Contribuições dos materiais concretos para o ensino e aprendizagem de fração e geometria/ Contributions of concrete materials for the teaching and learning of fraction and geometry

Josiel Silva Sales, Jadiel Santos dos Reis, Daniela Batista Santos

Abstract


O presente artigo socializa uma experiência exitosa para o ensino de fração e Geometria, desenvolvida em duas turmas do sexto ano do Ensino Fundamental, em uma Escola Estadual do município de Alagoinhas-BA, por meio do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID), que buscou contribuir com ações efetivas para um ensino de matemática diferenciado, prazeroso e criativo na Educação Básica. Objetivamos analisar as potencialidades da utilização de materiais concretos para trabalhar com conceitos de fração e sólidos geométricos, numa perspectiva lúdica, dinâmica e significativa. Para isso, fizemos a construção de sólidos geométricos e utilizamos o tangram para trabalhar com o conceito de fração. Percebemos que os alunos compreenderam com maior facilidade os conteúdos abordados, pois estes foram desenvolvidos com a construção e o manuseio de diferentes materiais concretos, haja vista que ao manipular os materiais foi possível aflorar a percepção espacial dos alunos, bem como estimular o raciocínio lógico. Com a atividade do tangram, além de conceitos geométricos como: classificação de triângulo quanto ao lado e ao ângulo, quadrilátero, composição e decomposição de figuras, dentre outros, trabalhamos o conceito de fração de forma prática. As atividades foram muito proveitosas e demonstram potencialidades para o desenvolvimento de um ensino de Matemática diferenciado e com potencial lúdico. Assim, ratificamos que é salutar trabalhar com diferentes metodologias na práxis e, principalmente, a importância social e acadêmica de programas como o PIBID, que oportunizam uma melhor formação docente aos alunos das licenciaturas. 


Keywords


Educação, Geometria, Materiais concretos, Ensino de Matemática, Fração.

References


ALMEIDA, P. N. D. Educação Lúdica: Técnicas e jogos pedagógicos. 9. ed. São Paulo: Loyola, 1998.

ANTUNES, Celso. Inteligências Múltiplas e seus Jogos: Inteligência lógico-matemática. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 16.

BIANCHI, C. A lógica no desenvolvimento da competência argumentativa. 2007. 206 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2007. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/102152/bianchi_c_dr_rcla.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 05 nov. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros curriculares Nacionais. Brasília, 2000.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponível em:http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro03.pdf . Acesso em: 26/01/2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília, DF, 1996. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2020.

EDUCAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO. O tangram. Disponível em: https://www.educacaoetransformacao.com.br/tangram-para-imprimir/. Acesso em: 19 out. 2019.

GIEHL, Leidi Katia. A Aprendizagem Significativa no Ensino da Matemática: Discussões e Experiência. Pleiade, Foz do Iguaçu, v. 12, n. 26, p. 99-107, jun./2019. Disponível em: https://pleiade.uniamerica.br/index.php/pleiade/article/view/494/619. Acesso em: 27 ago. 2020.

LARA, Isabel. C. M. D. Jogando com a matemática na educação infantil e séries iniciais. 1. ed. São Paulo: Rêspel, 2011.

LORENZATO, Sergio. Por que não ensinar geometria?. Revista de Educação Matemática, São Paulo, v. 4, n. 4, p. 3-13, 1º semestre 1995. Disponível em: http://sbem.iuri0094.hospedagemdesites.ws/revista/index.php/emr/issue/view/87. Acesso em: 4 set. 2020.

MACÊDO, Luciana Maria De Souza et al.. Estratégias lúdicas para o ensino e apredizagem do teorema de pitágoras. Anais VIII EPBEM... Campina Grande: Realize Editora, 2014. Disponível em: https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/9662. Acesso em: 26/01/2021.

OLIVEIRA, Adriana; APARECIDA, Celena; SOUZA, G. M. R. Avaliação: Conceitos em diferentes olhares, uma experiência vivenciada no curso de pedagogia. Educere, Curritiba, v. 1, n. 1, p. 2383-2397, 2018. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2008/510_223.pdf. Acesso em: 28 ago. 2020.

PAIS, Luiz Carlos. Intuição, Experiência e Teoria Geométrica. Zetetiké, Campinas, SP, v. 4, n. 6, p. 65-74, jul./dez. 1996.

SANTOS, Anderson Oramisio. Aspectos Pedagógicos da Aprendizagem Significativa de Ausubel em Matemática nos primeiros anos do Ensino Fundamental. In: VII Encontro Mineiro de Educação Matemática, 10.,2015, São João Del-Rei. Anais do VII Encontro Mineiro de Educação Matemática. São João Del-Rei: VII EMEM, 2015. p. 1-11. Disponível em:https://www.ufjf.br/emem/files/2015/10/ASPECTOS-PEDAG%c3%93GICOS-DA-APRENDIZAGEM-SIGNIFICATIVA-DE-AUSUBEL-EM-MATEM%c3%81TICA-NOS-PRIMEIROS-ANOS-DO-ENSINO-FUNDAMENTAL.pdf. Acesso em: 25 jan. 2021.

VAGULO, Edilaine. et al. Didática. 1. ed. Londrina: Londrina: Editora e Distribuidora Educacional, 2014.

VITAL, Carla; MARTINS, Egídio Rodrigues; SOUZA, Jéssica Rodrigues de. O uso de materiais concretos no ensino de Geometria. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 12, 2016, São Paulo. Anais do XII Encontro Nacional de Educação Matemática, 2016. p. 1-11. Disponível em: http://www.sbem.com.br/enem2016/anais/pdf/5465_3722_ID.pdf. Acesso em 26 jan. 2021




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-347

Refbacks

  • There are currently no refbacks.