Influência do armazenamento em diferentes temperaturas na qualidade fisiológica de sementes de Glycine max (l.) Merril / Influence of storage on different temperatures on the physiological quality of Glycine max (l.) Merril seeds

Artur Alves de Oliveira Braga, Conceição Aparecida Cossa, Maria Aparecida da Fonseca Sorace, Vinícius José de Jesus Machado, Pablo Frezato, Mauren Sorace, Carlos Eduardo Monteiro Pires, Elisete Aparecida Fernandes Osipi

Abstract


A soja (Glycine max) é uma espécie da família Fabaceae, originada da China, cultivada para produção de grãos que são amplamente utilizados para a elaboração de rações animais, produção de óleo e outros subprodutos, além do seu consumo “in natura”, que vem se expandindo nas últimas décadas (ARAUJO, 2009).

Sementes de soja mantidas em condições convencionais de armazenamento, com temperatura ambiente média de 20 a 25°C e umidade relativa do ar de 65 a 70%, podem manter a germinação por um período de 6 a 8 meses. Nestas condições, já se verifica redução do vigor da semente e em condições mais drásticas, as quedas de germinação já podem ser observadas em um período menor, de 60 a 90 dias. Este período pode ser ainda mais curto, dependendo dos níveis iniciais de vigor do lote e as condições de temperatura e umidade relativa do ar no armazenamento (VILLELA E MENEZES, 2009).

As sementes de soja sofrem alterações físico-químicas e biológicas durante o armazenamento. Dentre os principais fatores que afetam a capacidade de armazenamento de soja incluem ambiente, umidade relativa, teor de água, temperatura e tempo de armazenamento. As condições gerais do produto e quantidade de impurezas também afetam a sua capacidade de armazenamento (KONG et al., 2008).

O armazenamento sob condições controladas de temperatura ou umidade relativa do ar constitui-se em alternativa tecnicamente viável para a preservação da qualidade das sementes (VILLELA; MENEZES, 2009).

O objetivo do trabalho foi avaliar a qualidade fisiológica de sementes de soja, submetidas a armazenamento em condições de temperatura ambiente e em câmara fria ± 5ºC, periodicamente, de setembro de 2019 a agosto de 2020. O trabalho foi constituído por 3 tratamentos, compreendendo a avaliação da germinação inicial em pré-armazenamento das sementes e avaliações periodicamente, em pós-armazenamento das sementes em temperatura ambiente e em câmara fria, com temperatura de

±5ºC. Os parâmetros avaliados dos tratamentos em pré e pós-armazenamento foram: ou porcentagem de emergência das plântulas; primeira contagem de emergência e índice de velocidade de emergência. O delineamento foi inteiramente casualizado e as médias comparadas pelo Teste de Tukey 5% probabilidade.


References


BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária. Regras para Análise de Sementes. Brasília, 2009.

Demito, A.; Afonso, A. D. L. Qualidade das sementes de soja resfriadas artificialmente. Engenharia na Agricultura, v.17, p.7-14, 2009.

FRANÇA NETO, J.B.; KRZYZANOWSKI, F.C.; COSTA, N.P. Vigor de sementes: Conceitos e Testes. ABRATES. Londrina, PR, p. 8.5-3, 1999.

GOMES, D.P; KRONKA, A.Z; BARROZO, L.M; SILVA, R.P. da; SOUZA, A.L; SILVA, B.M.S e; PANIZZI,

R. de. C. Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na contaminação de sementes de soja por fungos. RevistaBrasileira de Sementes. Viçosa, MG, v. 31, n. 3, p. 160-166, 2009.

HORN, Delson. A Importância do Armazenamento Adequado de Sementes de Soja para Manter Altos Níveis de Germinação e Vigor. 2017. Disponível em:. Acesso em: 18 maio 2019.

INFLUÊNCIA DO ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE

SOJA. Cruz Alta: Universidade de Cruz Alta, Cruz Alta, Rs, Brasil, v. 3, 2019. Disponível em: http://revistaeletronica.unicruz.edu.br/index.php/CIENCIAETECNOLOGIA/article/view/8417/2125.

Acesso em: 31 maio 2020.

KONG, F.; CHANG, S.K.C.; LIU, Z.; WILSON, L.A. Changes of soybean quality during storage as related to soymilk and tofu making. Journal of Food Science. Institute of Food Technologists. v. 73, n. 3, p. 134- 135, 2008.

KROHN, N.G.; MALAVASI, M.M. Qualidade fisiológica de sementes de soja tratadas com fungicidas durante e após o armazenamento. Revista Brasileira de Sementes. Brasília, v. 26, n. 2, p. 91-97, 2004.

MACIEL, C.D.G.; POLETINE, J.P.; PEREIRA, J.C; MONDINI, M.L. Avaliação da qualidade de sementes de soja (Glycinemax (L.) cultivar IAC-18. Revista Cientifica Eletrônica de Agronomia. Disponível em: http://www.faef.edu.br/testergb/downloads/images/Avaliacaosoja.pdf. Acesso em 01. Out 2008.

MINUZZI, A.; BRACCINI, A.L.; RANGEL, M.A.S.; SCAPIM, C.A.; BARBOSA, M.C.; ALBRECHT, L.P.

Qualidade de sementes de quatro cultivares de soja, colhidas em dois locais no estado do Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Sementes. Londrina, vol. 32 n. 1, 2010.

PESKE, S.T.; ROSENTHAL, M.D.; ROTA, G.R.M. Sementes: fundamentos científicos e tecnológicos. 1ª Ed. Pelotas, RS, p. 30-34, 2003.

SCHUAB, S.R.P.; BRACCINI, A.L.; FRANÇA NETO, J.B.; SCAPIM, C.A.; MESCHEDE, D.K. Utilização

da taxa de crescimento das plântulas na avaliação do vigor de sementes de soja. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 24, n. 2, p. 90-95, 2002.

SENEM, Jaqueline; NÓBREGA, Lúcia Helena Pereira. Qualidade de sementes de cultivares de soja após a colheita e durante armazenamento em diferentes condições.

5 f. TCC (Graduação) - Curso de Engenharia Agronômica, Centro de Ciências Agrarias, Unioeste, Cascavel, 2016. Cap. 72. Disponível em: . Acesso em: 18 maio 2019.

VIEIRA, R.D.; CARVALHO, N.M. de. Testes de vigor em sementes. Jaboticabal, Funep, p. 34, 1994. VILLELA, F.A.; MENEZES, N.L. O Armazenamento de cada semente. Revista SEED NEWS. Pelotas- RS, Ano XIII, n. 4, 2009.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-447

Refbacks

  • There are currently no refbacks.