Perfil epidemiológico da Hanseníase no Brasil: uma análise de 2014 a 2019 / Epidemiological profile of Leprosy in Brazil: an analysis from 2014 to 2019

Tauane da Mata Vieira Oliveira, Fernanda Santi Silveira, Marina Dias Hanna, Vitória Vieira, Ana Gabriela Santi Schuster, Almir de Andrade Francisco Pereira

Abstract


Introdução : A Hanseníase é uma doença infectocontagiosa causada pelo Mycobacterium leprae, uma micobactéria com afinidade pelas células cutâneas e nervos periféricos. É uma condição importante de saúde pública, prevalente em países subdesenvolvidos e que, no Brasil, tem atingido maior incidência nos últimos anos.

Metodologia: Trata-se de uma revisão de literatura na qual foram coletados dados referentes ao período de 2014 a 2019 disponibilizados no Sistema Informação de Agravos de Notificação (SINAN) e nas bases de dados Pubmed, Scielo e Medline, incluindo artigos nacionais produzidos no período de 2010 a 2020.

Resultados e discussão: A Hanseníase pode cursar com diversas disfunções fisiológicas. É considerada uma doença endêmica, de grande prevalência na Ásia, África e América Latina e cerca de 200 mil novos casos da doença são notificados por ano em todo o mundo. No Brasil, ocorre desde 2017 ascensão das curvas de incidência, mantendo o país na liderança de casos no continente americano.

Conclusão: Com a alta incidência de casos de hanseníase e suas consequências, como a incapacidade física que pode ser irreversível, é de extrema importância a compreensão da doença, assim como de seus padrões epidemiológicos.


Keywords


Manifestações cutâneas, Mycobacterium leprae, Vigilância em Saúde Pública.

References


ALVES, C. J. M.; BARRETO, J. B.; FOGAGNOLO, L.; CONTIN, L. A.; NASSIF, P. W. Avaliação do grau de incapacidade dos pacientes com diagnóstico de hanseníase em serviço de dermatologia do estado de São Paulo. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 43, n 4. p. 460-461, 2010.

ALVES, D.; BARBOSA, M. T. Desigualdades na mortalidade por doenças crônicas entre idosos e sua associação com indicadores socioeconômicos no Brasil. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, v. 7, n 1., 2011.

AQUINO, C. M. F.; ROCHA, E. P. A. A.; GUERRA, M. C. G.; CORIOLANO, M. W. L.; VASCONCELOS, E. M. R.; ALENCAR, E. N. Peregrinação (Via Crucis) até o diagnóstico da hanseníase. Revista Enfermagem UERJ, v. 23, n 2. p. 185-190, 2015.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Nota Técnica No 4/2020-CGDE/.DCCI/SVS/MS. Ampliação de uso da clofazimina para hanseníase paucibacilar no âmbito do Sistema Único de Saúde. Relatório de Recomendação, 2020.

COMISSÃO NACIONAL DE INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO SUS. Ampliar o uso da clofazimina para hanseníase paucibacilar. 2018.

COSTA, A. K. A. N.; PFRIMER, I. A. H.; MENZES, A. M. F. et al. Aspectos clínicos e epidemiológicos da Hanseníase. Revista Enfermagem UFPE, Recife, v. 13, n 1. p. 353-362, 2019.

LASTÓRIA, J. C.; ABREU, M. A. M. M. Hanseníase: diagnóstico e tratamento. Diagn Tratamento, v. 17, n 4. p. 173-179, 2012.

LASTÓRIA, J. C.; ABREU, M. A. M. M. Leprosy: review of the epidemiological, clinical, and etiopathogenic aspects - Part 1. Anais Brasileiros de Dermatologia, v. 89, n 2. p. 205-218, 2014.

LYON, S.; GROSSI, M. A. F. Diagnóstico e tratamento da hanseníase. In: ALVES, E. D.; FERREIRA, I. N.; FERREIRA, T. L. Hanseníase: avanços e desafios. Brasília: NESPROM, p. 141- 170, 2014.

MONTEIRO, L. D.; ALENCAR, C. H. M.; BARBOSA, J. C.; BRAGA, K. B.; CASTRO, M. D.; HEUKELBACH, J. Physical disabilities in leprosy patients after discharge from multidrug therapy in Northern Brazil. Cadernos de Saúde Pública. v. 29, n 5. p. 909-920, 2013.

MOREIRA, S. C.; BATOS, C. J. C; TAWIL, L. Índice de detecção de hanseníase em Salvador no período de 2001 a 2009. Anais Brasileiros de Dermatologia. v. 89, n 1. p. 108-119, 2014.

NASCIMENTO, D. S.; JUNIOR, A. N. R.; ARAÚJO, O. D.; MACÊDO, S. F.; SILVA, G. V.; LOPES, W. M. P. S.; BARBOSA, J. C. Limitação de atividade e restrição à participação social em pessoas com hanseníase: análise transversal da magnitude e fatores associados em município hiperendêmico do Piauí, 2001 a 2014. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 29, n 3, 2020.

PEREIRA, D. L.; BRITO L. M.; NASCIMENTO, A. H.; RIBEIRO, E. L.; LEMOS, K. R. M.; ALVES, J. N.; BRANDÃO, L. C. G. Estudo da prevalência das formas clínicas da hanseníase na cidade de Anápolis-GO. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, v. 16, n 1., 2012.

RIBEIRO, G. C.; FÉLIX LANA, F. C. Incapacidades físicas em Hanseníase: caracterização, fatores relacionados e evolução. Cogitare Enfermagem, v. 20, n 3., 2015.

RIBEIRO, M. D. A.; SILVA, J. C .A.; OLIVEIRA, S. B. Estudo epidemiológico da hanseníase no Brasil: reflexão sobre as metas de eliminação. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 42, 2018.

SOUZA, C. D. F.; SANTOS, F. G. B.; LEAL, T. C.; PAIVA, J. P. S.; ARAÚJO, E. M. C. F.Estudo espacial da hanseníase na Bahia, 2001-2012: abordagem a partir do modelo bayesiano empírico local. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 27, n 4, 2018 .

SOUZA, C. D. F.; MAGALHAES, M. A. F. M.; LUNA, C. F. Hanseníase e carência social: definição de áreas prioritárias em estado endêmico do Nordeste brasileiro. Revista brasileira de epidemiologia, v. 23, 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-348

Refbacks

  • There are currently no refbacks.