Violência sexual infantil e os mecanismos de inibição adotados por escola pública da comunidade Ribeirinha da Ilha de Santana - Amapá / Child sexual violence and the mechanisms of inhibition adopted by a public school in the Riverside community of Santana Island – Amapá

Fernanda Costa Cardoso, Kátia Paulino Santos

Abstract


A análise da violência sexual infantil em comunidades ribeirinhas é um clamor por um olhar mais humano e igualitário para aqueles que vivem à margem dos rios. O abuso sexual infantil, é uma forma de violência contra a criança ou o adolescente, que na maioria das vezes engloba toda a dinâmica familiar, causando dano material ao corpo e abalo ao psicológico da vítima. O objetivo deste estudo é compreender as estratégias de inibição à violência sexual infantil adotadas por escola pública da Comunidade Ribeirinha da Ilha de Santana-AP. Para tanto foi necessário discorrer brevemente sobre as estratégias de combate à violência sexual e infantil no Brasil e sobre a cultura ribeirinha e suas implicações na formação da criança. A pesquisa trata-se de estudo de caso da Escola Leonice Dias Borges, que se utilizou de entrevistas e observação in loco. A falta de orientação sexual e o não acesso aos operadores do sistema de garantia de direitos, bem como a serviços socioassistenciais e a promoção de atendimento humanizado e especializado a crianças, refletem a inércia estatal.


Keywords


Violência sexual infantil, Comunidades ribeirinhas, Ilha de Santana, Direitos Humanos.

References


Almeida, Maria Elizabeth Bianconcini. Tecnologias na Educação: dos caminhos trilhados aos atuais desafios. BOLEMA – Boletim de Educação Matemática, n. 29, ano 21, 2008.

BELLONI, Maria Luiza. O que é sociologia da infância. Campinas: Autores Associados, 2009. (Acadêmico de bolso)

BENJAMIN, Walter. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. Tradução de Marcus Vinicius Mazzari. São Paulo: Summus, 1984.

BRASIL. Caderno de Formação do Programa de Ações Integradas e Referenciais de Enfrentamento à Violência Sexual Infanto-Juvenil no Território Brasileiro - PAIR. Brasília: SEDH, 2007.

______. Constituição Federal. Brasília, 1988.

______. Estatuto da Criança e do Adolescente: Lei Federal n.° 8.069, de 13 de julho de 1990. Disponível em:< http://www.presidencia.gov.br >.

______. Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual Infanto-Juvenil. Natal, 2001.

BURKE, Peter. A República das Letras Europeia, 1500-2000. Estudos Avançados, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ea/v25n72/a21v25n72.pdf. Acesso em 18/07/2019.

CRUZ, Valter do Carmo. O rio com espaço de referência identitária: reflexões sobre a identidade ribeirinha na Amazônia. In.: TRINDADE JUNIOR, Saint-Clair Cordeiro da; TAVARES, Maria Goretti da Costa. Cidades ribeirinhas na Amazônia: mudanças e permanências. Belém: EDUFPA 2008.

DUBOWITZ, L.M.S. et al. Correlation of neurologic assessment and outcome at one year. J. Pediatr., 105: 452-6, 1984.

ESTOCOLMO, Suécia. Declaración y programa de acción – Primero Congreso Mundial Contra La Explotación Sexual Comercial de los Niños. Estocolmo: 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FURNISS, Tilman. Abuso sexual da criança: Uma abordagem multidisciplinar. Tradução: Maria, 1993.

GOHN, Maria da Glória. Educação não formal e o educador social: atuação no desenvolvimento de projetos sociais. São Paulo: Cortez, 2010. (Coleção questões da nossa época).

HELLER, Agnes. O cotidiano e a História. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

MACHADO, Abmael. Pequeno ensaio sobre as lendas e folclore de Rondônia, 1987.

MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários. São Paulo: Cultrix, 1978.

MOURA, Manoel. A atividade de ensino como unidade formadora. Bolema, São Paulo, ano II, n.12, pp. 29-43. 1996.

POJO, Eliana Campos; VILHENA, Maria de Nazaré. Crianças ribeirinhas da Amazônia paraense. In: SILVA, Isabel de Oliveira e; SILVA, Ana Paula Soares da; MARTINS, Aracy Alves (Org.). Infâncias do campo. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2013. p. 135-148.

RANGEL, Patrícia Calmon. Abuso sexual intrafamiliar recorrente. Curitiba: Editora Juruá, 2001.

REIS, Magali; SANTOS, Lorene dos; XAVIER, Maria do Carmo. Crianças e infâncias: educação, conhecimento, cultura e sociedade. In: REIS, Magali; XAVIER, Maria do Carmo; SANTOS, Lorene dos (Org.). Crianças e infâncias: educação, conhecimento, cultura e sociedade. São Paulo: Annablume, 2012. p. 7-18.

SANTOS, Valdeir Cesário dos; MACEDO FILHA, Maurides Batista de; AMARAL, Cláudia Tavares do.. Direitos da criança e do adolescente: Contribuições da memória e da História. Brazilian Journal of Development. Curitiba, v. 7, n. 1, p. 3054-3076, jan. 2021. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/22865/18342. Acesso em: 29/01/2021.

SGROI, Michael David. Dinâmica. In: Handbook of Clinical Intervention in Child Abuse, Lexington, MA, Lexington Books, 1982, p. 12–27.

TORO A., José Bernardo. Como mobilizar pela educação? In: Simpósio estratégias de mobilização. Educação para todos, todos pela educação. Brasília: MEC; Unicef, 1994. (Cadernos de Educação Básica, Série Atualidades Pedagógicas, 8).

VIEIRA, Andréa Silva. Representações sociais de jovens-alunos de uma escola ribeirinha sobre exploração sexual juvenil nas balsas do Marajó e as implicações nas suas escolarizações. 2011. 163 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2011.

UNICEF. Declaração de Genebra. 1924. Disponível em: http://198.106.103.111/cmdca/downloads/Declaracao_dos_Direitos_da_Crianca.pdf. (Acesso em 19 de outubro de 2018).

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução Ana Thorell; revisão Técnica Cláudio Damacena. – 4. ed.- Porto Alegre: Bookman, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-282

Refbacks

  • There are currently no refbacks.