A espacialidade do nasf no ordenamento territorial de Pau Dos Ferros – RN / The spatiality of nasf in the territorial planning of Pau Dos Ferros – RN

Elison Jefferson Silva Crispim, Francisco Hugo de Freitas, Gleys Ocidalia de Lima Silva, Joao Bezerra de Queiroz Neto, Lígia Fernanda da Silveira Andrade

Abstract


Constituído por equipes compostas por profissionais de diferentes formações, o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) atua em parceria com os profissionais das equipes de saúde da família (ESF), compartilhando as práticas em saúde e atuando diretamente no apoio dessas equipes nos territórios sob sua responsabilidade. A pesquisa apresenta como objetivo geral descrever a espacialidade do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) na perspectiva do ordenamento territorial na cidade de Pau dos Ferros/ RN. Trata-se de uma pesquisa de revisão bibliográfica e de campo, conduzida pela abordagem qualitativa, como forma de sintetizar a produção do conhecimento relacionada a espacialidade do NASF no ordenamento territorial na perspectiva do planejamento que orienta as ações de promoção e prevenção. A dinâmica do NASF deve acontecer de acordo com as necessidades dos usuários e o conhecimento do território buscando ampliar as possibilidades diante do processo saúde-doença condizente com as realidades assistidas. O NAFS1 do município exposto tem por função exercer um trabalho no território das 12 UBS de Pau dos Ferros. O NASF1 juntamente com as equipes das ESF deve considerar o grande território que terá que fazer a cobertura, assim, o planejamento potencializará as locomoções e atendimentos no território. O NASF é uma tentativa do Governo Federal de criar uma política pública de saúde que tivesse como foco, resolver problemas utilizando a perspectiva de território de saúde, com suas particularidades e planejar ações in loco baseando-se no conhecimento da problemática a partir dos saberes e do conceito da multidisciplinaridade.

 

 


Keywords


Ordenamento Territorial, Saúde da Família, Espacialidade.

References


ALVES, L.S. F. CULTURAS DE ORDENAMENTO TERRITORIAL: conceituações e perspectivas histórico analíticas. Mercator, Fortaleza, v. 13, n. 3, p. 63-73, set./dez. 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Brasília: MS; 2010.

________. Portaria Nº 3. 124, de 24 de Dezembro de 2012. Ministério da saúde. Brasília: MS, 2012.

________. Ministério da Saúde. Secretaria-executiva. Secretaria de Vigilância em Saúde. Glossário temático: promoção da saúde. 1 ed. 2 reimpr. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/glossario_tematico_promocao_ saude.pdf>. Acesso em: 17 de set. 2017.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

DALFOVO, M. S.; LANA, R. A.; SILVEIRA, A. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, acesso em 27 de agosto de 2015, disponível em: http://www.unisc.br/portal/upload/com_arquivo/ méto dos_quantitativos_e_qualitativosum_r esgate_teorico.pdf

FERNANDES, J.M. et al. NASF’s tools and practices in health of physical therapists. Fisioter Mov, v. 29, n. 4, p. 741-50, 2016.

GONÇALVES, H. A. Manual de metodologia da pesquisa. São Paulo: Avercamp, p. 13-115, 2005.

MALTA, D. C.; et al. A implementação das prioridades da Política Nacional de Promoção da saúde, um balanço, 2006 a 2014. Rev. Ciência & Saúde Coletiva, 19 (11), p. 4301-4311, 2014. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232014001104301&lng=en&tlng=en>. Acesso em: 17 de set. 2017.

MATUDA, C. G. et al, Colaboração interprofissional na estratégia saúde da família, implicações para a produção do cuidado e a gestão do trabalho. Rev. Ciência & saúde coletiva. V. 20 n. 08, Rio de Janeiro, 2015.

MOLINI-ALVEJONAS, D. R.; MENDES, V. L. F.; AMATO, C. A. H. Fonoaudiologia e Núcleos de Apoio à Saúde da Família: conceitos e referências. Rev Soc Bras Fonoaudiol 2010; 15(3):465-474.

MOURA, L. B. A.; et al. Decifrando redes de proteção em um território: relato de experiência no programa pro-saúde. Rev. Tempus, actas de saúde colet, 9(1), p. 137-144, Brasília, març. 2015. Disponível em: < http://tempusactas.unb.br/index.ph p/tempus /article/view/1697>. Acesso em: 17 de set. 2017.

MOYSÉS, S. T.; SÁ, R. F. Planos locais de promoção da saúde: intersetorialidade(s) construída(s) no território. Rev. Ciência & Saúde Coletiva, 19(11), p. 4323-4329, 2014. Disponível em: < http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232014001104323&lng=en&tlng=en>. Acesso em: 17 de set. 2017.

NUNES, M. F; WOVST, L. R; NETO, S. B. da C. trabalho em equipe: percepção interprofissional de uma clínica pediátrica. Revista psicologia e saúde. V. 06, n. 02, Campo grande, 2014.

ORTEGA, A. C. Território, políticas Públicas e estratégias de desenvolvimento. Campinas – SP, Alínea, 2007.

SANTOS, M. O dinheiro e o território. In: SANTOS, M.; BECKER, B, K. (Org). Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. 2 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

SILVA, A. H; FOSSÁ, M. I. T. Análise de conteúdo: exemplo de aplicação da técnica para análise de dados qualitativos. Qualitas revista eletrônica. V. 17, n. 01, Campina Grande, 2015. Acessado em 08 de janeiro de 2016, disponível em: http://revista.uepb.edu.br/index.php/qua litas/article/view/2113

SILVA, C, S.; BODSTEIN, R, C, A. Referencial teórico sobre práticas intersetoriais em Promoção da Saúde na Escola. Rev. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 6, p. 1777-1788, 2016 Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141381232016000601777&sc ript=sci_abstract>. Acesso em: 12 de out. 2017.

SILVA, R. H. A; SCAPIN, L. T; BATISTA, N. A., Avaliação da formação interprofissional no ensino superior em saúde: aspectos de colaboração e do trabalho em equipe. Revista avaliação. V. 16 n. 01, Sorocaba, 2011

SPOSATI, A. Território e gestão de políticas sociais. Rev. Serv. Soc, v. 16, n. 1. p. 05-18, Londrina, Jul/Dez. 2013. Disponível em: < http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/ssrevista /article/view/184 23>. Acesso em: 17 de set. 2017.15:00.http://dab.saude.gov.br/portaldab /nasf_perguntas_f requentes.php. Acessado em 11 de outubro de 2017.

PEDUZI, M. et al, Trabalho em equipe na perspectiva da gerência de serviços de saúde: Instrumentos para a construção da prática interprofissional. Physis: revista de saúde coletiva. V.21 n. 02, Rio de janeiro 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-314

Refbacks

  • There are currently no refbacks.