Educação ambiental: a importância de meliponários no ambiente acadêmico / Environmental education: the importance of meliponaries in the academic environment

Raissa Bayker Vieira Silva, Flávio Oliveira Santos, Isabel Ribeiro do Valle Teixeira

Abstract


Desenvolver consciência ambiental de uma forma concreta, principalmente em estudantes de regiões urbana é sempre um desafio. Um tema que pode ajudar o estudante a entender os diferentes elos do ecossistema terrestre é a polinização, e por isto, ela tem sido muito debatida. As abelhas são os principais animais responsáveis por esta prática, e, por isso, são fundamentais para o desenvolvimento de espécies vegetais e sua produtividade. Desde outubro de 2016, nas instalações do IFSULDEMINAS - campus Poços de Caldas vem sendo desenvolvido e mantido um meliponário, local de criação de abelhas nativas sem ferrão, o qual tem se mostrado um espaço eficiente de práticas educativas, pesquisas multidisciplinares e conscientização sobre o meio ambiente para os alunos e comunidade. Desta forma, o objetivo deste relato é apresentar à outras instituições acadêmicas este espaço alternativo e dinâmico de educação ambiental. Ainda foi feita uma avaliação sobre o conhecimento dos acadêmicos locais sobre a existência desse espaço e sobre as atividades desenvolvidas ali na preservação deste importante grupo de insetos. Para esta avaliação foi desenvolvido e aplicado um questionário pelo formulário Google que foi disponibilizado para todos alunos que voluntariamente optassem por respondê-lo. Das respostas obtidas por 66 estudantes, constatamos que a maioria considera um espaço importante, inclusive sugerindo várias atividades multidisciplinares ali, porém, muitos ainda desconhecem sobre abelhas sem ferrão, o que se mostra necessário que mais atividades devam ser desenvolvidas, integrando todos os estudantes com este espaço educativo. 


Keywords


Abelhas nativas; Abelhas sem ferrão; Meliponicultura.

References


KERR, W. E. Biologia e manejo de tiúba: a abelha do Maranhão. São Luís - MA: EDUFMA, 1996. 156 p.

MOORE, Darrel. Honey bee circadian clocks: behavioral control from individual workers to whole-colony rhytms. Journal of Insects Physiology. Tennessee: East Tennessee State University, 2001. 843-857 p.

MOURA, OLIVEIRA, SANTOS, SILVA, SILVA. Educação ambiental na formação dos discentes da universidade federal do Piauí–Campus Ministro Reis Velloso: uma visão de ensino socioambienta. Curitiba, Brasil: BrazilianJournal of Development, 2020. p.3.

NATES-PARRA G, G. V. Las abejas silvestres de Colombia: por qué y cómo conservarlas. Acta Bio Colom, 2000. 5-37 p.

ROUBIK, D. W. Ecology and natural history of tropical bees. Cambridge: Cambridge University Press, 1989. 514 p.

SAUNDERS DS. Insect Clocks. New York - USA: Oxford, Pergamon Press. 1982.409 pgs.

SILVEIRA, F. A.; MELO, G. A. R.; ALMEIDA, E. A. B. Abelhas brasileiras: sistemática e identificação. Belo Horizonte - MG, 2002. 253 p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-278

Refbacks

  • There are currently no refbacks.