As contradições entre a legislação, a formação e a atuação do professor de arte / The contradictions between the legislation, the formation, and the performance of the art teacher

Walter Rodrigues Marques, Francisco das Chagas Santos Costa, Carla Danielle Oliveira dos Santos, Joelice Silva da Luz, Maria Neuraildes Gomes Viana, Francisca Maria Menezes do Nascimento, Maria Vitória Nascimento Cantanhede, Luís Félix de Barros Vieira Rocha

Abstract


O presente artigo versa sobre algumas reflexões da formação de professores de arte e suas práticas em sala de aula. Pretende estabelecer as bases do trabalho desse professor em consonância com a interdisciplinaridade, a multidisciplinaridade e a transdisciplinaridade no fazer pedagógico. Ressalta-se que não se debruçará sobre tais vertentes, mas demonstrando na prática docente. Reflete sobre a possibilidade de ensinar arte a partir de uma só linguagem, a saber: Artes Visuais, Música, Dança, Teatro. Buscando defender que isso não é possível, uma vez que as disciplinas pedem complemento umas das outras e não somete às linguagens, mas a outros campos do saber. A perspectiva aqui adotada é a de que o ensino de arte é híbrido, portanto, interdisciplinar, multidisciplinar e transdisciplinar. Em primeiro lugar, buscar-se-á definir a arte e a sua importância para a educação escolar; em segundo lugar, o ensino de arte e política educacional; em terceiro, as políticas específicas para o ensino de arte. O estudo perpassa por questionamentos da efetividade do que preconiza a legislação, sobretudo, nas LDB’s 5.692/71 e 9.394/96, abordando o que cada uma estabeleceu sobre o ensino de arte e, como esse ensino acontece nas salas de aula, tanto em relação ao que estabelecem as leis e ao que o professor efetivamente faz no chão da escola. Na sustentação teórica deste texto utilizou-se Barbosa (2014), Buoro (2003), Ferraz (2009), Lowenfeld (1977), Fischer (1981), Carneiro (2015), Brasil (1996, 1997,1998), Maranhão (2010, 2016), dentre outros.


Keywords


Formação de professores de arte. Ensino de arte. Políticas educacionais.

References


BARBOSA, Ana Mae (Org.). Ensino de arte: memória e história. – São Paulo: Perspectiva, 2014.

BARBOSA, Ana Mae. Arte-Educação no Brasil: realidade hoje e expectativas futuras. Trad. Sofia Fan. Estudos Avançados, 1989, p. 170-182. Disponível em:. Acesso em: 06 ago. 2017.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: arte / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997. 130p. (Ensino de 1ª à 4ª série).

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: arte / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1998. 116p. (Ensino de 5ª à 8ª série).

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 20 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer nº 22/2005 de 4/10/2005. Solicitação de retificação do termo que designa a área de conhecimento “Educação Artística” pela designação: “Arte, com base na formação específica plena em uma das linguagens: Artes Visuais, Dança, Música e Teatro”. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/pceb22_05.pdf>. Acesso em: 04 dez. 2016.

BUORO, Anamelia Bueno. O olhar em construção: uma experiência de ensino e aprendizagem da arte na escola. 6. ed. – São Paulo: Cortez, 2003.

CARNEIRO, Moaci Alves. LDB fácil: leitura crítico-compreensiva, artigo a artigo. 23. ed. revista e ampliada. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

COLI, Jorge. O que é arte? – São Paulo: Brasiliense, 2002. (Coleção primeiros passos; 46). 7. reimpr. da 15. ed. De 1995.

COSTA, Jean Mário Araujo; CUNHA, Maria Couto. Política de formação e valorização dos profissionais da educação básica no Brasil: estudo sobre os instrumentos legais nos primeiros quinze anos do século XXI. In: Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 11, p.87477-87489, nov. 2020.

ERNST, Fischer. A necessidade da arte. Trad. Leandro Konder. 9. ed. – Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1981.

FERRAZ, Maria Heloísa C.de T. Metodologia do ensino de arte: fundamentos e proposições. – 2. ed. rev. e ampl. – São Paulo: Cortez, 2009.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. Trad. Silvana Cobucci Leite. 9. ed. –São Paulo: Cortez, 2011.– (coleção questões da nossa época; v. 14).

LOWENFELD, Viktor. A criança e sua arte: um guia para os pais. Trad. Miguel Maillet.- São Paulo: Mestre Jou, 1977.

MARANHÃO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Referencial Curricular - Arte: Ensino Fundamental: 5ª a 8ª série / 6º ao 9º ano, 98 p. São Luís, 2010.

MARANHÃO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Projeto Político Pedagógico – PPP. São Luís, 2016.

MARQUES, Walter Rodrigues; FERREIRA, Diego Jorge Lobato; CUTRIM, Dayana Sthéfane Pereira; VIANA, Maria Neuraildes Gomes; FREITAS, Marizelia Dielle de; COSTA, Rosangela Coêlho; ROCHA, Luís Félix de Barros Vieira; SOARES, Hérbia Araújo. Profissionalidade docente: Saber e busca de reconhecimento. In: Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n.12, p.97692-97711 dec. 2020.

OLIVEIRA, Antonio Celso de. Resenha: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (Orgs.) Epistemologias do Sul. São Paulo; Editora Cortez. 2010. 637p. in: Revista Espaço Acadêmico, n. 119, abr. 2011, p. 194-197.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (Orgs.) Epistemologias do Sul. São Paulo; Editora Cortez. 2010.

SELBACH, Simone. Arte e didática. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-256

Refbacks

  • There are currently no refbacks.