Relato de caso: hipernatremia por Diabetes Insipidus / Case report: hypernatremia by Diabetes Insipidus

Evelyn Cardinalli Machado, Allisson Costa Lessa, Rosânea Meneses de Souza, Lorraine Malafaia

Abstract


O Diabetes Insípidus (DI) define-se pela redução na secreção ou ação do Hormônio Antidiurético (ADH) ou vasopressina, caracterizando-se por grandes volumes de urina diluída. É geralmente de origem central (neurogênica) ou nefrogênica. O volume de urina é maior que 40ml/kg/24h, enquanto a Osmolaridade é < 300mOsm/L, assim o tratamento é apoiado em intervenções de suporte à vida, análogos ao ADH e correção de situações reversíveis. Neste sentido, o presente estudo tem por objetivo descrever um caso de diabetes insipidus central, decorrente de um Traumatismo Crânio-Encefálico.  Relato de caso: 58 anos, masculino, HPP de Traumatismo Crânio-Encefálico (TCE) com sequela cognitiva e Diabetes Mellitus Insulino-Dependente. Foi admitido na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com desidratação intensa, pneumonia broncoaspirativa, lesão renal aguda, alteração do nível de consciência e hipernatremia. Diurese de 5.760 ml/24h e hiperglicemia. Iniciou-se suporte clínico com droga vasoativa, antibioticoterapia, Insulina NPH e DDAVP. Dessa forma, após 7 dias em UTI, o paciente recuperou a cognição e permaneceu estável hemodinamicamente. Conclusão: Neste caso, o TCE prévio viabilizou o desenvolvimento do quadro de DI levando a alterações da natremia e do sensório, contribuindo para a infecção pulmonar por aspiração.


Keywords


Diabetes Insipidus. Hipernatremina. Traumatismo Crânio-Encefálico.

References


FIGUEIREDO DN, RABELO, FLA. Diabetes insipidus: principais aspectos e análise comparativa com diabetes mellitus. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina- PR, v. 30, n. 2, p. 155 - 162, 1 dez. 2009.

CÂMARA, MMGC et al. Revisão sistemática de literatura: Lítio na falência renal crônica associada a diabetes insipidus. Brazilian Journal of health Review, Curitiba - PR, v. 3, n. 1, p. 758-764, 4 fev. 2020.

GUYTON AC, HALL JE. Tratado De Fisiologia Médica. 12a ed, editora Elsevier, capítulos 25, 26, 27,28 e 75, 2011.

PALUMBO, C et al. Asociación de diabetes insípida central y diabetes mellitus tipo 2. Medicina (B. Aires), Ciudad Autónoma de Buenos Aires , v. 78, n. 2, p. 127-130, abr. 2018.

MAKARYUS AN, MCFARLANE SI. Diabetes insipidus: diagnosis and treatment of a complex disease. Cleve Clin J Med. 2006 Jan;73(1):65-71.

EISENBERG Y, FROHMAN LA. Adipsic Diabetes Insipidus: A Review. Endocr Pract. 2016 Jan;22(1):76-83. Epub 2015 Sep 24. PMID: 26401579

CHRIST-CRAIN M., BICHET, D.G., Fenske, W.K. et al. Diabetes insipidus. Nat Rev Dis Primers 5, 54 (2019).

MAGHNIE M, COSI G, GENOVESE E et al. Central Diabetes Insipidus in Children and Young Adults. The New England Journal of Medicine. 2000; 343:998-1007.

MAGHNIE M: Diabetes insipidus. Horm Res 2003;59(suppl 1):42-54.

ADAMS, NC, FARRELL, TP, O’Shea, A. et al. Neuroimaging of central diabetes insipidus—when, how and findings. Neuroradiology 60, 995–1012 (2018).

ROBERTSON GL. Diabetes insipidus. Endocrinol Metab Clin North Am. 1995 Sep;24(3):549-72. PMID: 8575409.

BALDEWEG, S E, S BALL, A BROOKE, H K GLEESON, M J LEVY, M PRENTICE, J WASS, and the Society for Endocrinology Clinical Committee. "Society For Endocrinology Clinical Guidance: Inpatient management of cranial diabetes insipidus", Endocrine Connections 7, 7 (2018): G8-G11.

GARRAHY A, MORAN C, THOMPSON CJ. Diagnosis and management of central diabetes insipidus in adults. Clinical Endocrinology. Vol 90, pag. 23-30, jan 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-326

Refbacks

  • There are currently no refbacks.