Educação infantil e cultura adotiva: o trabalho com os filmes infantis na prática pedagógica do professor da Educação Infantil/ Childhood education and adult culture: working with children's movies in the pedagogical practice of the Early Childhood Education teacher

Isadora Rosadiuk de Campos, Sandra Regina Mantovani Leite

Abstract


O presente estudo tem por objetivo demonstrar a importância da ação docente  para a consolidação da cultura adotiva, bem como apresentar diferentes filmes sobre a adoção no contexto da Educação Infantil. Justifica-se, a importância da temática trabalhada, por acreditar que a adoção é realidade para inúmeras famílias brasileiras, e assim surge a necessidade de utilizar o cinema, e mais especificamente os filmes infantis, como instrumento para dialogar sobre a temática com crianças, seus professores e suas famílias. Unir a temática do cinema à prática docente se transformou num expressivo atrativo, pois os filmes infantis fazem parte da cotidianidade das crianças independente do nível social a que pertencem. Para tanto, partiu-se de uma breve caracterização sobre as diferentes configurações familiares, e da Base Nacional Comum Curricular, como documento norteador para a prática pedagógica do professor. Dessa forma, a metodologia deste trabalho contemplou a pesquisa qualitativa do tipo bibliográfica e a análise documental de filmes infantis, sendo sustentada em fontes como: artigos, periódicos, filmes e livros.  Os resultados da pesquisa indicam que, se faz necessário a formação continuada de professores para a compreensão do trabalho pedagógico sobre a adoção. Deseja-se com esse trabalho apresentar as mudanças advindas da trajetória da família, abrindo espaço para a família adotiva, a fim de mostrar que apesar de pouco discutido ou ausente, a adoção precisa ser vista, apresentada e trabalhada sem preconceitos ou medos. Para a criança, sujeito principal no processo, a importância de um trabalho comprometido e humanizado na prática pedagógica possibilitará o desenvolvimento pleno em todas as dimensões educativas, quais sejam: éticas, estéticas, inter relacionais e cognitivas. A criança enquanto sujeito de direitos, tem o direito de ter uma família, ser respeitada e os adultos como mais experientes no processo de aprender – gestores, professores, pais e responsáveis – precisam conhecer e respeitar as especificidades das famílias, dentre elas, a constituída por adoção.


Keywords


Educação Infantil, Cultura Adotiva, Prática pedagógica.

References


BARBOSA, Claudia de Azevedo; FORTUNA, Lívia Ramos; Pátio educação infantil. Ano XIII. n° 45. out/dez 2015.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNC C_20dez_site.pdf. Acesso em: 22 de julho de 2020.

CARDOSO, M. C. O brincar como uma ação experiencial no cotidiano da educação infantil. Salvador. 2009.

FANTIN, Mônica. Mídia-educação e cinema na escola. Revista teias. v. 8, n. 14-15. 2007. Rio de Janeiro.

MIRANDA, Verônica Rodrigues de. Família: as novas entidades advindas da Constituição Federal de 1988. Revista Síntese de Direito de Família v. 15, 20- 36, n. 78, jun/jul 2013.

NAPOLITANO, Marcos. Como usar o cinema na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2003.

PARISOTO, Felipe; SILVEIRA, Daiane Belloli da; O uso do cinema como ferramenta na aprendizagem na Educação Infantil. Trajetória Multicursos - volume 7, número 2, ano 2016, outubro/novembro/dezembro.

PORTELINHA, Ângela Maria Silveira; ZOIA, Elvenice Tatiana; PASQUALOTTO, Lucyelle Cristina; COELHO, Rejane Teixeira; SBARDELOTTO, Vanice Schossler; A educação infantil no contexto das discussões da base nacional comum curricular. Temas & Matizes, Cascavel, v. 11, n. 20, p. 30 - 43, jan./ jun., 2017.

TRIVIÑOS, A. N. S.; Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo; Atlas, 1987.

VASCONCELLOS, Ana Carolina Esteves. A evolução do conceito de família na pós-modernidade. Marília. 2014.

VELOSO, Lúcia de Fátima. Como crianças e adolescentes são vistos pela escola. 1. Ed. Curitiba: Appris, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-247

Refbacks

  • There are currently no refbacks.