Camellia sinensis: benefícios no auxílio ao tratamento da obesidade/Camellia sinensis: benefits in aiding the treatment of obesity

Bruna de Campos Pires, Nágila Bernarda Zortéa, Pâmela do Nascimento, Verônica Cristina da Silveira, Charise Dallazem Bertol

Abstract


INTRODUÇÃO: Com o aumento de prevalência de obesidade mundialmente, a patologia torna-se uma das maiores preocupações da saúde pública. É responsável pelo aumento de mortalidade, aumento de outros doenças também tais como cardíacas, hipertensão, diabetes tipo II, alguns tipos de câncer, doenças psicossociais, entre outras. Diversas são as intervenções e medidas para o tratamento. Entre os tratamentos disponíveis o uso de fitoterápicos como o chá verde, chá preto e chá branco é uma alternativa. Todos estes chás são obtidos da mesma planta Camellia sinensis, sendo que o que os diferencia é o tempo de secagem e temperatura das folhas. OBJETIVO: Realizar uma revisão integrativa, sobre o uso da Camellia sinensis para o emagrecimento. METODOLOGIA: Foram utilizadas as bases de dados PubMed, Periódicos Capes e Scielo, com as palavras-chaves: Obesidade, planta medicinal, fitoterapicos e Camellia sinensis. RESULTADOS: O chá verde é capaz de reduzir o índice de massa corporal, a gordura corporal, a circunferência da cintura, a gordura visceral, o peso corporal e as pregas cutâneas devido ao aumento do metabolismo, catabolismo de gorduras, redução do apetite. Entretanto, o consumo diário pode desencadear disfunção hepática, problemas gastrointestinais como irritação gástrica e constipação, diminuição do apetite, insônia, nervosismo, hiperatividade, hipertensão e aumento dos batimentos cardíacos. CONCLUSÃO: O uso de plantas medicinais como coadjuvante no tratamento de obesidade mostra-se promissor. Entretanto, assim como os medicamentos, as plantas medicinais podem apresentar efeitos adversos e não há conseso sobre a dosagem adequada. O uso do fitoterápitco deve estar aliado a uma nutrição adequada, acompanhada de atividade física, e orientação de profissionais qualificados, entre eles, farmacêuticos, nutricionistas, profissionais de educação física, esteticistas, psicólogos, para obter os melhores resultados.


Keywords


Obesidade, Plantas Medicinais, Fitoterapicos, chá verde, chá preto, chá branco.

References


Mackay DL, Blumberg JB. The role of tea in human heath: an update. J Am College Nutr. 2002, 21(1): 1-13.

Wang H, Provan GJ, Helliwell K. Tea flavonoids: their functions, utilisation and analysis. Tr Food Sci Technol. 2000, 11 (4): 152-160.

Rusak G, Komes D, Likic S, Horžić D, Kovač M. Phenolic content and antioxidative capacity of green and white tea extracts depending on extraction conditions and the solvent used. Food Chem. 2008, 110(4): 852-858.

Cabrera C, Gimenez R. Efeitos benéficos do chá verde: Uma revisão. Am J Nutr fresco. 2006, 25 (2): 79-99.

Hasler CM. Functional foods: benefits, concerns and challenges. A position paper from the American Council on Science and Health. J Nutr. 2002, 132(12): 3772- 3781.

Saito ST, Fröehlich PE, Gosmann G, Bergold AM. (2007). Full validation of a simple method for determination of catechins and caffeine in Brazilian green tea (Camellia sinensis var. assamica) using HPLC. Chromatographia, 2007, 65 (9-10): 607-610.

Matsubara S, Rodriguez – Amaya DB. Teores de catequinas e teaflavinas em chás comercializados no Brasil. Ciência e Tecnologia de Alimentos. 2006, 26 (2): 401- 407.

Yang CS, Wang X, Lu G, Picinich SC. Cancer prevention by tea: animal studies, molecular mechanisms and human relevance. Nat Rev Canc. 2009, 9 6): 429-439.

Higdon JV, Frei B. Tea catechins and polyphenols: health effects, metabolism, and antioxidant functions. Crit Rev Food Sci Nutr. 2003, 43: 89-143.

Balentine DA, Wiseman SA, Bouwens LCM. The chemistry of tea flavonoids. Crit Rev Food Sci Nutr.1997, 37 (8): 693-704.

Santos RD, Spósito AC, Santos JE, Fonseca FH, Moriguchi EH, Martinez TLR, Ramires JA. Programa de avaliação nacional do conhecimento sobre prevenção da aterosclerose (PANDORA): como tem sido feito o tratamento das dislipidemias pelos médicos brasileiros. Arq Bras Cardiol. 2000, 75(6): 289-295.

Lorenz M, Wessler S, Follmann E, Michaelis W, Düsterhöft T, Baumann G, Stangl K, Stangl V. A constituent of green tea, epigallocatechin-3-gallate, activates endothelial nitric oxide synthase by a phosphatidylinositol-3-OH-kinase-, cAMP-dependent protein kinase-, and Akt-dependent pathway and leads to endothelial-dependent vasorelaxation. J Biol Chem. 2004, 279 (7): 6190-6195.

Lin JK, Lin-Shiau SY. Mechanismis of hypolipidemic and anti-obesity effects of tea and tea polyphenols. Mol Nutr Food Res. 2006, 50(2): 211-217.

Xu JZ, Yeung SYV, Chang Q, Huang Y, Chen ZY. Comparison of antioxidant activity and bioavailability of tea epicatechins with their epimers. Br J Nutr. 2004, 91 (06): 873-881.

Murase T, Haramizu S, Shimotoyodome A, Tokimitsu I. Reduction of diet-induced obesity by a combination of tea-catechin intake and regular swimming. International Journal of Obesity (London). 2006, 30(3): 561–568.

Nagao T, Komine Y, Soga S, Meguro, S Hase T, Tanaka Y, Tokimitsu I. Ingestion of a tea rich in catechins leads to a reduction in body fat and malondialdehyde-modified LDL in men. Am j clin nutr. 2006, 81 (1): 122-129.

Ota N, Soga S, Shimotoyodome A, Haramizu S, Inaba M, Murase T, Tokimitsu I. Effects of combination of regular exercise and tea catechins intake on energy expenditure in humans. J health Science. 2005, 51(2): 233-236.

Bartels CL, Miller SJ. Dietary supplements marketed forweight loss. Nutr Clin Pract. 2003, 18(2):156- 169.

Corrêa Jr, C, Ming, LC, Scheffer, MC. Cultivo de plantas medicinais, condimentares e aromáticas. 2.ed. Jaboticabal: FUNEP, 1994. 151p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-251

Refbacks

  • There are currently no refbacks.