Osmocondicionamento com Polietilenoglicol 6000 em sementes de goiabeira-serrana (Acca sellowiana O. Berg.)/ Osmoconditioning with polyethylene glycol 6000 in Brazilian Guava seeds (Acca sellowiana O. Berg.)

Marcelo Benevenga Sarmento, Ana Carolina Silveira da Silva, Francisco Amaral Villela, Karine Louise dos Santos

Abstract


Espécies nativas do Brasil vêm sendo testadas na produção comercial de frutos e na restauração de áreas degradadas, porém, a obtenção de taxas de germinação viáveis comercialmente nem sempre é possível. Desse modo, pesquisas envolvendo o uso de osmocondicionadores são de fundamental relevância. Particularmente para a espécie Acca sellowiana O. Berg são escassos os estudos envolvendo o condicionamento osmótico de sementes. O trabalho objetivou verificar o efeito do osmocondicionamento com PEG 6000 na qualidade fisiológica de sementes de goiabeira-serrana. Foram testados dois níveis de PEG, 100 e 200g/L-1 e quatro tempos de embebição (8; 16; 24 e 32h). As variáveis analisadas foram germinação, tempo médio de germinação, índice de velocidade de germinação, emergência de plântulas em casa-de-vegetação, tempo médio de emergência, índice de velocidade de emergência em casa-de-vegetação e comprimento da parte aérea de plântulas. Houve efeito significativo do osmocondicionamento com PEG 6000 na melhoria da qualidade fisiológica de sementes de goiabeira-serrana. O osmocondicionamento com PEG 6000 promoveu aumento na germinação e emergência em casa-de-vegetação, bem como reduziu o tempo médio de germinação e emergência. O tempo de embebição de 32h, com solução de PEG 6000, permite melhor desempenho fisiológico das sementes de goiabeira-serrana.


Keywords


espécie fruteira, priming, polietilenoglicol 6000, embebição.

References


BEWLEY, J.D.; BRADFORD, K.J.; HILHORST, H.W.M.; NONOGAKI, H. Seeds: physiology of development germination and dormancy. New York: Springer, 2013. 392p.

BORGES, A. da F.; TOMAZ, Z.F.P.; CONTREIRA, C.L.; GONÇALVES, M. A.; RUFATO, A. R. Comportamento germinativo de sementes de goiabeira serrana (Acca sellowiana O. Berg.). Resumo Expandido. XVII CIC e X ENPÓS, Universidade Federal de Pelotas, 11 à 14 de novembro de 2008.

CAMARGO, J. L. C.; FERRAZ, I. D. K. and IMAKAWA, A. M. Rehabilitation of degraded areas of Central Amazonia using direct sowing of forest tree seeds. Restoration Ecology, v.10, n. 4, p. 636-644. 2002.

DUCROQUET, J.P.H.J.; HICKEL, E.R. Fenologia da goiabeira serrana (Feijoa sellowiana Berg) no alto vale do Rio do Peixe, Santa Catarina. Revista Brasileira de Fruticultura, v.13, n.3, p.313-320, 1991.

DUCROQUET, J.P.H.J., HICKEL, E., R., NODARI, R. O. Goiabeira serrana (Feijoa sellowiana). Jaboticabal: FUNEP, 2000. 66p. (Série Frutas Nativas, 5).

EDMOND, J. B.; DRAPALA, W. J. The effects of temperature, sand and soil, and acetone on germination of okra seed. Proceedings of the American Society Horticultural Science, Alexandria, n. 71, p. 428-434, 1958.

JELLER, H.; PEREZ, S.C.J. G.de A. Condicionamento osmótico na germinação de sementes de cássia-do-nordeste sob estresse hídrico, térmico e salino. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.38, n.9, p.1025- 1034, 2003.

KHAN, H.A.; AYUB, C.M.; PERVEZ, M.A.; BILAL, R.M., SHAHID, M.A.; ZIAF,K. Effect of seed priming with NaCl on salinity tolerance of hot pepper (Capsicum annuum L.) at seedling stage. Soil & Environment, v. 28, n. 1, p. 81-87. 2009.

MACHADO, A.A.; CONCEIÇÃO, A.R. WinStat, sistema para análise estatística para Windows. Versão 2.0. Pelotas: UFPel/NIA. 2011.

MAGUIRE, J.D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, v.2, n.1, p.176-177,1964.

MASETTO, T.E.; DRESCH, D.M.; SCALON, S.D.P.Q.; BENTO, L.F. Storage of Alibertia edulis Seeds: Influence of Water Content and Storage Conditions. African Journal of Agricultural Research, 11, 1646-1655. http://www.academicjournals.org/journal/AJAR/article-full-text/DE6758258393 https://doi.org/10.5897/AJAR2016.10871. 2016.

VARIER, A.; VARI, A.K.; DADLANI, M. The subcellular basis of seed priming. Current Science, v. 99, n. 4, p. 450-456, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-260

Refbacks

  • There are currently no refbacks.