Melhores Práticas para Aplicação de TA na Educação Inclusiva / Best Practices for Applying AT in Inclusive Education

Críscilla Maia Costa Rezende, Ana Carolina Gondim Inocêncio

Abstract


Este trabalho apresenta as atividades e proposta de intervenção¸ desenvolvidas durante a realização do Estágio Supervisionado, disciplina do curso Bacharelado em Ciências da Computação, da Universidade Federal de Goiás. O estágio foi desenvolvido no Centro de Atendimento Educacional Especializado Érica de Melo Barboza, com foco em atividades pautadas na proposta de intervenção¸ acerca de recursos tecnológicos, baseados em software e hardware, utilizados no processo de ensino-aprendizagem. A conclusão do estágio contribuiu, ainda que de forma moderada, para a melhoria de alguns aspectos relacionados ao uso de recursos computacionais.


Keywords


Tecnologia Assistiva, Educação Especial, Inclusão.

References


AAIDD (2010). American Association on Intellectual e Developmental Disabilities. Definition of Intellectual Disability. AAIDD Washington.

BERSCH, R. e TONOLLI, J. C. (2016). Introdução ao conceito de tecnologia assistiva e modelos de abordagem da deficiência. Acesso em 04 de julho de 2019.

BRASIL (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Senado Federal do Brasil. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico.

BRASIL (1999). Lei nº 7.853, de 24 de outubro de 1989. Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para assuntos jurídicos. Diário Oficial da União.

BRASIL (2004). O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns da rede regular. Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão.

BRASIL (2009). Subsecretaria nacional de promoção dos direitos da pessoa com deficiência. Comitê de Ajudas Técnicas - CAT. Tecnologia Assistiva. Brasília: Corde.

BRASIL (2011). Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência - Plano viver sem limite. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos.

CAT (2007). Ata da reunião VII, de dezembro de 2007 do comitê de ajudas técnicas. Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República (CORDE/SEDH/PR).

DA ROCHA RODRIGUES, S. e FERNANDES, E. M. (2015). O uso das ajudas técnicas pelos professores de salas de recursos multifuncionais e classes inclusivas. Revista Conexão UEPG, 11(2):194–205.

DE MARTINO, J. M., SILVA, I. R., BOLOGNINI, C. Z., COSTA, P. D. P., KUMADA, K. M. O., CORADINE, L. C., DA SILVA BRITO, P. H., DO AMARAL, W. M.,

BENETTI, Â. B., POETA, E. T., et al. (2017). Signing avatars: making education more inclusive. Universal Access in the Information Society, 16(3):793–808.

DELLA LÍBERA, B. e JURBERG, C. (2017). Teenagers with visual impairment and new media: A world without barriers. British Journal of Visual Impairment, 35(3):247–256.

DOS SANTOS, C. B., MARQUES, M. L. C., de ANDRADE, M. M. A., e ROCHA, A. N. D. C. (2018). O uso da tecnologia assistiva pelo estudante com paralisia cerebral no contexto escolar. Revista Educação Especial, 31(62):631–649.

IBGE (2010). Censo demográfico 2010. características gerais da população, religião e pessoas com deficiências. IBGE: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

KITCHENHAM, B. e CHARTERS, S. (2007). Guidelines for performing systematic literature reviews in software engineering. Disponível em: https://www.elsevier.com/data/promismisc/525444systematicreviewsguide.pdf. Acesso em 02 de julho de 2018.

MINISTÉRIO PÚBLICO, P. F. d. D. d. C. (2004). O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns da rede regular. Publicado em 2004.

MONTE, F. e SANTOS, I. B. d. (2006). Saberes e práticas da inclusão: Dificuldades acentuadas de aprendizagem: Deficiência múltipla. Brasília, Brasil: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial.

NOBRE, M., GAGLIARDO, H., CARVALHO, K. d., BOTEGA, M., e SAMPAIO, P. R. (1998). Múltipla deficiência e baixa visão. Neurociências, pg 111.

OLIVEIRA, A. I. A. d., ASSIS, G. J. A. d., e GAROTTI, M. F. (2014). Tecnologias no ensino de crianças com paralisia cerebral. Revista Brasileira de Educação Especial, 20(1):85–102.

RAMIRES, L. O., SOUZA, E. P., DE SOUZA, J. N., FREIRE, M. R., JANURIO, M. V., SILVA, R. E., GOMES, R. S., e de LIMA, T. A. (2013). Como a tecnologia assistiva tem auxiliado o processo de ensino/aprendizagem? mapeamento sistemático a partir dos trabalhos publicados no SBIE. In Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE), volume 24, pg. 447.

REZENDE, C. M. C. e INOCÊNCIO, A. C. G. (2018). Tecnologias assistivas na educação especial brasileira: Um mapeamento sistemático. Anais do III Congresso de Ensino, Pesquisa e Extensão – CONEPE 2018. II Mostra Universitária.

RIBEIRO, C., PORFÍRIO, D., DOS SANTOS, P. C., KAWASHITA, I., e FASSBINDER, A. (2018). Um estudo preliminar sobre a influência de um jogo digital de bocha no desempenho e aprendizagem de estudantes com deficiência. In Anais do Workshop de Informática na Escola, volume 24, pg. 616.

SILVA, L., BELLON, O. R., FERREIRA, T. S., AZEVEDO, M. R., e VIEIRA, F. L. (2005). Projeto Vision Linux: integração de ferramentas de acessibilidade para usuários com necessidades especiais. In Anais do Workshop de Informática na Escola, volume 1.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-478

Refbacks

  • There are currently no refbacks.