O oficio de partejar e cuidar nas tradições afro brasileiras em Lafaiete Coutinho na Bahia / The office to party and care in afro Brazilian traditions in Lafaiete Coutinho in Bahia

Paulo Roberto Nogueira Silva, Claudia de Faria Barbosa, Maria de Fátima A. DI Gregório

Abstract


Este artigo busca compreender como a parteira Alexandrina Constantina da Silva, conhecida como Mãe Xanda viveu no município de Lafaiete Coutinho/BA, exercendo o ofício de parteira, além de representar uma mulher de assistência marcada pelo afeto entre as famílias locais. Recorre-se aqui a metodologia da Historia Oral (HO) cruzando informações com documentos coletados em instituições locais, pois os mesmos sem dúvidas dão subsídios e suporte para a escrita do trabalho da pesquisa. Autores como Thompson (1992) mostram que a História Oral como metodologia e técnica, pode dar grande contribuição para a reconstituição da memória social, sendo necessário preservar para não cair no esquecimento. Thompson (1992: p 17). Nesse viés, analisar a permanência dos símbolos étnicos na trajetória de Mãe Xanda, reconhecida como uma mulher de matriz africana, viúva, pobre, que construiu sua identidade enfrentando os ditames de grupos hegemônicos criando estratégias de resistência.

 

 


Keywords


Mãe Xanda, Identidade, Resistência.

References


ABREU, I. P. H. Trabalhando com Parteiras Tradicionais: a experiência do Ministério da Saúde no período de 2000 a 2004. Brasília, 2005. Trabalho de Conclusão de Curso (Pós-Graduação em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde). Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, 2005.

ACKER, Justina Inês Brunetto Verruck et al. As parteiras e o cuidado com o nascimento. Revista Brasileira de Enfermagem 2006, vol. 59, n. 5, p. 647-651. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v59n5/v59n5a10.pdf . Acesso em 10 out. 2020.

ALBERTI, Verena. História oral: a experiência do CPDOC. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1990.

BARTH, Fredric. Grupos Étnicos e suas Fronteiras. In: POUTIGNAT, Philippe; STREIFF-FENART, Jocelyne. Teorias da etnicidade. Seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. Tradução Elcio Fernandes. São Paulo: UNESP, 1997.

CAPIBERIBE, J. Os Anjos da Floresta: In: JUCÁ, L.; MOULIN, N. (Org.). Parindo um mundo novo: Janete Capiberibe e as Parteiras do Amapá. São Paulo: Cortez, 2002, p. 21.

CASTELLS, Manuel. A Era da Informação: economia, sociedade e cultura. vol. 1, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

COTTA, João Eduardo D’avila; FARIA, Anna Luisa Santos de; SANTOS, Julya Fernanda Alves dos; MARTINS, Liziane. Parto Humanizado: limites e possibilidades. Brazilian Journal of Development. Curitiba, v. 6, n. 11, p.89054-89070, nov. 2020. ISSN 2525-8761. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/20005/1603089054. pdf. Acesso em 03 fev. 2021.

HALL, Stuart. identidade cultural na pós-modernidade. Traduzido por: Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 9ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2006.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence. A invenção das Tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 14ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

LE GOFF. Jacques. História e memória. Campinas: UNICAMP, 1990.

MATTOSO, Kátia M. de Queirós. Bahia Século XIX Uma Província no Império. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.

NOGUEIRA, Alcides Prado. Vila de Três Morros, Exemplo de uma Vida. Jequié: Gráfica Lelian, 2004.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 5ª Ed., 9ª reimpressão, 2006.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro: Ed UFRJ, v. 5, nº 10, p. 200-212, 1992.

POUTIGNAT, Philippe; STREIFF-FENART, Jocelyne. Teorias da etnicidade. São Paulo: UNESP, 1998.

THOMPSON, Paul. A voz do passado: história oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

ZOBOLI, Elma Lourdes Campos Pavone. A redescoberta da ética do cuidado: o foco e a ênfase nas relações. Rev. Esc. Enferm. USP, 2004, vol. 38, n.1, p.21-27. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342004000100003. Acesso em 10 out. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-346

Refbacks

  • There are currently no refbacks.