Nas trilhas da Fumec: estratégias de educação ambiental para a sustentabilidade e bem estar / On the Fumec trails: environmental education strategies for sustainability and well-being

Renata Felipe Silvino, Jacques Alyson Lazzarotto, Severino Dias Carneiro

Abstract


As trilhas interpretativas constituem uma estratégia de educação ambiental, capaz de transcender os aspectos cognitivos da aprendizagem, especialmente, a promoção da conservação ambiental. O projeto de extensão da Universidade Fumec, 'Nas trilhas da Fumec', surge a partir desta perspectiva e objetiva a elaboração e aplicação de trilhas interpretativas e demais estratégias de Educação Ambiental - EA. O projeto foi desenvolvido em duas unidades de conservação: o Parque Estadual do Sumidouro – PES e o Parque Municipal Professor Amílcar Vianna Martins – PMPAVM. As estratégias desenvolvidas nos dois parques atingiram um público bastante diversificado: a comunidade acadêmica da universidade Fumec, habitantes da comunidade Pindura Saia e bairros vizinhos da universidade; funcionários do PES e alunos do ensino fundamental da Escola Estadual Quinta do Sumidouro, vizinha ao PES. O desafio maior foi a produção e adequação de estratégias de EA, de acordo com as demandas geradas por diferentes públicos. Ao longo de quase um ano de vigência, o projeto evidenciou que atividades criativas e prazerosas, junto à natureza, são produtivas, além de favorecer aspectos da saúde mental, física e do bem estar social geral.

 

 


Keywords


trilhas interpretativas, parques, bem estar, sustentabilidade.

References


ALEIXO, J.L.M. A atenção primária à saúde e o programa de saúde da família: perspectivas de desenvolvimento no início do terceiro milênio. Revista mineira de saúde pública, n.1, p.1-16, já./jun. 2002.

ANDRADE, W.J. 2003. Implantação e manejo de trilhas. In: S. Mitraud (org.). Manual de ecoturismo de base comunitária: ferramentas para um planejamento responsável. WWF-Brasil, Brasília, pp. 247-259.

BERBERT-BORN, M. Carste de Lagoa Santa. 2000. In: Schobbenhaus,C.; Campos, D.A.; Queiroz,E.T.; Winge,M.; Berbert-Born,M. (Edit.) Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. Acesso em: 14 de janeiro de 2007.

DI TULLIO, A. A abordagem participativa na construção de uma trilha interpretativa como uma estratégia de educação ambiental em São José do Rio Pardo-SP. 207. Dissertação de Mestrado em Ciências da Engenharia Ambiental. Universidade de São Paulo, São Carlos, 2005.

FRANTZ, C. M.; MAYER, F. S. The importance of connection to nature in assessing environmental education programs. Studies in Educational Evaluation, v.41, June 2014, p. 85-89, 2014.

GUIMARÃES, Solange. Trilhas Interpretativas e Vivências na Natureza: reconhecendo e reencontrando nossos elos com a paisagem. 2011. Disponível em: Acesso em 03 de maio de 2017.

MAGRO, T.C. Impactos do uso público em uma trilha no planalto do Parque Nacional do Itatiaia, Tese (Doutorado), Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Paulo. 1999.

MÁXIMO-ESTEVES, Lídia. Da Teoria à Prática: educação ambiental com as crianças pequenas ou o fio da história. Porto, Portugal: Porto Editora Ltda, 1998.

MINC, C. Ecologia e cidadania. São Paulo: Moderna, 1997. 128p.

NOWAK, D.J. et al. Los beneficios y costos del enverdecimiento urbano. In:KRISHNAMURTHY, L. & RENTE NASCIMENTO, J. (Ed.). Áreas Verdes Urbanas em Latinoamérica y el Caribe. México: Banco Interamericano de Desarrollo,1997. 17-38p.

NOWAK, D. J. et al. Tree and forest effects on air quality and human health in the United States. Environmental Pollution, v.193, p.119-29, 2014.

OTTOA, S.; PENSINIB, P. Nature-based environmental education of children: Environmental knowledge and connectedness to nature, together, are related to ecological behaviour. Global Environmental Change, v.47, p.88-94, 2017.

PRIMACK,R.B.; RODRIGUES,E. Biologia da conservação. Londrina: Vida, 2001. 328 p.

ROBIM, M.J.; TABANEZ M.F. Subsídios para implantação da Trilha Interpretativa da Cachoeira - Parque Estadual de Campos do Jordão - SP. Revista do Instituto Florestal, São Paulo, v.5, n.1, 1993, p.65-89.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-343

Refbacks

  • There are currently no refbacks.