Atuação do enfermeiro em hemoterapia: a visão do formando / Performance of nurses in hemotherapy: the vision of the training

Ruth Cristini Torres, Antônia Francilena Santos Xavier, Paulo Henrique Santana Feitosa Sousa, Maria Morgana Lima Silva, Ana Fátima Souza Melo de Andrade, Paulo Celso Curvelo Santos Junior, Michelle Fonseca Costa, Marcel Vinicius Cunha Azevedo

Abstract


Objetivou-se avaliar nível de conhecimento do formando de graduação em enfermagem sobre a atuação do enfermeiro em hemoterapia. Trata-se de um estudo descritivo, exploratório de abordagem quanti-qualitativa, desenvolvido em uma Instituição de Ensino Superior de Aracaju. A população amostral foi de 76 acadêmicos de enfermagem que cursavam o 10° período do curso. Foram excluídos 08 (10,5%) indivíduos que se recusaram a participar da pesquisa e 30 (39,5%) que não se encontravam na aula nos dias e horários em que os questionários foram aplicados. A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário semiestruturado. Foram quantificadas frequências absolutas, relativas, realizada análise descritiva dos dados, teste qui-quadrado para variáveis categóricas e Correlação de Pearson para as variáveis quantitativas contínuas, considerando resultado significativo quando p< 0,05. Os discursos foram analisados através da análise de conteúdo. Verificou-se que os acadêmicos possuem conhecimento parcial sobre a atuação do enfermeiro em hemoterapia, pois 35 (92,1%) acertaram mais de cinco atividades inerentes ao enfermeiro, 2 (5,3%) acertaram todas as atividades estabelecidas pela Resolução nº 629/2020 (COFEN) e somente 1 (2,6%) acertou menos de cinco atribuições do enfermeiro. Na compatibilidade de concentrado de hemácias, constatou-se que os acadêmicos não têm conhecimento sobre a temática, pois 32 (84,2%) alegaram não saber sobre a referida compatibilidade e apenas 6 (15,8%) relatam ter conhecimento, destes, somente 4 responderam corretamente. Sobre a compatibilidade de plasma, 37 (97,4%) não souberam responder e apenas 1 (2,6%) respondeu corretamente. Evidenciou-se que os formandos estudados não possuem conhecimento adequado sobre a hemoterapia, o que é preocupante, considerando que o enfermeiro é responsável por executar e/ou supervisionar o ato transfusional e também é responsável técnico pelo serviço de hemoterapia. Torna-se necessário que as atribuições do enfermeiro em hemoterapia seja um tema abordado com mais frequência durante os cursos de graduação, em especial nas disciplinas de semiotécnica, visando o atendimento assertivo ao doador de sangue e a garantia da segurança transfusional.

 

 


Keywords


Papel do Profissional de Enfermagem, Estudantes de enfermagem, Serviço de Hemoterapia.

References


ALMEIDA, O. S. et al. Conhecimento de acadêmicos de enfermagem acerca dos cuidados prestados durante a transfusão de hemocomponentes. BA: Rev. Metáfora Educacional., n.13, p. 174-189, 2012.

AMARAL, J. H. S. et al. Hemoterapia: um desafio no cotidiano da equipe de enfermagem. Rev enferm UFPE on line., Recife, v. 10, n. 6, p. 4820-7, 2016.

BARBOSA, S. M. et al. Enfermagem e a prática hemoterápica no Brasil: revisão integrativa. São Paulo: Rev. Acta. Paul. Enferm. v.24, n.1, p.132-6 2011.

BARDIN. L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

BRASIL. Lei Federal n° 10.205, 21 de março de 2001a. Regulamenta o § 4° do art. 199 da Constituição Federal, relativo à coleta, processamento, estocagem, distribuição e aplicação do sangue, seus componentes e derivados, estabelece o ordenamento institucional indispensáveis à execução adequada dessas atividades, e dá outras providências. Diário Oficial da União - 22/03/2001, p. 1.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior. Parecer CNE/CES nº 1.133/2001b. Aprovado em 7 de agosto de 2001 - Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) dos Cursos de Graduação em Enfermagem, Medicina e Nutrição. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/Enf.pdf. Acesso: 30 jan. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 158, de 4 de fevereiro de 2016. Redefine o regulamento técnico de procedimentos hemoterápicos. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2016/prt0158_04_02_2016.html. Acessado 21 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. Guia para uso de hemocomponentes. 2. ed., 1. reimpr. – Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 136 p.

CARNEIRO, V. S. M.; BARP, M.; COELHO, M. A. Hemoterapia e reações transfusionais imediatas: atuação e conhecimento de uma equipe de enfermagem. Rev Min Enferm., v. 21, p. 1-8, 2017.

CHEREM, E. O. et al. The transfusional therapy process in the neonatal intensive therapy unit: the nurse's knowledge. Texto contexto - enferm., v .27, n.1, p. 2-10, 2018.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução Cofen nº 306, de 25 de abril de 2006. Normatiza a atuação do Enfermeiro em Hemoterapia. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3062006_4341.html. Acesso: 25 dez. 2020.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução COFEN nº 511, de 31 de março de 2016. Aprova a Norma Técnica que dispõe sobrea atuação de Enfermeiros e Técnicos de Enfermagem em Hemoterapia. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05112016_39095.html. Acesso: 25 dez. 2020.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução COFEN nº 629/2020. Aprova e Atualiza a Norma Técnica que dispõe sobre a Atuação de Enfermeiro e de Técnico de Enfermagem em Hemoterapia. Brasília: Conselho Federal de Enfermagem, 2020. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-629-2020_77883.html. Acesso: 25 nov. 2020.

COSTA, J. E.; CABRAL, A. M.; SIMPSON, C. A. O enfermeiro e o contexto em reações transfusionais. Rev Pesq Cuidado Fund., v. 3, p. 269-277, 2011.

DUARTE, R. D. et al. Knowledge about blood transfusion in a critical unit of a teaching hospital. Bioscience J., v. 33, n. 3, p. 788-98, 2017. doi: 10.14393/BJ-v33n3-36196

ESPLENDORI, G. F. Adverse reactions to whole blood donation, basic human needs and nursing diagnoses: a reflection.. Rev Esc Enferm USP, v. 51, p. 1-8, 2017.

FERREIRA, O; MARTINEZ, E.Z; MOTA, C.A; SILVA, A.M. Avaliação do conhecimento sobre hemoterapia e segurança transfusional de profissionais de Enfermagem. São Paulo: Rev Bras Hematol Hemoter. v. 29, n. 2, p. 160-7, 2007.

FIALHO, P. H. M.; PORTO, P. S. Epidemiologia das reações transfusionais em pacientes internados em um hospital de urgência de Goiânia. Rev Cient Esc Saúde Pública Goiás “Candido Santiago”, v. 6, n. 1, p. 4-17, 2020.

FRANTZ, S. R. S. et al. Trabalho e competência do enfermeiro nos serviços de hemoterapia: uma abordagem ergológica. Rev. Bras. Enferm., v.73, n. 3, p. 1-9, 2020.

FRANTZ, S. R. S. et al. Uma análise sobre o ensino de hemoterapia nos cursos de graduação em enfermagem no amazonas. Rev Areté., v. 7, n. 14, p. 135-143, 2014.

FREIRE, A. C. S.; VASCONCELOS, H. C. A. Doação de sangue: conhecimento, prática e atitude de acadêmicos de enfermagem de uma instituição do interior do Ceará. Rev Min Enferm., v. 17, n. 2, p. 296-303, 2013.

FREIXO, A. et al. Nurses knowledge in Transfusion Medicine in a Portuguese university hospital: the impact of an education. Blood Transfusion., v. 15, n. 1, p. 49-52, 2017. doi:10.2450/2016.0185-15

JUNIOR, J. B. S.; RATTNER, D. Segurança Transfusional: um método de Vigilância Sanitária para avaliação de riscos potenciais em serviços de hemoterapia. Vig Sanit Debate, v. 2, n. 2, p. 43-52, 2014.

LEITE, G. R. et al. Segurança do paciente na hemotransfusão: atitudes e conhecimento de enfermeiros no sudeste de Goiás. Itinerarius Reflectionis, v. 14, n. 4, p. 1-13, 2018.

MATTIA, D.; ANDRADE, S. R. Cuidados de enfermagem na transfusão de sangue: um Instrumento para monitorização do paciente. Texto Contexto Enferm, v. 25, n.2, p. 2-18, 2016.

NAVES, A. L. A. et al. Equipe de enfermagem e sua inserção em hemoterapia. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 3, n. 2, p.2426-2435, 2020.

TAVARES, J. L. et al. Fatores associados ao conhecimento da equipe de enfermagem de um hospital de ensino sobre hemotransfusão. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 23, n. 4, p.595-602, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-294

Refbacks

  • There are currently no refbacks.