Avaliação físico-química e microbiológica de azeites de coco babaçu produzidos na cidade de Picos, Piauí, Brasil / Physical-chemical and microbiological evaluation of babassu coconut olive oils produced in the city of Picos, Piauí, Brazil

Luciano Borges da Rocha Filho, Lindalva de Moura Rocha, Tamires Irineu Ribeiro, Francisco de Assis Araújo Barros, Sergio Bitencourt Araújo Barros

Abstract


As potencialidades do babaçu (Orbignya Phalerata Mart.) são inúmeras, indo desde a geração de energia ao artesanato, sendo que o fruto, o coco, apresenta o maior aproveitamento econômico, tecnológico e industrial, na produção de diversos produtos tais como o azeite e óleo. Diante dessa perspectiva, foram avaliadas quatro amostras de azeite de coco babaçu produzidos e comercializados na cidade de Picos – PI, quanto aos parâmetros físico-químicos e microbiológicos com a quantificação de Salmonella sp e de Coliformes a 45°C. Os resultados das características físico-químicas foram submetidos à análise de variância (ANOVA) e, quando constatada a significância pelo teste de F, os tratamentos foram comprovados através do teste de Tukey ao nível de significância 5% (p<0,05), utilizando o programa ASSISTAT, versão 7.0. Já as análises microbiológicas foram realizadas de acordo as exigências da Resolução RDC n°12 de 02 de janeiro de 2001. Destaca-se que como o azeite de coco babaçu é um produto regional, característico do território brasileiro, este projeto está cadastrado na plataforma SisGen, conforme legislação. Os parâmetros analisados demonstraram bons resultados quanto às características físico-químicas, além de adequadas condições sanitárias. Mesmo tendo sua produção artesanal e um inadequado armazenamento, as amostras de azeite de coco babaçu analisadas apresentaram tanto um bom estado de conservação como também boas condições sanitárias, demonstrando a qualidade do produto comercializado.


Keywords


azeites, coco babaçu, análises químicas, análise microbiológica.

References


AMORIM, E. et al.,. Efeito do uso topico do extrato aquoso de Orbignya phalerata (babacu) na cicatrizacao de feridas cutaneas: estudo controlado em camundongos. Acta Cirurgica Brasileira, v. 21, s. 2, p. 67-76, 2006.

AMORIM, Andressa Gomes; SOUSA, Tatiane de Almeida; SOUZA, Andrey Oliveira de. Determinação do ph e acidez titulável da farinha de semente de abóbora (Cucurbita máxima). In: VII CONNPI (Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação). 2012.

ALBIERO, Daniel et al. Proposta de uma máquina para colheita mecanizada de babaçu (Orbignya phalerata Mart.) para a agricultura familiar. Acta Amazonica, Campinas – SP, [s.n.] , p.337-346, 15 jul. 2007.

ANDREWS, W. H.; et al In: Downes FP, Ito K. Compendium of Methods for the Microbiological Examination for Foods, 4a ed. Washington: APHA, 2001. p. 357-380.

BRASIL. ANVISA – Resolução – RDC nº. 12, de 02 de janeiro de 2001. Disponível em:

?MOD=AJPERES>. Acesso em: maio de 2020.

BRASIL. Ministério do Meio ambiente. Promoção Nacional da Cadeia de Valor do Coco Babaçu. Brasília, 2009. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2020.

BRASIL. ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 482 de 23 de Setembro de 1999. Disponível em:. Acesso em: 26 jun.2020.

BRASIL. ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 270, de 22 de setembro de 2005. Regulamento técnico para óleos vegetais, Gorduras vegetais e creme vegetal. Diário Oficial da União, Brasília, de 23 de setembro de 2005. Disponível em: . Acesso em: 05 de Jan. de 2020.

CARRAZZA, Luis Roberto; SILVA, Mariane Lima da; ÁVILA, João Carlos Cruz. Manual Tecnológico de Aproveitamento Integral do Fruto do Babaçu. Brasília – DF. Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN). Brasil, 2012.

CODEX ALIMENTARIUS. Codex Standard for Named Vegetable Oils. CODEX STAN 210 (Amended 2003). Codex Alimentarius, Roma: FAO/WHO, 2003.

DOS SANTOS, Michelli Ferreira. Variação genética em populações naturais de babaçu (Orbignya phalerata Mart.) por marcadores morfoagronômicos e moleculares. 2011. (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Piauí. 2011.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Departamento de Difusão de Tecnologia. Babaçu, Programa Nacional de Pesquisa. Brasília: p. 89, 1984.

IAL. INSTITUTO ADOLFO LUTZ. v. 1: Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. São Paulo.1020 p. 2008.

KORNACKI, J. L.; JONHSON, J. L. Enterobacteriaceae, Coliforms, and Escherichia coli as Quality and safety Indicators. In: Downes FP, Ito K. Compendium of Methods for the Microbiological Examination for Foods, 4a ed. Washington: APHA, 2001. p. 69-82

MACHADO, Getúlio Costa; CHAVES, José Benício Paes; ANTONIASSI, Rosemar. Composição em ácidos graxos e caracterização física e química de óleos hidrogenados de coco babaçu. Revista Ceres, v. 53, n. 308, p. 463-470, 2006.

MAPA. (2006). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Instrução Normativa nº 49, de 22 de dezembro de 2006. Anexo I – Regulamento técnico de identidade e qualidade de óleos vegetais refinados. Publicado no Diário Oficial da União de 26/12/2006, Seção 1, 140p. Disponível em: Acesso em: 05 de Jan. de 2020.

MELO, L. P.; Resumos do 2o Congresso de Pesquisa e Inovação da Rede Norte Nordeste de Educação Tecnológica, Joao Pessoa, 2007.

OLIVEIRA, M.A.L.; LAGO, C.L.; TAVARES, M.F.M.; SILVA, J.A.F. Análise de ácidos graxos por eletroforese capilar utilizando detecção condutométrica sem contato. Química Nova, São Paulo, v.26, n.6, mar., 2003

REDA, S. Y. 2004. Estudo comparativo de óleos vegetais submetidos a estresse térmico. (Dissertação de Mestrado) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, Brasil. 2004.

SPERS, Rodolfo Cláudio et al. Efeito da suplementação da dieta com óleo de babaçu sobre a composição do sangue e leite de éguas em lactação. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, v. 43, n. supl., p. 109-119, 2006.

SALES, A. R. R.; ALBUQUERQUE, T. N.; XAVIER, L. E.; SANTANA, A. G.; SILVA, O. S.; COSTA, S. S.; FONSECA, S. B.; MEIREL, B. R. L. A. Caracterização físico-química do oléo de coco babaçu industrial e artesanal e suas aplicações tecnológicas. Braz. J. of Develop.,Curitiba, v. 6, n.5,p.25734-25748, 2020.

ZYLBERSZTAJN, D. et al., 2000. Reorganization of the agribusiness of the babaçu in the state of Maranhão. Relatório técnico. Grupo Pensa-USP, São Paulo. 120 pp.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-254

Refbacks

  • There are currently no refbacks.