Perfil alimentar de discentes adultos do Instituto Federal de Sergipe / Campus São Cristóvão / Food profile of adult students of the Federal Institute of Sergipe / São Cristóvão Campus

Mayara dos Santos Tavares, Vanice dos santos da silva, Renata Emília Melo dos Santos, Lorena de Melo Menezes Ramos, José Rodrigo Santos Silva, Emanuele Oliveira Cerqueira Amorim, Igor Adriano de Oliveira Reis, Ingrid Maria Novais Barros de Carvalho Costa

Abstract


A alimentação dos brasileiros tem mudado no decorrer dos anos, com os alimentos processados e ultraprocessados se tornando cada vez mais acessíveis para todas as idades. Nesse trabalho, buscou-se avaliar o perfil alimentar de discentes adultos do Instituto Federal de Sergipe / Campus São Cristóvão e a frequência de consumo de alimentos in natura, minimamente processados, processados e ultraprocessados. Foi realizado um estudo transversal, a coleta de dados ocorreu no mês de Setembro/2019 e foi realizada por meio de um protocolo de avaliação com questões referentes aos dados socioeconômicos e consumo alimentar dos indivíduos, o estudo foi constituído por 111 indivíduos, com 83,52% dos entrevistados apresentando renda per capita familiar menor ou igual a um salário mínimo. Os alimentos in natura consumidos com maior frequência (quatro vezes por semana ou mais) foram café (53%), carnes frescas (36%) e ovos (34%); as frutas e legumes são consumidos por apenas 26,1% dos estudantes. Dentre os minimamente processados, o açúcar de mesa (59%) e pães (54%) eram os mais consumidos, enquanto que o azeite de oliva é consumido apenas uma vez na semana ou não é consumido por 76% dos discentes. Ao considerar os alimentos processados, o biscoito recheado (23%), extrato de tomate (12%) e carne seca (6%) eram o mais frequentes. Enquanto, que dentre os alimentos ultraprocessados investigados, a margarina, biscoitos em geral e refrigerantes atingiram os percentuais de 36%, 27% e 14%, respectivamente. O estudo evidenciou um maior consumo de alimentos in natura, minimamente processados e ultraprocessados. Porém, os alimentos in natura e minimamente processados mais consumidos pela amostra são considerados menos saudáveis, resultando em um consumo alimentar de baixa qualidade nutricional.

 

 


Keywords


Perfil alimentar, Discentes, Frequência, Socioeconômico.

References


ANDRÉIA FOCCHESATTO, et all Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro v. 18, n. 4, p. 779-795, oct/dic, 2015. ISSN: 1809-9823.

ASCHERIO, A.; WILLET, W. C. Health effects of trans fatty acids. American Journal of Clinical Nutrition, v. 66, n. 4, p. 1006-10, 1997.

BADOLATO, E. S. G. et al. Composição centesimal de ácidos graxos e valor calórico de cinco espécies de peixes marinhos nas diferentes Tabela 3. Índices de qualidade nutricional da fração lipídica do filé de cachara, pintado, pacu e dourado. P/S ω6/ω3 HH IA IT Cachara 0,44 1,18 1,75 0,54 0,59 Pintado 0,52 0,95 1,84 0,49 0,33 Pacu 0,13 3,65 1,66 0,86 1,16 Dourado 0,49 1,14 1,49 0,70 0,35 P/S = Poliinsaturados/saturados; ω6/ω3 = Σ da série Omega 6/Σ da série Omega 3; HH = Σ hipocolesterolêmicos/Σ hipercolesterolêmicos; IA = índice de aterogenicidade; e IT = índice de trombogenicidade. (ULBRICHT; SOUTHGATE, 1991). Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, 28(2): 361-365, abr.-jun. 2008 365 Ramos Filho et al. estações do ano. Revista do Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, v. 54, n. 1, p. 27-35, 1994.

ÇELIK, M.; DILER, A.; KÜÇÜKGÜLMEZ, A. A comparison of the proximate compositions and fatty acid profiles of zander (Sander lucioperca) from two different regions and climatic conditions. Food Chemistry, Champaign, v. 92, n. 4, p. 637-641, 2005.

HOFFMANN R. Desigualdade de renda e das despesas per capita no Brasil, em 2002- 2003 e 2008-2009, e avalia¬ção do grau de progressividade ou regressividade de parcelas da renda familiar. Econ Soc 2010; 19(3):647- 661.

HUWE FG, ANTON LM, EISENHARDT MF, FOLETTO E, JACKISCH S, SEVERO B, et al. Avaliação das características clínicas e epidemiológicas e sobrevida global de pacientes portadores de câncer colorretal. Rev Epidemiol Controle Infecç. 2014;3(4):112-6.

GUIMARÃES, I. C. B et al. Pressão Arterial: Efeito do Índice de Massa Corporal e da Circunferência Abdominal em Adolescentes. Arq Bras Cardiol., v.90, n.6, p.426-432, 2008.

GOMES FS. Frutas, legumes e verduras: Recomendações técnicas versus constructos sociais. Rev. Nutr. Campinas.2007;20(6):669-80.

LAMBERT, J. L. et al As principais evoluções dos comportamentos alimentares: o caso da França. Revista de Nutrição, Campinas, v.18, n. 5, p. 577-591, out. 2005.

LIGNANI JB, SICHIERI R, BURLANDY L. Changes in food consumption among the Programa Bolsa Família partipant families in Brazil. Public Health Nutr 2010; 14(5):785-792.

LIMA, M. A. M. et al. Azeite e seus benefícios. Simpósio Paraibano de Saúde: Tecnologia, Saúde e Meio Ambiente à Serviço da Vida, João Pessoa – PB, p. 149-152, 2012.

LOUZADA MLC, BARALDI LG, STEELE EM, MARTINS APB, CANELLA DS, CLAUDE-MOUBARAC JL, BERTAZZI R, CANNON G, AFSHIN A, IMAMURA F, MOZAFFARIAN D, MONTEIRO CA. Consumption of ultra-processed foods and obesity in Brazilian adolescents and adults. Prev Med 2015; 81:9-15.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia alimentar para a população brasileira. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. 2ª Edição. Brasília/DF, 2014. 150 p.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia alimentar para a população brasileira. Minostério da Saúde. Secretaria de Atenção à saúde. Departamento de Atenção Básica. 2ª Edição. Brasília/DF,2006. 32p.

MONTEIRO, C.A.; CANNON, G.; LEVY, R.; MOUBARAC, J.C.; JAIME, P.; MARTINS, A.P.; CANELLA, D.; LOUZADA, M.; PARRA, D.; RICARDO, C.; CALIXTO, G.; MACHADO, P.; MARTINS, C.; MARTINEZ, E.; BARALDI, L.; GARZILLO, J.; SATTAMINI, I. Classificação dos alimentos. Saúde Pública. NOVA. A estrela brilha. World Nutrition, volume 7, número 1-3, Janeiro- Março. 2016. Acesso em 10 maio 2017.Disponívelem:http://www.cookie.com.br/site/wpcontent/uploads/2016/12/NOVA-Classifica%C3%A7%C3%A3o-dos-Alimentos.pdf

MONTEIRO CA. Nutrition and health. The issue is not food, nor nutrients, so much as processing.

Public Health Nutr. 2009;12(5):729-31.DOI:10.1017/S136898000900529115.

MONTEIRO CA, LEVY RB, CLARO RM, CASTRO IRR,CANNON G. A new classification of foods based on the extent and purpose of their processing.Cad Saude Publica. 2010;26(11):2039-49.DOI:10.1590/S0102-311X2010001100005

MONTEIRO CA, CANNON G, LEVY RB, CLARO RM, MOU¬BARAC J-C. The Food System. Ultra-processing. The big issue for nutrition, disease, health, well-being. World Nutr 2012; 3(12):527-569

MORENO LA, Gottrand F, Huybrechts I, Ruiz JR, González-Gross M, DeHenauw S, et al. Nutrition and lifestyle in european adolescents: the HELENA (Healthy Lifestyle in Europe by Nutrition in Adolescence) study. Adv Nutr 2014; 5:615S-23

MOUBARAC J-C, MARTINS AP, CLARO RM, LEVY RB, CANNON G, MONTEIRO CA. Consumption of ultra-processed foods and likely impact on human health. Evidence from

Canada. Public Health Nutr. 2013;16(12):2240-8.DOI:10.1017/S1368980012005009

MOZAFFARIAN, D. et al. on behalf of the American Heart Association Statistics Committee and Stroke Statistics Subcommittee. Heart disease and stroke statistics 2015 update: a report from the American Heart Association. Disponível em: Acesso em 19/03/2016.

PAN AMERICAN HEALTH ORGANIZATION. Ultra-processed food and drink products in Latin America: Trends, impact on obesity, policy implications. Washington, DC. Pan American Health: PAHO, 2015. ISBN 978-92-75-11864-1

PEREIRA ALF, Vidal TF, Constant PBL. Antioxidantes alimentares: importância química e biológica. Rev. Soc. Bras. Alim.2009;34(3):231-47.

ROLLS BJ.The relationship between dietary energy density and energy intake.Physiol Behav. 2009;97(5):609-15. DOI:10.1016/j.physbeh.2009.03.011

RODRIGUES, F. S.; SABES, J. J. S. A percepção do consumidor de alimentos "fora de casa": um estudo multicaso na cidade de Campo Grande/MS. Caderno de Administração, Bauru, v. 14, n.2, p. 37-45, 2006.

SCHLINDWEIN, M. M.; KASSOUF, A. L. Influência do custo de oportunidade do tempo da Mulher sobre o padrão de consumo alimentar no Brasil. Pesquisa e Planejamento econômico, Rio de Janeiro, v.37, n.3, p. 489-520, dez. 2007.

WILLETT, W. C. Trans fatty acids and cardiovascular disease: epidemiological data. Atherosclerosis Supplements, v. 7, n. 2, p. 5-8, 2006

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). obesity. 2017 [acesso em 2017 mai 22].

WORLD HEALTH ORGANIZATION – WHO. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases. Geneva, 2003. (Tecnical Report Series 916).

YANG, Q.; ZHANG, Z.; GREGG, E.W.; FLANDERS, W.; MERRITT, R.; HU, F.B. Added Sugar Intake and Cardiovascular Diseases Mortality Among US Adults. JAMA Intern Med.;174(4):516-524, 2014.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-431

Refbacks

  • There are currently no refbacks.