Violência contra mulher: à percepção dos graduandos de enfermagem / Violence against women: the perception of nursing graduates

Debiane da Silva, Jeisiane Carvalho de Souza Diniz Lopes, Ellen Matos Alves, Tereza Monique Côrtes Gomes, Andriellen Rabelo Carvalho, Ana Fátima Souza Melo de Andrade, Taciana Silveira Passos, André Luiz de Jesus Morais

Abstract


Objetivo: conhecer as percepções dos graduandos em Enfermagem do Centro Universitário Estácio de Sergipe, sobre violência contra a mulher. Método: Pesquisa de caráter descritivo exploratório com abordagem qualitativa. Foi realizada no Centro Universitário Estácio de Sergipe com acadêmicos do curso de graduação de enfermagem, do município de Aracaju/ SE, no período de agosto a setembro de 2020. Resultado: Os indivíduos eram predominantemente do sexo feminino (97,14%), cor parda (61,43%), faixa etária 25-a 30 anos (67,95%), sem filhos (72,86%). Evidenciou-se que não houve relevância entre o sexo, cor da pele, características pessoais, em sentirem-se aptos ou não a atender mulheres vítimas de violência. Conclusão: Conclui-se que se compreende que a violência contra mulher é um tema que deve ser mais abordado durante a graduação dos acadêmicos de enfermagem para que haja maior preparação para atuação no campo de trabalho frente a esse problema de saúde pública.

 

 


Keywords


Violência contra mulher, Estudantes de Enfermagem, Enfermagem.

References


AMARANTE, S. Violência contra mulheres vem crescendo no Brasil. Fundação Oswaldo Cruz: uma instituição a serviço da vida, 11 Mar. 2019. Disponível em: . Acesso em: 04 Jun. 2020.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARRETO, T.M. et al. A violência contra a mulher sob a percepção de acadêmicos de enfermagem. Revista Eletrônica Estácio Saúde, Rio de Janeiro, n.2, v.4, 2015.

BRASIL. Conselho Federal de Enfermagem – COFEN. Resolução n° 564/2017. Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem, 6 Dez. 2017. Disponível em: . Acesso em: 24Abr. 2020.

BRASIL. Constituição Federal de 1988, Lei Maria da Penha. Lei n°11.340, 7 de agosto de 2006. Disponível em: . Acesso em: 08 Mai. 2020.

BRASIL. Tipos de violência. Instituto Maria Da Penha, Brasília, c2018. Disponível em:. Acesso em: 03 de Jun. de 2020.

CAVALCANTE, L.F.C; SANTOS, K.D.S.C; COLLARES, A.C.C.L. Análise comparada das políticas públicas de enfrentamento à violência sexual contra a mulher. Seminário nacional de serviço social, trabalho e política social, Universidade federal de Santa Catarina, Florianópolis SC – 27 a 29 de outubro de, 2015.

COMISSÃO DE DEFESA DOS DIREITOS DA MULHER. Mapa da violência contra a mulher 2018, ed. 1, Brasília, 2018.

DATASENADO. Violência doméstica e familiar contra a mulher, DataSenado, n.2, v.36, 2017.

DEBONI, M.A.D; SILVA, L.V.F. Lei Maria da Penha: Análise de campanhas publicitárias de superação à violência contra mulher. Fragmentos de Cultura. Goiânia, v. 28, n. 2, p. 191-206, 2018.

FONSECA, R.A.F. et al. violência doméstica contra a mulher. IV Seminário Científico da FACIG. 2018.

FONTANELLA, B.J.B; RICAS, J; TURATO, E.R. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, n. 1, v. 24, p. 17-27, 2008.

FREITAS, C.G.D; SILVA, R.B.B.D. A violência contra mulher e a psicologia diante dessa realidade na perspectiva da atenção básica. Revista Mosaico, n. 10, v 1, 2019. Jurídico, Brasília-DF: 26 Jul 2017.

LEITE, R.M; NORONHA, R.M.L.Violência contra a mulher: herança histórica e reflexo das influências culturais e religiosas. Revista Direito e Dialogicidade, Crato, Ceará, n. 1, v.6, 2015.

MARIA, G; BITTAR, P. Ligue 180 é o mais importante projeto de enfrentamento à violência contra a mulher, diz secretaria. Câmara dos Deputados, Brasília-DF, 13 Ago. 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 Jun. 2020.

MARTINS, A.P.A; CERQUEIRA, D; MATOS, M.V.M. A institucionalização das políticas públicas de enfrentamento à violência contra as mulher no Brasil. IPEA, Brasília, n. 13, v.5, 2015.

MINISTERIO DA SAÚDE. Atenção humanizada às pessoas em situação de violência sexual com registro de informações e coleta de vestígios. n. 1, 2015.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Fluxograma adaptado da Linha de cuidado para atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências. Versão 4, 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo da atenção básica saúde das mulheres. Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa, Brasília-DF, n. 1, 2016.

MARTINS, D. C. et al. Violência: abordagem, atuação e educação em enfermagem. Ciências biológicas e de saúde Unit, Aracaju, n.2, v.4 , p. 155-168, 2017.

MELO, A.L.J.M; VIEIRA, L.S.A.V. A percepção de mulheres sobre violência de gênero esexualidade feminina. Revista da Mostra de Trabalhos de Conclusão de Curso. UrcampBagé, v. 1, n. 1, 2017.

NETA, M.A.D. et al. Conhecimento dos graduandos de enfermagem acerca da violência contra a mulher. Revista Ciência e Saberes-Facema, n. 2, v.1, p. 130-134, 2015.

MOREIRA, G.A.R, et al. Qualificação de profissionais da saúde para a atenção ás mulheres em situação de violência sexual. Revista Trabalho e Educação em Saúde, Rio de Janeiro, n.3, v.16, p.1.039-1.055, 2018.

OLIVEIRA, M.V.O; DULTRA, L.D. Violência contra mulher conheça previna combata. Pluscom. Rio Grande, 2016.

OPAS/OMS. Folha informativa - Violência contra as mulheres. Novembro, 2017.

PERALVA, T.R.P, et al. Violência doméstica na percepção de enfermeiros de serviço de emergência. Revista de ciências e tecnologia, Maranhão, v.2, n.3, 2016.

QUEIROZ, R.A.Q; CUNHA, T.A.R.C. A violência psicológica sofrida pelas mulheres: invisibilidade e memória. RevistaNupem. n. 20, v.10, p. 86-95, 2018.

SANTOS R.G.D. et al. Violência Contra a Mulher à Partir das Teorias de Gênero. Revista multidisciplinar e de psicologia, n. 44, v.13, p. 97-117, 2019.

SANTOS, E.S; ALMEIDA, M.A.P.T. Atendimento prestado pelos Serviços de saúde à Mulher Vítima de Violência Sexual. Id On Line Revista multidisciplinar e de psicologia, n 35, v 11, p.84-100, 2017.

SANTOS, A. G. et al. Domínios dos transtornos mentais comuns em mulheres que relatam violência por parceiros íntimos. Revista Latina Americana, v. 26, 2018.

SCHAIDT, S.S.P; SILVA, W.F.S.F; CORREIA, E.C.O. A importância Da atuação do enfermeiro as vítimas de violência Sexual. Revista jurídica Uniandrade, n 1, v. 30, 2019.

SENADO FEDERAL. Panorama da violência contra mulheres no Brasil: indicadores nacionais e estaduais. Instituto de pesquisa DataSenado, Brasília, n. 2, p.11, 2018.

SILVA, A.V.D. et al. Conhecimento de acadêmicos de enfermagem acerca da violência contra mulher. Revista Nursing, São Paulo, 2019.

SILVA, P.l.N. et al Práticas educativas sobre violência contra a mulher na formação de universitários. Rev. Bioét.Brasília, v.24, n.2, p.276-285, ago. 2016.

SILVA, A. V. et al. Conhecimento de acadêmicos de enfermagem acerca da violência contra a mulher. Revista Nursing, v. 22, n. 2, 2018.

SILVA, V.G.D; RIBEIRO, P.M. Violência contra as mulheres na prática de enfermeiras da atenção primária a saúde. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, n.4, v. 24, 2020.

SOBRINHO, N.C. et al. Violência contra a mulher: a percepção dos graduandos de enfermagem. Journal of Nursing and Health,n. 1, v. 9, 2019.

SOUZA, C.N.D. et al. O papel da enfermagem na violência sexual contra a mulher. Revista Brasileira Interdisciplinar de Saúde, n.4, v.1, p. 31-6, 2019.

XAVIER, A. A. P, SILVA, E. G. Assistência de enfermagem no atendimento de mulheres em situação de violência na atenção básica. RevInicCient Ext. 2019; 2(Esp.2):293-300.

ZUCHI, C. Z., et al. Violência contra as mulheres: concepções de profissionais da Estratégia Saúde da Família acerca da escuta. REME –Rev Min Enferm, 22 p. 1085, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-357

Refbacks

  • There are currently no refbacks.