relacionamento entre essas variáveis. Os resultados identificam uma necessidade de maiores investimentos nos setores ambientais e uma relevante diferença em quanto a distribuição dos recursos captados entre os indicadores sociais internos, externos e ambientais em relação a Receita Liquida das respectivas entidades. Contudo, percebe-se que existe correlação entre alguns indicadores em relação ao Resultado Operacional Liquido (ROL), obtendo-se uma correlação negativa dos Investimentos em Meio Ambiente do Bradesco e nos Indicadores Sociais Internos (ISI) do Banco do Brasil.


Keywords


Balanço Social, Indicadores sociais, Receita líquida.

References


ALMEIDA, H. J. L. de; NASCIMENTO JUNIOR, E. R do; COSTA, A. de J. B. Práticas de sustentabilidade corporativa no brasil: análise das instituições financeiras integrantes do índice de sustentabilidade empresarial.Revista Gestão e Desenvolvimento, Novo Hamburgo, v. 14, n. 1, p. 84-99, mar. 2017. ISSN 2446-6875. Disponível em: https://periodicos.feevale.br/seer/index.php/revistagestaoedesenvolvimento/article/view/898/1865. Acesso em: 19 mar. 2019. doi:https://doi.org/10.25112/rgd.v14i1.898.

BANCO DO BRASIL. Responsabilidade social e características (2018). Disponível em: Acesso em: 30 de jan. 2018.

________________. Relatório anual 2015 (2015). Disponível em: Acesso em: 02 de jan. 2018.

BARBIERI, J. C; CAJAZEIRAS, J. E. R. Responsabilidade social empresarial e empresa sustentável – da teoria a prática. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

BOVESPA. Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE). BOVESPA, 2018. Disponível em: . Acesso em: 31 de jan. 2018.

BRAGA, J. P; OLIVEIRA, J. R S; SALOTTI, B. M. Determinantes do nível de divulgação ambiental nas demonstrações contábeis de empresas brasileiras. R. Cont. Ufba, Salvador-Ba, v. 3, n. 3 p. 81-95, setembro/dezembro 2009.

BRANCO, M. C., & Rodrigues, L. L. Corporate social responsibility and resource-based perspectives. Journal of Business Ethics, 69(2), 111-132. 2006.

BRADESCO. Responsabilidade social e características (2018). Disponível em: Acesso em: 30 de jan. 2018.

CAMPOS, L. M. de. S; LERÍPIO, A. de. A. Auditoria Ambiental: uma ferramenta de gestão. São Paulo: Atlas, 2009.

COELHO, G; LORANDI, J. A. Estudo da relação entre a evolução da receita liquida e investimentos socioambientais em três instituições financeiras. REGET/UFSM Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental Santa Maria, v. 19, n. 2, mai-ago. 2015, p. 461−476. Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas – UFSM. 2015.

CORDEIRO, A. de. C; MONTEIRO. M. Responsabilidade Social Empresarial e Engajamento com Stakeholders: estudo de caso de uma instituição Financeira, 5º Seminário de Iniciação Científica da ESPM, SP, 2016.

CUOCO, L. G. A. O que fazer e não fazer em um banco sustentável no Brasil. Boletim de responsabilidade social e ambiental do sistema financeiro Banco Central do Brasil. Ano 2, nº 14, Janeiro de 2007.

DINIZ, E; MELO, J. F. M. DE; GUILHERME, H. F; MORAES JUNIOR, V. F. DE. O grau de correlação entre o resultado operacional líquido e os indicadores socioambientais em instituições financeiras brasileiras. Congresso de Ciências Contábeis e Atuariais da Universidade Federal da Paraíba – CONCICAT. Centro de Ciências Sociais Aplicadas | Departamento de Finanças e Contabilidade. João Pessoa - PB, 30 de agosto a 01 de setembro de 2018. 15 p.

DINIZ, K. L. A. A Evidenciação das Informações Ambientais nas Empresas do Segmento de Calçados Registradas na Bovespa (2006–2009). Monografia apresentada ao Curso de graduação em Ciências Contábeis como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis. Universidade Federal de Campina Grande, Sousa-PB, 2011.

DUARTE, G. D. Responsabilidade social: a empresa Hoje. São Paulo: LTC, 1986.

FREEMAN, E. R. Strategic management: a stakeholder approach. Boston: Pitman Publishing, 1984.

FERREIRA, A. C. de. S . MONTEIRO, P. R. A. A evidenciação da informação ambiental nos relatórios contábeis: um estudo comparativo com o modelo dos ISAR/UNCTAD. In: FERREIRA, A. C. de. S; SIQUEIRA, J.R.M; GOMES, M.Z. (Org.). Contabilidade ambiental e relatórios sociais. 2. ed. XIII. São Paulo: Atlas, 2012.

FERREIRA, A.C. de. S. Contabilidade ambiental: uma informação para o desenvolvimento sustentável. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

FERREIRA, S. P. N. Responsabilidade Social: Comparativo entre o Banco do Estado de Santa Catarina e o Banco do Brasil. Trabalho de Conclusão de Curso (Monografia) – Curso de Ciências Contábeis, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

GARCIA, F. T; BEHR, A. Análise da interação da contabilidade ambiental e o desenvolvimento sustentável nos engenhos de beneficiamento de arroz de Santa Maria/RS. Reunir: Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, v. 2, n. 2, p. 21-38, 2012.

GIACOMIN, J.; OTT, E.; GRANDO, T. Estudo sobre variáveis determinantes do nível de divulgação de informações voluntárias ambientais.Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS.Recebido: 05/07/2017 - Aprovado: 08/01/2018 DOI: https://doi.org/10.5585/geas.v7i1.628 E-ISSN: 2316-9834.

GOMES, A. de. O; PETER, M. G. A; MACHADO, M. V. V; OLIVEIRA, T. E. Planejamento Governamental: análise do Plano Plurianual dos governos estaduais brasileiros. II Conferência Sul-Americana de Contabilidade Ambiental, 2011.

INSTITUTO ETHOS. Curso Uniethos: Relatório de Sustentabilidade no modelo GRI. Disponível em: . Acesso em: 30 de jan. 2018

KOULOUKOUI, D.l; MARINHO, M. M. de O.; GOMES, S. M. da S., KIPERSTOK, A.; TORRES, E. A..Estudo Bibliométrico sobre Disclosure Ambiental, Mudança Climática e Risco Climático: Periódicos Indexados na Scopus de 1982 a 2017. In: RAC Revista de Administração e Contabilidade, v.10, n. 1, Feira de Santana, janeiro/abril 2018, p.71 – 92. ISSN: 2177-8426.

MATTAROZZE, Victorio; TRUNKI. Sustentabilidade dos Negócios no setor financeiro: um caso prático. São Paulo: Annablume, 2007.

MAXIMIANO, A.C.A. Teoria Geral da Administração. 2. ed. São Paulo: Atlas. 2012.

MORAES, C. S. B. de et al. Programas e metodologias de indicadores de sustentabilidade: análise comparativa como subsídio para a gestão ambiental urbana. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 5, n. 7, p. 10333-10366, jul. 2019

PIRES, C.M; PEREIRA, M.W.G; MOURA-LEITE,R. Os Elementos da Responsabilidade Social Empresarial e sua Relevância para o Consumidor. In: Revista de Gestão Social e Ambiental. São Paulo, v. 9, n. 2, p. 38-52, mai./ago, 2015.

PARISOTTO, I. R. de S; SOUZA, M. T. S. Investimento socioambiental de bancos brasileiros. In: REVISTA GESTÃO.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v. 10, n. 1. p.53 – 083, jan./ fev. 2012.

PEREZ, M. M; FAMÁ,R. Características estratégicas dos ativos intangíveis e o desempenho econômico da empresa. UNISANTA Law and Social Science – p. 107 - 123; Vol. 4, nº 2. 2015.

PLANALTO. Código civil leis (2018). Disponível em: Acesso em: 30 de jan. 2018.

PULIDO, V. A. M; VILLEGAS, M. G. La contabilidad y los conflitos ambientales en el sistema financiero: estudio de caso em el sector bancario argentino. In: Cuad. Contab. / Bogotá, Colombia, 16 (41): 281-306 / mayo-agosto 2015. doi:10.11144/Javeriana.cc16-41.ccas

REVISTA EXAME. Os 20 maiores bancos do Brasil em valor de ativos (2016). Disponível em: Acesso em: 30 de jan. 2016.

RIBEIRO, M. S. de. Contabilidade Ambiental. 2. Ed. São Paulo: Atlas, 2010.

RIBEMBOIM, J. O Protocolo Verde e possíveis implicações para economia Nordestina. In: Revista Econômica do Nordeste. Fortaleza, Vol. 27, n:2, p.153-181, Abril/Junho. 1996.

RODRIGUES, M. D. N; PETER, M. da. G. A; MACHADO, M.V.V; NASCIMENTO, C. P. S. do. ICMS ecológico como instrumento de responsabilidade socioambiental na gestão publica municipal: estudo sobre a experiência do estado do Ceara. II Conferência Sul-Americana de Contabilidade Ambiental, 2011.

SOUSA, F.A; ALBUQUERQUE, L.S; RÊGO, T. F; RODRIGUES, M. A. Responsabilidade Social Empresarial: Uma Análise sobre a Correlação entre a Variação do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) e o Lucro das Empresas Socialmente Responsáveis que compõem esse Índice. In: REUNIR – Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, v. 1, n. 1, p. 52-68, Mai – Ago/2011.

VALÉRIO, G. A.; SILVA, S. S. Indicadores de sustentabilidade como instrumentos de avaliação em Instituições de Ensino Superior (IES): uma análise das publicações científicas entre 2010 e 2019. Brazilizan Journal of Development, Curitiba, v.6, n.9, p. 70020-70032, sep. 2020.

VILAR, V. H; SIMÃO, J. CSR disclosure on the web: major themes in the banking sector. International Journal of Social Economics, v. 42, n. 3, pp. 296 – 318, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-480

Refbacks

  • There are currently no refbacks.