Prevalência da síndrome de Burnout entre profissionais de saúde que atuam em unididades de terapia intensiva / Prevalence of Burnout syndrome among health professionals who work in intensive care units

Vanessa Paula da Silva Oliveira, Heliene dos Reis Silva

Abstract


A Síndrome de Burnout, ou Síndrome da Estafa Profissional, advém de trabalhadores que são expostos a situações estressantes em seu cotidiano, e geralmente se instala em pessoas que lidam muito tempo com outras pessoas dependentes de cuidados específicos e que demandam de muito comprometimento e dedicação. A SB possui três dimensões a serem avaliadas, são: Exaustão Emocional, Despersonalização e Ineficácia. Os objetivos desta pesquisa foram avaliar a prevalência da SB entre profissionais de saúde que atuam em UTI; descrever os sinais e sintomas da Síndrome de Burnout entre profissionais intensivistas; identificar os fatores ocupacionais associados aos componentes da SB; relacionar a carga horária total dos profissionais intensivista à SB. O método usado para a identificação da prevalência da síndrome de Burnout foi o formulário Maslach Burnout Inventory (MBI). Para composição da amostra foram selecionados 43 profissionais de saúde, dos quais 10 submeteram a participação da pesquisa. Para análise dos questionários e exposição dos resultados foi caracterizada em tabelas de distribuição dos dados em frequência, porcentagem e suas respectivas médias e desvio padrão. A prevalência da SB encontrada, foi de 40% em seu nível médio, sendo a dimensão MBI mais significativa, a falta de realização profissional (80%). Possuem jornada dupla de trabalho 70% sendo os sintomas mais frequentes: dores musculares (100%) e alterações de humor (90%).

 

 

 


Keywords


Burnout, Saúde do trabalhador, Estresse Ocupacional, UTI.

References


ABREU, S. A., et al. Determinação dos sinais e sintomas da síndrome de burnout através dos profissionais da saúde da santa Casa de Caridade de alfenas nossa senhora do perpétuo socorro. Revista da Universidade Vale do Rio Verde. v.13, n.1, 2015. p. 201-238.

BARROS, M. M. S., et al. Síndrome de Burnout em médicos intensivistas: estudo em UTIs de Sergipe. Temas em Psicologia. v.24, n.1, 2016. p. 377-389.

CALEGARI, R.C. et al. Humanização da assistência à saúde na percepção de enfermeiros e médicos de um hospital privado. Rev Esc Enferm USP. v.49, n.2, 2015. p.42-47.

CARVALHO, Daiany, et al. Síndrome de Burnout em profissionais da área da saúde atuantes em dois municípios do interior de Minas Gerais-Brasil. Revista Contexto & Saúde. V.16, n.31, 2016. p. 139-148.

CORNELIUS, Adriane; CARLOTTO, Mary Sandra. Síndrome de Burnout em profissionais de atendimento de urgência. Revista Psicologia em Foco. v1. N.1, 2014. P. 15-27.

GOUVÊA, P. B., HADDAD, M. C. L., ROSSANEIS, M. A. Manifestações psicossomáticas associadas à síndrome de burnout referidas por trabalhadores de saúde. Rev.Saúde. v. 40, n.1, 2014. p. 47-54.

GUERRER, Francine Jomara Lopes; Bianchi, Estela Regina Ferraz. Caracterização do estresse nos enfermeiros de unidades de terapia intensiva. Rev Esc Enferm Usp, Sao Paulo, v. 42, n. 2, p.355-362, ago. 2008.

JODAS, Denise Albieri; HADDAD, Maria do Carmo Lourenço. Síndrome de Burnout em trabalhadores de enfermagem de um pronto socorro de hospital universitário. Acta paul. enferm. São Paulo, v. 22, n. 2, 2009. p. 192-197.

JÚNIOR, S.D.S & COSTA, F.J. Mensuração e escalas de verificação: uma análise comparativa das Escalas de Likert e Phrase Completion. Rev. Brasileira de Pesquisa de Marketing, opinião e mídia. (online), São Paulo., v.15, out. 2014. p. 1-16.

MENEGHINI, Fernanda; PAZ, Adriana Aparecida; LAUTERT, Liana. Fatores ocupacionais associados aos componentes da síndrome de burnout em trabalhadores de enfermagem. Texto Contexto Enferm, Florianopolis, v. 20, n. 2, jun. 2011. p.225-233.

MORENO, Fernanda Novaes et al. Estratégias e intervenções no enfrentamento da síndrome de burnout. Rev. Enferm. Uerj, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, dez. 2010. p.140-145, 18.

MOTA, D.S., EIJE, G.M., MARINHO, V.L. Síndrome de Burnout nos profissionais da área de saúde. Amazônia: Science & Health. v.4, n.3, 2016. p. 29-37.

NASCIMENTO, Camila Porto, et al. Síndrome de burnout em fisioterapeutas intensivistas. Revista Pesquisa em Fisioterapia. v.7, n.2. 2017.

ROSA, Cristiane da, & CARLOTTO, M.S. Síndrome de Burnout e satisfação no trabalho em profissionais de uma instituição hospitalar. Revista da SBPH. v.8, n.2, 2005. p. 1-15.

SARQUIS, Mansano Sar Leila Maria Mansano; Felli, Vanda Elisa Andrés. Os sentimentos vivenciados após exposição ocupacional entre xposição ocupacional entre trabalhadores de saúde: fulcr trabalhadores de saúde: fulcro para repensar o trabalho em instituições de saúde o para repensar o trabalho em instituições de saúde. Rev Bras Enferm, Brasilia, v. 62, n. 5, p.701-704, out. 2009.

SILVA, C.P.S.S., et al. A síndrome de burnout em profissionais da Rede de Atenção Primária à Saúde de Aracaju. Rev. BrasilCiência & Saúde Coletiva. v. 20, n.10, 2015. p. 3011-3020.

SIMÕES, Júlio & BIANCHINI, R.L.O. Prevalência da Síndrome de Burnout e qualidade do sono em trabalhadores técnicos de enfermagem. Rev. Saúde e Pesquisa – UniCesumar. v.9, n.3, Maringá, 2016.

SCHMIDT, Denise Rodrigues Costa Schmidt., et al. Qualidade de vida no trabalho e burnout em trabalhadores de enfermagem de Unidade de Terapia Intensiva. Revista brasileira de enfermagem. vol.66, n.1, 2013. p.13-17.

TAMAYO, M. R. Relação entre a síndrome do burnout e os valores organizacionais no pessoal de enfermagem de dois hospitais públicos. Dissertação de Mestrado não publicada; Programa de Pós- Graduação em Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, 1997.

TIRONI, M.O.S. et al. Trabalho e síndrome da estafa profissional (síndrome de burnout) em médicos intensivistas de salvador. Rev. Assoc. Med Bras, 2009.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-432

Refbacks

  • There are currently no refbacks.