Banco de microalgas da classe de Diatomácea do rio São Francisco para avaliação ambiental/ Diatom-class microalgae bank of the São Francisco River for environmental assessment

Jorge Vinicius Takahashi Reimcke, Eleticia Eudalia Camozatto, Ana Carla Casagrande Poersch, Nyamien Yahaut Sebastien

Abstract


As microalgas são organismos adaptadas a diversos ambientes aquáticos, ótimos em tratamento de efluente, ricos em substâncias e ótimo modelo biológico para monitoramento. Em busca de alternativas sustentáveis a pesquisa pretende testar dois materiais para uma coleta seletiva para a formação de um banco de microalgas. Serão o vidro e cerâmica na coleta e avaliação da qualidade ambiental. O trabalho foi realizado no Instituto de Pesquisa em Aquicultura Ambiental-InPAA para avaliar a qualidade da água do desvio do rio São Francisco em três pontos de coletas na entrada (P1) nos pontos de abastecimento (P2) e na saída (P3) agosto de 2019 a julho de 2020. O material coletado foi analisado no microscópio invertido marca Olympus. A qualidade ambiental, foi definida em função do estado trófico ligado ao gênero da microalga. Determinaram-se os índices ecológicos utilizando o soft DivEs – 2018. Uma ANOVA a 5% de confiança utilisando Bioestat 2.0 foi usado. Os táxons contribuíram por 40% de vidros e 60% na cerâmica. Nos diferentes pontos obtivemos uma contribuição de 41% em 1, 35% em 3 e 24% em 2. O índice biótico apresentou um somatório de 6,3274 no vidro e 5,6062 na cerâmica enquanto de diversidade apontou maior no vidro e de dominância maior na cerâmica. As análises de água não mostraram medidas fora das exigências da Conama 357. Uma avaliação do estado trófico indicou um rio mesotrofica com tendência oligotrófica e técnica de coleta seletiva diferente entre os materiais e eficiente na avaliação da qualidade ambiental.


Keywords


microalgas, cerâmica, vidro.

References


ALVAREZ, M. & I. PARDO. 2006. Factors controlling epilithon biomass in a temporary, karstic stream: the interaction between substratum and grazing. J. North Am. Benthol. Soc., 26, 207- 220

Ayres,M; et al (2000) Bio estat 2.0 Aplicação estatística nas áreas das Ciências biológicas e medicas. Belem: NCT CNPq.

Bere, T. (2014). Ecological preferences of benthic diatoms in a tropical river system in São Carlos-SP, Brazil. Tropical Ecology 55: 47-61.

Liliana Garcıa, Cristina Delgado and Isabel Pardo (2008). Seasonal changes of benthic communities in a temporary stream of Ibiza (Balearic Islands). Limnetica, 27, 259-272.

RODRIGUES, W.C. DivEs (2018) - Diversidade de Espécies – Software e Guia do Usuário, v.4.4.8. Disponível em: http://dives.ebras.bio.br. Acesso em 07 de setembro de 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-253

Refbacks

  • There are currently no refbacks.