Pescaria coletiva da pescadinha na mesorregião central do Espírito Santo / Collective ‘pescadinha’ fishing in the central mesoregion of Espírito Santo

Camilah Antunes Zappes, Luan Amaral Pinheiro de Faria

Abstract


Caracterização da pesca artesanal no litoral do estado do Espírito Santo (ES), sudeste do Brasil mostra-se desatualizada o que indica a necessidade de atualizações sobre o tema. O objetivo deste estudo é descrever a pescaria coletiva da pescadinha praticada na costa do município de Vila Velha, mesorregião central do estado do ES. A obtenção das informações referentes à esta pescaria foi obtida entre os meses de novembro e dezembro de 2020 e janeiro de 2021 diretamente da Praia de Itaparica onde está localizada um entreposto da Colônia de Pescadores de Vila Velha Z-2. Neste sentido, foi aplicado o método das observações participante e direta, além do uso de um diário de campo e realização de entrevistas individuais com informantes-chave (n = 4) cadastrados na referida instituição. As entrevistas foram guiadas por um questionário semiestruturado contendo perguntas abertas. A pescaria coletiva da pescadinha é praticada por pescadores de diversas comunidades pesqueiras artesanais do município. A área de pesca é definida como o entorno da Ilha das Garças distante aproximadamente 800 m da praia em que participam até 40 embarcações cuja tripulação varia de 1 a 2 pescadores. Mesmo tendo a participação de pescadores de diferentes colônias, no momento desta pescaria, estes se reconhecem como um único grupo. A linha-de-mão é o único artefato utilizado durante esta pescaria, em uma profundidade entre 8 e 12 m, e a limpeza e comercialização da pescadinha ocorrem na praia diretamente ao consumidor final que geralmente são os moradores da Praia de Itaparica. Conflitos entre a prática desta pescaria e demais setores econômicos não são identificados pelos informantes-chave.


Keywords


pescador artesanal, pesca coletiva, Espírito Santo.

References


ABREU, J. S.; DI BENEDITTO, A. P. M.; MARTINS, A. S.; ZAPPES, C. A. Artisanal fishing in the municipality of Guarapari, state of Espírito Santo, Brazil: An approach to the perception of fishermen working in small-scale fishing. Sociedade & Natureza. V.32, p. 59-74, 2020. http://dx.doi.org/10.14393/SN-v32-2020-46923.

ALBINO, J. Processos de sedimentação atual e morfodinâmica das praias de Bicanga à Povoação – ES. Tese. Programa de Pós-Graduação em Geociências da Universidade de São Paulo. 175pp. 1999.

BEGOSSI, A.; LOPES, P. F.; OLIVEIRA, L. E. C.; NAKANO, H. Ecologia de Pescadores Artesanais da Baía de Ilha Grande. São Carlos: Rima Editora, FAPESP, 2010.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BRAGA, A. A.; ZAPPES, C. A.; OLIVEIRA, A. C. M. Estudo do conhecimento tradicional de pescadores do litoral sul do Espírito Santo sobre a carcinofauna acompanhante da pesca de camarões. Brazilian Journal of Aquatic Science and Technology. v.22, n.2, p. 1-11, 2018.

BRASIL. Decreto nº. 11.959, de 29 de junho de 2009. Dispõe sobre a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura e da Pesca, regula as atividades pesqueiras, revoga a Lei no 7.679, de 23 de novembro de 1988, e dispositivos do Decreto-Lei no 221, de 28 de fevereiro de 1967. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, 30 jul. 2009.

BRASIL. Instrução Normativa nº. 02, de 25 de janeiro de 2011. Dispõe sobre os procedimentos administrativos para a inscrição de pessoas físicas no Registro Geral da Atividade Pesqueira nas categorias de Pescador Profissional e de Aprendiz de Pesca no âmbito do MPA. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, 26 jan. 2011.

BRASIL. Lei Federal n° 13.123 de 20 de Maio de 2015. Regulamenta o inciso II do § 1o e o § 4o do art. 225 da Constituição Federal, o Artigo 1, a alínea j do Artigo 8, a alínea c do Artigo 10, o Artigo 15 e os §§ 3º e 4º do Artigo 16 da Convenção sobre Diversidade Biológica, promulgada pelo Decreto no 2.519, de 16 de março de 1998; dispõe sobre o acesso ao patrimônio genético, sobre a proteção e o acesso ao conhecimento tradicional associado e sobre a repartição de benefícios para conservação e uso sustentável da biodiversidade; revoga a Medida Provisória no 2.186-16, de 23 de agosto de 2001; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, Seção 1, 21 mai. 2015.

CELANTE, S. S. A. Gentrificação: Impactos do Mercado Imobiliário sobre a Colônia de Pescadores de Itapoã – Vila Velha – ES. Dissertação. Programa de Pós Graduação em Sociologia Política da Universidade de Vila Velha. 85 p. 2014.

CLIFFORD, J. Sobre a autoridade etnográfica. In: GONÇALVES, J. R. S. A experiência etnográfica: antropologia e literatura do século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1998. p.17-6.

CROUCH, M.; MCKENZIE, H. The logic of small samples in interview-based qualitative research. Social Science Information, v.45, p. 483-499, 2006. https://doi.org/10.1177/0539018406069584

DIEGUES, A. C. Pesca artesanal no litoral brasileiro: Cenários e Estratégias para sua sobrevivência. São Paulo: Instituto Oceanográfico, 1988.

DINIZ, A. L. C.; SOUSA, A. K. R.; FRANÇA, A. P.; FREITAS, J.; BATISTA, W. S.; LENZ, T. M. O uso múltiplo da área de pesca do município de Raposa, Maranhão/Brasil. Brazilian Journal of Development. v.6, n.2, p. 6999-7010. 2020. http://dx.doi.org/10.34117/bjdv6n2-121. 2020.

FAPAES- Federação das Associações de Pescadores Profissionais, Artesanais e Aquicultores do Espírito Santo. 2015. Disponível em

FREITAS NETTO, R.; DI BENEDITTO, A. P. M. Diversidade de artefatos da pesca artesanal marinha do Espírito Santo. Biotemas. v. 20, p. 107-119, 2007.

FUNDAÇÃO PROMAR. Macrodiagnóstico da pesca marítima do estado do Espírito Santo Sig – Pesca ES. Brasil: Fundação PROMAR, 2005.

GEO BRASIL. Perspectivas do Meio Ambiente. 1ª ed. Brasília: IBAMA, 2002.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. São Paulo: Record, 1999.

KNOX, W.; TRIGUEIRO, A. Saberes, Narrativas e Conflitos na Pesca Artesanal. Vitória: EDUFES, 2015.

MALINOWSKY, B. Os Argonautas do Pacífico Ocidental: Um Relato do Empreendimento e da Aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné Melanésia. 2 ed. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

MARTINS, A. S.; DOXSEY, J. R. Diagnóstico da pesca no litoral do estado do Espírito Santo. In: ISAAC, V. J.; MARTINS, A.S.; HAIMOVICI, M. & ANDRIGUETTO FILHO, J.M. (Orgs.). A pesca marinha e estuarina do Brasil no início do século XXI: recursos tecnologias, aspectos socioeconômicos e institucionais. Paraíba: Editora UFPA, 2006. p. 93-116.

MARTINS, A. S.; OLAVO, G.; COSTA, P. A. S. A pesca de linha de alto mar realizada por frotas sediadas no Espírito Santo, Brasil. In: COSTA, P. A. S.; MARTINS, A. S.; OLAVO, G. (Eds.). Pesca e potenciais de exploração de recursos vivos na região central da Zona Econômica Exclusiva brasileira. Rio de Janeiro: Museu Nacional, 2005. p. 35-55.

MASON, M. Sample size and Saturation in PhD studies using qualitative interviews. Forum Qual. Sozial. Forum: Qualitative Social Research. v.11, n 3, 2010. https://doi.org/10.17169/fqs-11.3.1428.

MPA - Ministério da Pesca e Aquicultura. Boletim estatístico da pesca e aquicultura. Brasília. 2012.

MPA/MMA. Portaria nº. 04, de 14 de maio de 2015. Estabelece normas, critérios e padrões para o exercício da pesca em áreas determinadas e, especificamente, para a captura de tainha (Mugil liza), no litoral das regiões Sudeste e Sul do Brasil. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, Seção 1, 15 de mai. 2015.

MUSIELLO-FERNANDES, J.; VIEIRA, F. V.; FLORES, R. M.; CABRAL, L.; ZAPPES, C. A. Pesca artesanal e as interferências sobre a atividade na mesorregião central do Espírito Santo. Boletim do Museu de Biologia Mello Leitão. v.40, n.1, p. 1-21, 2018a.

MUSIELLO-FERNANDES, J.; ZAPPES, C. A.; HOSTIM-SILVA, M. Small-scale shrimp fisheries on the Brazilian coast: Stakeholders perceptions of the closed season and integrated management. Ocean and Coastal Management. v.148, n.1, p. 89-96, 2017. https://doi.org/10.1016/j.ocecoaman.2017.07.018.

MUSIELLO-FERNANDES, J.; ZAPPES, C. A.; HOSTIM-SILVA, M. Small-scale fisheries of the Atlantic seabob shrimp (Xiphopenaeus kroyeri): Continuity of commercialization and maintenance of the local culture through making public policies on the Brazilian coast. Ocean and Coastal Management. v.155, n.1, p. 76–82, 2018b.

https://doi.org/10.1016/j.ocecoaman.2018.01.033.

PAIVA, M. P. Recursos Pesqueiros Estuarinos e Marinhos do Brasil. 1ª ed. Fortaleza: UUFC, 1997.

OPDENAKKER, R. Advantages and disadvantages of four interview techniques in qualitative research. Forum Qualitative Social Research. v.7, n.4, art.11, 2006. http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0114-fqs0604118.

ORLANDI, E. P. Análise do discurso. Princípios e Procedimentos. Campinas: Pontes Editores, 2010.

PROATER. Relatório do Programa de Assistência Técnica e Extensão Rural. INCAPER, Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca. 2011. Disponível em: http://www.incaper.es.gov.br/proater/municipios/Centro_cerrano/Vila_Velha.pdf.

SCHENSUL, S. L.; SCHENSUL, J. J.; LECOMPTE, M. D. Essential Ethnographic Methods: Observations, Interviews and Questionnaires, 2 ed. Walnut Creek: Altamira Press, 1999.

SILVA, C. N. A percepção territorial-ambiental em zonas de pesca. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v.2, n.3, p. 25-32, 2007.

TEIS, M. A.; TEIS, D. T. A abordagem qualitativa: a leitura no campo de pesquisa. BOCC. Biblioteca Online de Ciências da Comunicação. v.1, p. 1-8, 2006.

ZAPPES, C.A.; OLIVEIRA, P.C.; DI BENEDITTO, A.P.M. Percepção de pescadores do norte fluminense sobre a viabilidade da pesca artesanal com a implantação de megaempreendimento portuário. Boletim do Instituto de Pesca. v.42, n.1, p. 73-88, 2016. https://doi.org/10.5007/1678-2305.2016v42n1p73.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-268

Refbacks

  • There are currently no refbacks.