Ingestão diária de água e sua procedência por discentes dos cursos de nutrição e engenharia de alimentos da universidade Federal de Sergipe/Campus São Cristóvão / Daily intake of water and its origin by students of the nutrition and food engineering courses at the Federal university of Sergipe / São Cristóvão Campus

Renata Emília Melo dos Santos, Carolina Aragão Céu Melo, Mayara dos Santos Tavares, Adrielly da Silva Santos, Jéssica Raiane Divino Jardim, Gustavo Lima de Santana, José Rodrigo Santos Silva, Ingrid Maria Novais Barros de Carvalho Costa

Abstract


A ingestão de água é fundamental para a sobrevivência dos seres humanos e a sua procedência crucial para não desenvolver doenças. Nesse trabalho, buscou-se conhecer a ingestão diária de água e sua procedência por discentes dos cursos de Nutrição e de Engenharia de Alimentos da Universidade Federal de Sergipe (UFS)/Campus São Cristóvão. Foi realizado um estudo transversal, em março de 2020, sendo levantados os dados socioeconômicos, ingestão diária de água e sua procedência. O estudo foi constituído por 73 indivíduos, sendo 41,1% do curso de engenharia de alimentos e 58,9% do curso de nutrição, a maioria dos discentes apresentam renda familiar per capita de meio a um salário mínimo. Menos da metade (49,3%) realizam atividade física, sendo a maior frequência nos discentes de engenharia de alimentos (69,2%). O maior consumo de água foi verificado dentre os discentes de nutrição (1,8 a 2,1L) quando comparados com os de engenharia (1,2 a 1,6L). A procedência da água da maior parte dos discentes de engenharia de alimentos (46,7%) é de poço e rede pública e nos de nutrição da rede pública (51,2%). A água mineral e filtrada são as mais utilizadas pelos discentes de engenharia de alimentos (46,7%) e nos de nutrição é a água filtrada (51,2%). O estudo mostra que a maioria dos discentes não ingerem a quantidade de água diária recomendada, sejam praticantes de atividade física ou não. A maior parte da água de consumo procede da rede pública e que à nível doméstico a maioria dos discentes filtram a água de beber. 


Keywords


Água, Ingestão, Quantidade, Qualidade, Doenças.

References


Aranceta-Bartrina J, Gil A, Marcos A et al. Conclusions of the II International and IV Spanish Hydration Congress. Toledo, Spain, 2nd-4thDecember, 2015. Nutr Hosp 2016; 33 Suppl 3:308.

ANDIFES, Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior no Brasil.2018. Disponivel em: Acesso em: 27 Set. 2020.

ANDIFES, Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior no Brasil. 2017. Disponível em: Acesso em: 27 Set 2020.

Benelam B, Wyness L. Hydration and health: a review. British Nutrition Foundation Nutr Bull 2010; 35: 3–25.

Benton D, Jenkins KT, Watkins HT et al. Minor degree of hypohydration adversely influences cognition: a mediator analysis. Am J Clin Nutr 2016; 104:603-12.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014;156 p.

BRASIL. Portaria do Ministério da Saúde. Resolução nº 2914. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 12 dez. 2011(b).

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde (FUNASA). Saneamento para a Promoção da Saúde. Brasília, DF: FUNASA, jul. 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria de Consolidação n°5, de 28 de setembro de 2017. Consolidação das normas sobre as ações e os serviços de saúde do Sistema Único de Saúde. 926 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Diretriz nacional do plano de amostragem da vigilância da qualidade da água para consumo humano. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 182/2017. Dispõe sobre as boas práticas para industrialização, distribuição e comercialização de água adicionada de sais.

Censo da Educação Superior, notas estatísticas. Diretoria de Estatísticas Educacionais, 2018.

Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Resolução nº 430. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 16 mai. 2011(a).

COLLIVIGNARELLI, C. Water safety: one of the primary objectives of our time. Revista Ambiente & Água, v. 12, n. 1, 2017.

Costa, T. A. C. R.; Oliveira, B. O. S.; Valente, K. S. (2018). Avaliação da qualidade da água de poços cacimba e rasos no município de Humaitá-AM. Revista EDUCAmazônia, v. 20, n. 1, p. 157-172.

EFSA Panel on Dietetic Products Nutrition and Allergus (NDA) (2010) Scientific Opinion on Dietary reference values for water. EFSA jornal 8, 1459.

Estilo de vida dos universitários, USP, 2016.Disponível em: < http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/122721 > Acesso em: 20 Set. 2020.

FERNANDES, C. V. et al. Estudo da qualidade das águas processadas em filtros de barro tradicionais contrapondo os filtros modernos. 5º ERQ-Encontro Regional de Química & 4º Encontro Nacional de Química Blucher Chemistry Proceedings. v.2 n.1. nov. 2015.

Ferreira DC, Luz SLB, Buss DF. Avaliação de cloradores simplificados por difusão para descontaminação de água de poços em assentamento rural na Amazônia, Brasil. Ciênc. saúde coletiva. 2016; 21(3): 767-76

FREIRE, Romero Correia. Qualidade da água nos reservatórios domiciliares na região metropolitana da cidade do Recife, Pernambuco. Journal of Management & Primary Health Care, Recife, PE, v. 3, n. 2, p. 102-105, 2012.

FUSATI. Consultoria em Tratamento de Água e Efluente. O tratamento da água, 2018.

Gil A. Hydration and health. Nutr Hosp 2015; 32:1-58.

GRAZIANO DA SILVA, J O dicisor das aguas. Valor Econômico, em 13 de maio de 2019. Disponivel em: https://www.valor.com.br/colunistas/Jos%C3%A9%20Graziano%20da%20Silva Urbano, E. Minicisternas. Disponível em: http://www.sempresustentavel.com.br/hidrica/minicisterna/minicisterna.htm Sustentabilidade.

Guelinckx I, Iglesia I, Bottin JH et al. Intake of water and beverages of children and adolescents in 13 countries. Eur J Nutr 2015; 54:69-79.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional de Saneamento Básico 2000. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional Socieconomica 2019. 27 de setembro de 2020. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/.

INSTITUTO DE MEDICINA. Dietary Reference Intakes for water, potassium, sodium, chloride, and sulfate. Washington, DC: The National Academies, 2004.

MORAIS, W. A., et al. Qualidade sanitária da água distribuída para abastecimento público em Rio Verde, Goiás. Brasil, Caderno de Saúde Coletiva, n. 24, v. 3, p. 361-367, 2016.

Muñoz CX, Johnson EC, McKenzie AL et al. Habitual total water intakeand dimensions of mood in healthy young women. Appetite. 2015; 92:81-6.

Neves-Silva P, Heller L. O direito humano à água e ao esgotamento sanitário como instrumento para promoção da saúde de populações vulneráveis. Ciênc. saúde coletiva. 2016; 21(6): 1861-1870.

OMS, Organização Mundial da Saúde, 2019. Acesso: < https://www.who.int/eportuguese/countries/bra/pt/ > Acesso em: 20 Set. 2020.

OMS, Organização Mundial da Saúde, 2019, Disponível em: < https://www.gov.br/saude/pt-br > Acesso em :20 Set. 2020.

SILVA Luís Henrique, OLIVEIRA, Anna Augusta Sampaio. Contribuições do projeto piloto à coleta de dados em pesquisas na área de educação. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, v. 10, n. 1, p. 225-245, 2015.

SILVA, J. T. SILVA, B. B. S. SILVA, A. A. SILVA, G. N. R. Análise Físico-Química da Qualidade de Água Nos Bebedouros da Escola e Conscientização dos Estudantes Sobre Seu Consumo. In: Congresso Nacional de Educação, 2016. Acesso em: 20 Out. 2019.

SNIS, Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento, diagnostico de serviço água e esgoto,2018. Disponível em : Acesso em: 26 Set. 2020.

SBAN, Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição, 2019. Disponível em: Acesso em: 28 Set.2020.

WHO, World Health Organization, Guidelines for Drinking-Water Quality: incorporating first addendum. V. 1. Recommendations. 2. ed. Genebra: WHO, 2004.

WHO, World Health Statistics, Disponível em: Acesso em: 26 Set. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-433

Refbacks

  • There are currently no refbacks.