Cerâmica: um patrimônio cultural do vale do Jequitinhonha / Ceramics: a cultural heritage of the Jequitinhonha valley

Nadja Maria Mourão

Abstract


A cerâmica é uma das atividades mais antigas usada na manufatura de utensílios e produtos que sempre foram utilizados na construção e ornamento de habitações, no armazenamento e transporte de insumos pela humanidade. Inventada no período neolítico, em 25.000 a.C., tem um papel importante como registro da história e das artes, transmitindo os valores culturais de povos e nações.  O objetivo desse trabalho é contextualizar a relação da cerâmica como patrimônio cultural, em breves olhares da antiguidade ao Vale do Jequitinhonha em Minas Gerais. Trata-se de uma pesquisa qualitativa com caráter exploratório de contextos bibliográficos temáticos e históricos. Do patrimônio cultural imaterial destacam-se os saberes e modos de fazer cerâmicas, como atividades desenvolvidas por atores sociais conhecedores de técnicas e matérias-primas que identificam um grupo social de uma localidade. Até o momento, o fragmento de cerâmica vidrada mais antigo encontrado foi confeccionado em policromia, com o nome do rei Mens do Egito. Peças cerâmicas foram encontradas no Japão, na área ocupada pela cultura Jomon, datadas de oito mil anos ou mais. Na china, em Xi'an, um exército de soldados em cerâmica terracota foi desenterrado, revelando uma grandeza de detalhes da cultura da dinastia Han. No Brasil, há registros antigos de tribos que já conheciam a cerâmica bem antes da colonização, como os povos que habitavam a ilha de Marajó. Atualmente, em especial no Vale do Jequitinhonha, as artesãs sertanejas produzem cerâmicas, como as bonecas que retratam personagens da comunidade, registros da suas histórias de vida marcadas pela transformação do trabalho em talentos locais. Outras peças surgiram e transformaram o território em uma potente região empreendedora e turística. Dessa forma, considera-se que a cerâmica é um importante instrumento do patrimônio cultural, transmitindo os valores oriundos da cultura de povos e territórios, capaz de transcender o tempo e a história da humanidade.

 

 

 


Keywords


Cerâmica, Patrimônio Cultural, Vale do Jequitinhonha.

References


AEUCC - AGRUPACIÓN EUROPEA DE COOPERACIÓN TERRITORIAL CIUDADES DE LA CERÁMICA / European Grouping of Territorial Cooperation Cities of Ceramics. Disponível em: http://www.aeucc.eu/. Acesso em: 29 jan. 2021.

APARO, Ermanno. A cultura cerâmica no design da joalharia portuguesa. Doutoramento em Design (Tese). Aveiro: Universidade de Aveiro, 2010. Disponível em: http://hdl.handle.net/10773/3688. Acesso em: 29 jan. 2021.

BARRETO, Cristiana; LIMA, Helena Pinto; BETANCOURT, Carla Jaimes. Cerâmicas Arqueológicas da Amazônia: Rumo a uma nova síntese. Belém, IPHAN/MPEG, 2016.

BARRETO, Cristiana; NASCIMENTO, Hannah Fernandes; PEREIRA, Edithe. Lugares persistentes e identidades distribuídas no Baixo Amazonas: complexos cerâmicos pré-coloniais de Monte Alegre, Pará. Revista de Arqueologia, vol.29, n1, p.55-85, 2016. DOI: https://doi.org/10.24885/sab.v29i1.443. Acesso em: 29 jan. 2021.

CASTRO, Haroldo. Os guerreiros de terracota de Xi’an foram descobertos por mero acaso. Época. Globo.com. Postado em: 01 nov. 2016. Disponível em: https://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/viajologia/noticia/2015/03/bos-guerreiros-de-terracota-de-xib-foram-descobertos-por-mero-acaso.html. Acesso em: 29 jan. 2021.

CONSELHO MUNDIAL DO ARTESANATO. Declaração de Viena sobre o futuro do Artesanato.Viena: Unesco, 1985. Disponível em: http://www.nandeva.org/sites/default/files/paginas/anexos/declaracao_viena.pdf. Acesso em: 29 jan. 2021.

COOPER, Emmanuel. Historia de la cerâmica. Barcelona: Ediciones CEAC, 1993.

FERREIRA, Camila de Oliveira. Em nome da terra: estudo comparado das produções em cerâmica do Alto do Moura e do Vale do Jequitinhonha. Iniciação Científica. São Paulo: Faculdades Metropolitanas Unidas, 2015.

FERREIRA, Vanderlei de Oliveira. Paisagem, recursos hídricos e desenvolvimento econômico na bacia do Rio Jequitinhonha, em Minas Gerais. (Tese) Doutorado em Geografia. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2007. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/MPBB-78RN42. Acesso em: 29 jan. 2021.

FREIRE, Marcílio Nunes. Uso de matérias-primas argilosas do Estado do Rio de Janeiro em massas cerâmicas para porcelanato: formulação, propriedades físicas e microestrutura. (Tese) Engenharia e Ciência dos Materiais. Campos dos Goytacazes: Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, 2007.

FREITAS, Ana Luiza Cerqueira. Design + Artesanato. In: ENGLER, Rita de Castro (org.). Design Participativo: uma experiência no Vale do Jequitinhonha. Barbacena: EdUEMG, 2010.

GARMUS, Ludovico (org.). A Bíblia Sagrada. Rio de Janeiro: Editora: Vozes, 1982.

GHOSH, Pallab. Arqueólogos descobrem pedaço mais antigo de cerâmica na China. BBC. Postado em: 29 jun 2012. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2012/06/120629_china_ceramica_fn. Acesso em: 29 jan. 2021.

IPHAN - INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Patrimônio Cultural. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/218. Acesso em: 29 jan. 2021.

KIMURA, Karin. A arte de aceitar a imperfeição. Postado em: 19 jan. 2018. Disponível em: https://madeinjapan.com.br/2018/01/19/kintsugi-arte-de-aceitar-imperfeicao/. Acesso em: 29 jan. 2021.

KOREN, Leonard. Wabi-Sabi: for Artists, Designers, Poets & Philosophers. USA: Stone Bridge Press, 1994.

LINHARES, Anna Maria Alves. Um grego agora nu: índios marajoara e identidade nacional brasileira. Tese (doutorado) Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Belém, Universidade Federal do Pará, 2015.

MAROTE, Christine. Xi’an e seus soldados de Terracota - China na minha vida. Publicado em: 03/ jul. 2014. Disponível em: https://chinanaminhavida.com/2014/07/03/xian-e-seus-soldados-de-terracota/. Acesso em: 29 jan. 2021.

MATTOS, Sônia Missagia. Artefatos de Gênero na Arte do Barro (Jequitinhonha). Vitória: EDUFES. 2001.

MELO, Juliana M. Educação patrimonial: museu cultural da humanidade. Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio. Rio de Janeiro: Unirio. V.3, n.1, p.7-12, jan/jun. 2010.

MONTENEGRO, Raquel; ENGLER, Rita de Castro. O povo do Jequitinhonha. In: ENGLER, Rita de Castro (org.). Design Participativo: uma experiência no Vale do Jequitinhonha. Barbacena: EdUEMG, 2010.

MOURÃO, Nadja Maria; OLIVEIRA, Ana Célia Carneiro. Cultura afetiva: a construção do ser brincante no contexto urbano externo. RELACult – Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, V. 06, ed. especial, artigo nº 1789, e-ISSN: 2525-7870, mar./2020. DOI http://dx.doi.org/10.23899/relacult.v6i6.1789

MUSEU DO CCCM - CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. Lisboa, 2008. Disponível em: http://www.cccm.pt. Acesso em: 29 jan. 2021.

OLIVEIRA, Ana Célia C.; ENGLER, Rita de Castro; MOURÃO, Nadja M.; MACIEL, Rosilene Conceição. Objetos de memória: um estudo dos brinquedos como referência da diversidade cultural. Revista Brazilian Journal of Development, v.7, n.1, p.3870-3884, 2021. DOI:https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-262. Acesso em: 29 jan. 2021.

OMOTO, Patrícia Yuki. Padronagem visual e cultural japonesa: cerâmica e kimono. 2015. 209 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Instituto de Artes, 2015. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/136788. Acesso em: 29 jan. 2021.

PATIÑO, Tatiana Suárez. De la restauración y otros demonios: A propósito del Día Internacional del Restaurador. Fluentes, Revista De La Biblioteca Y Archivo Histórico De La Asamblea Legislativa Plurinacional. La Paz. Vol. 11, n° 48 fev., p. 52-57, 2017. Disponível em:http://www.revistasbolivianas.org.bo/pdf/fdc/v11n48/v11n48_a06.pdf. Acesso em: 29 jan. 2021.

RESENDE, M. A. P de. A indústria cerâmica: estudo de caso no Município de Tambaú-SP. Dissertação (Mestrado em Geociências), Unicamp, Instituto de Geociências, Campinas, 1998.

SCHAAN, Denise Pahl. A linguagem iconográfica da cerâmica marajoara: um estudo da pré-história na ilha do Marajó (400-1300 AD). Porto Alegre: EDIPUCRS, 1997.

SEBRAE - SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Cerâmica Vermelha para Construção: Telhas, Tijolos e Tubos. Relatório Completo. Set. 2008. Disponível em: http://www.sebraemercados.com.br/wp-content/uploads/2015/09/ESTUDO-CERAMICA-VERMELHA.pdf. Acesso em: 29 jan. 2021.

SENADO FEDERAL. Constituição Federal do Brasil de 1988. Da Ordem Social. Artigo 216. Disponível em: https://www.senado.leg.br/atividade/const/con1988/CON1988_05.10.1988/art_216_.a. Acesso em: 29 jan. 2021.

SMEETS, René. Signos, Símbolos & Ornamento. Rio de Janeiro: Ediouro, 1982

SPUTNIKNEWS.COM. Exército de Terracota 'recebe reforço' com descoberta de mais 220 soldados. Postado em: 30 dez. 2019. Disponível em: https://br.sputniknews.com/ciencia_tecnologia/2019123014951469-exercito-de-terracota-recebe-reforco-com-descoberta-de-mais-220-soldados-fotos-/. Acesso em: 29 jan. 2021.

TASCA, Jorge Eduardo; ENSSLIN, Leonardo; ENSSLIN, Sandra Rolim; ALVES, Maria Bernardete Martins. An approach for selecting a theoretical framework for the evaluation of training programs. Journal of European Industrial Training, v. 34, n. 7, p. 631- 655, 2010. DOI: http://dx.doi.org/10.1108/03090591011070761. Acesso em: 29 jan. 2021.

TOLEDO, M. C. M. et al. Intemperismo e formação do solo. In: TEIXEIRA, Wilson et al. org. Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2000, p. 140-166.

UNESCO - ORGANIZAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICA E CULTURAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Patrimônio Mundial. Disponível em: https://en.unesco.org/. Acesso em: 29 jan. 2021.

YUQIAO, Ji. New terracotta warriors uncovered at emperor’s mausoleum. Global Times. Postado em: 31 dez. 2019. Disponível em: https://www.globaltimes.cn/content/1175300.shtml. Acesso em: 29 jan. 2021.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-436

Refbacks

  • There are currently no refbacks.