Avaliação dos níveis de flexibilidade de faixas pretas de jiu-jitsu da categoria master / Evaluation of flexibility levels of black belts master category jiu-jitsu

Tharciano Luiz Teixeira Braga da Silva, Jadisson Góis da Silva, Fabrício Nunes Macedo, Michael Nadson Santos Santana, Vitor Ulisses de Melo, Marcelo Mendonça Mota

Abstract


Introdução: O treinamento da flexibilidade em praticantes de artes marciais é imprescindível, pois para a realização adequada de algumas técnicas é necessário ter uma boa mobilidade articular. O declínio dos níveis de flexibilidade está diretamente associado ao avanço da idade favorecendo o surgimento de quadros de dor na região lombar, má postura, lesões nas articulações e nos músculos. Objetivo: Avaliar os níveis de flexibilidade de faixas pretas praticantes de Jiu-jitsu da categoria Master. Método: A amostra foi constituída de 12 praticantes regulares de Jiu-jitsu, faixas pretas, da categoria Master e do gênero masculino. Os testes aplicados foram o flexiteste, a goniometria e o teste de sentar e alcançar. Foi feita uma análise descritiva dos dados coletados. Os dados são expressos em média ± desvio padrão da média. Resultados: No flexiteste foi obtido um flexíndice de 37,2 ± 7,7 de flexibilidade global, sendo classificado como médio negativo.  Foi observado na goniometria que a flexão do ombro direito apresentou o valor de 160 ± 4,4 graus e a flexão do quadril direito apresentou-se com 62 ± 14,7 graus. Por fim, foi verificado no teste de sentar e alcançar o valor de 23,5 ± 7,0 cm, classificado como fraco. Conclusão: Os resultados do presente estudo demonstram que a prática do Jiu-jitsu não influência diretamente na melhora/ou manutenção da flexibilidade dos praticantes da categoria Master. Sugere-se incluir exercícios de flexibilidade nas rotinas de treinamento dessa população.

 

 


Keywords


Artes Marciais, Flexibilidade, Envelhecimento.

References


ADAMS, K. et al. Aging: Its Effects on Strength, Power, Flexibility, and Bone Density. Strength & Conditioning Journal, v. 21, n. 2, p. 65, Abr, 1999.

ANDREATO, L. V. et al. Perfil morfológico de atletas de elite de Brazilian Jiu-jitsu. Rev. bras. med. esporte ; 18(1): 46-50, jan.-fev, 2012.

ARAÚJO, C. G. S. Avaliação da flexibilidade: valores normativos do flexiteste dos 5 aos 91 anos de idade. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 90, n. 4, p. 280–287, Abr, 2008.

BADARO, A. F. V. et al. Flexibilidade versus alongamento: esclarecendo as diferenças. Saúde (Santa Maria), v. 33, n. 1, p. 32–36, 1 Jul, 2007.

CAMOES, J. C.; SOUZA, I.; SILVA, V. S. Flexibilidade tóraco-lombar e de quadril em atletas de Jiu-jitsu. Lecturas: Educación física y deportes, n. 82, p. 29, 2005.

COSTA, E. et. al. Efeito agudo do alongamento estático no desempenho de força de atletas de jiu- jítsu no supino horizontal. Fitness & Performance Journal, v. 8, n. 3, p. 212–217, 1 Mai, 2009.

COSTA, P. B.; MEDEIROS, H. B. O.; FUKUDA, D. H. Warm-up, Stretching, and Cool-down Strategies for Combat Sports. Strength & Conditioning Journal, v. 33, n. 6, p. 71, Dez 2011.

DEGOUTTE, F. et al. Food Restriction, performance, Biochemical, Psychological, and Endocrine Changes In Judo Athletes. Int J Sports Med ;27:1-9, 2006.

DEL VECCHIO, F. et al. T. Análise morfo-funcional de praticantes de brazilian Jiu-jitsu e estudo da temporalidade e da quantificação das ações motoras na modalidade. Movimento e Percepção, Vol.7, Núm.10, p.263-281, 2007.

FRANCHINI E, T. M.; BERTUZZI. R. C. M. Morphological, physiological and technical variables in high-level college judoists. Arch Budo;1:1-7, 2005.

FRANCHINI, E. et al. Physical fitness and anthropometrical profile of the Brazilian male judo team. J Physiol Anthropol; 26:59-67, 2007.

FUKUDA, D. H. et al. The effects of tournament preparation on anthropometric and sport-specific performance measures in youth judo athletes. J Strength Cond Res. Feb;27(2):331-9, 2013.

GRAÇAS, D. D. Análise da relação entre diferentes fatores de risco e a ocorrência de lesões musculoesqueléticas no Jiu-jitsu segundo faixa etária. Dissertação (Mestrado em Saúde e Desenvolvimento) Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. Campo Grande, 58 p. 2016. Disponível em: . Acesso em: 05 jan 2021.

JONES, N. B.; LEDFORD, E. Strength and Conditioning for Brazilian Jiu-jitsu. Strength & Conditioning Journal, v. 34, n. 2, p. 60, Abr, 2012.

KUBO J. et al. Differences in fat-free mass and muscle thicknesses at various sites according to performance level among judo athletes. J Strength Cond Res; 20:654-7, 2006.

MEDEIROS, H. B. O.; ARAÚJO, D. S. M. S.; ARAÚJO, C. G. S. Age-related mobility loss is joint-specific: an analysis from 6,000 Flexitest results. Age, v. 35, p. 2399-2407, 2013.

MISNER, J. et al. Long-Term Effects of Exercise on the Range of Motion of Aging Women. Journal of Orthopaedic & Sports Physical Therapy, v. 16, n. 1, p. 37–42, 1 Jul, 1992.

MORENO, F. A. et al. Nível de flexibilidade em idosas iniciantes ao programa de exercício físico multicomponente a partir do teste de sentar e alcançar de Wells. Braz. J. of Develop., v. 6, n. 7, p. 47482-47491, Jul, 2020.

RIBEIRO, C. C. A. et al. Nível de flexibilidade obtida pelo teste de sentar e alcançar a partir de estudo realizado na grande São Paulo. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 12, n. 6, p. 415–421, Dez, 2010.

SANCHEZ-LASTRA, M. A. et al. Is Stretching Exercise An Adequate Control Group in Clinical Trials Aimed at Improving Physical Fitness and Function of Older Adults? A Systematic Review and Meta-Analysis. J Aging Phys Act. Jun 4;1-22, 2020.

SOARES, W. D. et al. Determinação dos níveis de flexibilidade em atletas de Karatê e Jiu-jitsu. Motricidade. 1 (4): 246-252, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-275

Refbacks

  • There are currently no refbacks.