Hanseníase em menores de 15 anos: expressão da magnitude e da força da transmissão recente, no estado do Pará, 2006 a 2015 / Leprosy in children under 15 years of age: expression of the magnitude and strength of recent transmission, in Pará state, 2006 to 2015

Silvio Silva de Oliveira, Raiula Gabriela da Silva Teixeira, José Natanael Gama dos Santos, Emanuele Rocha da Silva, Belmiro Figueiredo Vinente Neto, João Victor Filgueiras Mota, vone Diniz Chaquiam, Waltair Maria Martins Pereira, Carla Andréa Avelar Pires, João Farias Guerreiro

Abstract


A hanseníase é uma doença infectocontagiosa, curável, contudo, com grande potencial para gerar incapacidade física. Conhecer o impacto da hanseníase em menores de 15 anos permite estimar o nível de transmissão, a intensidade da endemia e avaliar a efetividade dos serviços de saúde em combater essa enfermidade, que é mais prevalente em populações pobres e representa um crescente problema de saúde no estado do Pará. O objetivo deste estudo foi estudar a distribuição geográfica da hanseníase em menores de 15 anos, na Região Metropolitana de Belém, estado do Pará. Estudo quantitativo, com desenho de estudo ecológico, dos casos notificados de hanseníase, em menores de 15 anos de idade, abrangendo o período de 2006 a 2015. Foram calculados indicadores epidemiológicos e utilizou-se o software livre com código-fonte aberto QGis 2.18 para a construção dos mapas. Dos 675 casos, havia predomínio das formas paucibacilares e maior frequência da forma clínica dimorfa. A evolução da taxa média, padronizada, de detecção da hanseníase em menores de 15 anos, apontou muito hiperendemicidade nos municípios de Castanhal, que tinha cobertura populacional da Estratégia Saúde da Família consolidada, e de Marituba, com cobertura intermediária. A magnitude da endemia, a força da morbidade e a tendência da doença, apontadas pelos indicadores de acompanhamento epidemiológico, permaneceram elevadas e a cobertura da Estratégia Saúde da Família, embora consolidada na maioria dos municípios, não se distribuiu de forma homogênea a garantir cobertura universal aos territórios. Esses resultados contribuem para a análise da distribuição geográfica da hanseníase, importante para a identificação de áreas para alocação de recursos, visando controle e redução da doença.

 

 


Keywords


Epidemiologia descritiva, Análise espacial, Indicadores de saúde, Estratégia Saúde da Família.

References


Finez MA, Salotti SRA. Identificação do grau de incapacidades em pacientes portadores de hanseníase através da avaliação neurológica simplificada. J Health SciInst Bauru-SP, 2011, 29(3):171-5. Disponível em: Acesso em: 12 de fevereiro de 2020.

Castro RNC, Veloso TC, Matos Filho LJS, Coelho LS, Pinto LB, Castro AMNC. Avaliação do grau de incapacidade física de pacientes com hanseníase submetidos ao Dermatology Quality Life Index em Centro de Referência e Unidades Básicas de Saúde de São Luis, MA. Rev Bras Clin Med, 2009,7:390-392. Disponível em: Acesso em: 12 de fevereiro de 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da Hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico-operacional [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2016. Disponível em: Acesso em: 12 de fevereiro de 2020.

Souza, C.S. Hanseníase: formas clínicas e diagnóstico diferencial [recurso eletrônico]. Medicina, Ribeirão Preto, 30: 325-334, jul./set. 1997. Disponível em: Acesso em: 16 de julho de 2020.

Castro SMS, Watanabe HAW. Isolamento compulsório de portadores de hanseníase: memória de idosos. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, 16 (2): 449-487, abr/jun. 2009. Disponível em: Acesso em: 12 de fevereiro de 2020.

World Health Organization. Weekly epidemiological record. Geneva, 2013. 88 (35): 365–380. Disponível em: Acesso em: 12 de fevereiro de 2020.

Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasil quer eliminar a hanseníase até 2015. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: < http://www.blog.saude.gov.br/index.php/programasecampanhas/30358-meta-do-brasil-e-eliminar-a-hanseniase-ate-2015> Acesso em: 12 de fevereiro de 2020.

Kiple KF. História da doença. In: PORTER, R. (Org.). História ilustrada da medicina. Rio de Janeiro: Revinter, 2001. p. 10-16.

Mendonça F. Clima, tropicalidade e saúde: uma perspectiva a partir da intensificação do aquecimento global. Revista Brasileira de Climatologia, Paraná. [Revista em Internet]. 1 (1): 100-112. 2005. Disponível em: Acesso em: 12 de fevereiro de 2020.

World Health Organization [página na Internet]. Global leprosy update, 2018: moving towards a leprosyfree world. Weekly Epidemiol (35/36): 389-412, 2019. Disponível em: Acesso: 27 de julho de 2020.

Gracie R, Peixoto JNB, Soares FBRS, Hacker MAVB. Análise da distribuição geográfica dos casos de hanseníase. Rio de Janeiro, 2001 a 2012. Ciência & Saúde Coletiva, 22(5):1695-1704, 2017. Disponível em: Acesso em: 12 de fevereiro de 2020.

Pires CAA, Malcher CMSR, Abreu Junior JMC, Albuquerque TG, Corrêa IRS, Daxbacher ELR. Hanseníase em menores de 15 anos: a importância do exame de contato. Rev Paul Pediatr. 30 (2): 292-5, 2012. Disponível em : Acesso em: 12 de fevereiro de 2020.

Organização Mundial Da Saúde [página na Internet]. Escritório Regional para o Sudeste Asiático. Estratégia global para a hanseníase: acelerar para um mundo livre de hanseníase, período 2016 a 2020. ISBN 978-92-9022-509-6, 2016.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Estratégia Nacional para Enfrentamento da Hanseníase 2019-2022/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis – Brasília: Ministério da Saúde, 2019. 15.

Ferreira IN, Evangelista MSN, Alvarez RRA. Distribuição espacial da hanseníase na população escolar em Paracatu – Minas Gerais, realizada por meio da busca ativa (2004 a 2006). Revista Brasileira de Epidemiologia, 10(4), 555-67, 2007. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v10n4/13.pdf> Acesso em: 12 de fevereiro de 2020.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [página na Internet]. Divisão Estatística dos estados em Mesorregiões e Microrregiões, 2012. Disponível: Acesso em: 10 de abril de 2019.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [página na Internet]. Censo demográfico 2010. Disponível em: http:/www.ibge.gov.br/home/estatística/censo 2010> Acesso em: 16 de novembro de 2019.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [página na Internet]. Base Municipal. Mapas, bases referências, bases cartográficas e malhas digitais. 2010. Disponível em: Acesso em: 10 de maio de 2019.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estatística/população/resultados gerais/amostras resultados gerais. Atualização em 29 de junho de 2012. Disponível em: Acesso em: 10 de maio de 2019.

Monteiro LD, Martins-Melo FR, Brito AL, Alencar CH, Heukelbach J. Padrões espaciais da hanseníase em um estado hiperendêmico no Norte do Brasil, 2001 – 2012. Rev. Saúde Pública. 49: 84, 2015. Disponível em:< https://www.scielo.br/pdf/rsp/v49/pt_0034-8910-rsp-S0034-89102015049005866.pdf> Acesso em: 12 de fevereiro de 2020

Aquino R, Oliveira NF, Barreto ML. Impact of the Family Health Program on Infant Mortality in Brazilian Municipalities. Am J Public Health. 99 (1): 87-93, 2009. Disponível em:< https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19008516/> Acesso em: 12 de fevereiro de 2020

Santos LS, Martorano LG, Batalha SSA, Silva GV, Pontes NA, Silva Junior OM, et al. SIGWebFNT como ferramenta de organização e gestão da informação em Unidade de conservação na Amazônia: Aplicação na Floresta Nacional do Tapajós, Pará. Scientia Plena, v. 12, n. 10, 2016.

Bona SH, Silva LOBV, Costa UA, Holanda AON, Campelo V. Recidivas de hanseníase em centros de Referência de Terezina, Piauí, 2001-2008. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 24(4):731-738, out-dez 2015.

Butlin CR, Saunderson P. Children with leprosy. Leprosy review, 85(2): 69-73, 2014.

Franco MCA Dinâmica da transmissão da hanseníase em menores de 15 anos em áreas hiperendêmica na região Norte do Brasil. 2014. Tese (Doutorado em Clínica das Doenças Tropicais) – Núcleo de Medicina Tropical, Universidade Federal do Pará, Belém – Pará. 69p.

Organização Mundial Da Saúde [página na Internet]. Escritório Regional para o Sudeste Asiático. Estratégia global para a hanseníase: acelerar para um mundo livre de hanseníase, período 2016 a 2020. ISBN 978-92-9022-509-6, 2016.

Freitas BHBM, Cortela DCB, Ferreira SMB. Tendência da hanseníase em menores de 15 anos em Mato Grosso (Brasil), 2001-2013. Rev Saúde Pública 2017; 51:28.

Cabral-Miranda W, Chiaravalloti Neto F, Barrozo LV. Socio-economic and environmental effects influenc¬ing the development of leprosyin Bahia, north-eastern Brazil. Trop Med Int Health. 19 (12): 1504-1514, 2014. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25244417/> Acesso em: 12 de julho de 2019.

Lana FCF, Carvalho APM, Davi RFL. Perfil epidemiológico da hanseníase na microrregião de Araçuaí e sua relação com ações de controle. Esc Anna Nery. 15 (1): 62-7, 2011. Disponível em: Acesso em: 10 de maio de 2019.

Barbosa DRM, Almeida MG, Santos AG. Características epidemiológicas e espaciais da hanseníase no Estado do Maranhão, Brasil, 2001-2012. Medicina (Ribeirão Preto) 2014;47(4): 347-56. Disponível em: Acesso em: 10 de maio de 2019.

Matos R. Periferias de grandes cidades e movimentos populacionais. Cadernos Metrópole. 13: 71-105, 2005.

Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (SESPA). Hanseníase no Pará: fatores que interferem na manutenção dos elevados coeficientes de detecção. Relatório de Pesquisa Operacional, 2009. Disponível em: Acesso em: 21 de outubro de 2016.

Anselin L. GeoDaTM software for geodata analysis: version GeoDa versão: 1.12.1.129. The Center for Spatial data Science, 2016. Disponível em: Acesso em: 23 de abril de 2018

De Souza DM, Dias GH, Nobre ML. The use of Geographical Information System (GIS) to improve active leprosy case finding campaigns in the municipality of Mossoró, Rio Grande do Norte State, Brazil. Lepr Rev. Sep. 78 (3):261-9, 2007. Disponível em : < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/18035777/> Acesso em: 12 de fevereiro de 2020.

Lana FCF, Davi RFL, Lanza FM, Amaral EP. Detecção da hanseníase e Índice de Desenvolvimento Humano dos municípios de Minas Gerais, Brasil. Rev. Eletr. Enf. 11 (3): 539-44, 2009. Disponível em: Acesso em: 10 de maio de 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-449

Refbacks

  • There are currently no refbacks.