As exportações Brasileiras e a dependência das Commodities / Brazilian exports and dependence on Commodities

Bruna Lafraia Ribeiro da Silva, Flavia Lunelli, Carlos Ilton Cleto

Abstract


A globalização afetou em diferentes graus a comunidade econômica mundial e tornou o comércio internacional fundamental para a economia das nações, traduzido nas importações e exportações. Diante do contexto histórico do Brasil, a pauta exportadora do país é marcada, sobretudo, pelos produtos básicos, notadamente as commodities. Para estudá-la, faz-se necessário uma análise da Balança Comercial do país. A partir de pesquisas bibliográficas associadas a uma leitura crítica de dados percentuais e tendo em observância as teorias do comércio internacional, são verificadas as características dos produtos exportados e os setores que os produtos fazem parte. A análise demonstra, enfim, uma dependência na exportação de commodities, principalmente para a China, responsável por 28,1% do total das exportações brasileiras em 2019. Destaca-se sobretudo a soja, que teve 78,43% de toda a sua produção destinada ao mercado chinês, culminando em um superávit brasileiro de quase US$ 30 bilhões em relação a balança chinesa em 2019. As commodities e a China são o cerne deste trabalho, eis que o parceiro asiático e os produtos básicos exportados são os eixos das relações comerciais brasileiras, desempenhando papéis importantes para o crescimento econômico do país. Importa, portanto, a análise profunda das trocas comerciais brasileiras, uma vez que a forte relação de dependência comercial do Brasil em relação a China gera preocupação. A Balança Comercial brasileira, o panorama de exportações e o desenvolvimento socioeconômico do país ficam suscetíveis às consequências desta estreita relação.


Keywords


Exportação. Balança Comercial. Commodities. China. Brasil.

References


ASSOCIAÇÃO DE COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL. Análise da Balança Comercial Brasileira – 2014. AEB, 2015. Disponível em: Acesso em: Jan. 2020.

BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN). Evolução da pauta exportadora brasileira e seus determinantes. Estudo Especial n. 38/2019, v. 21, n. 1, 2019. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2019.

BRAHMBHATT, Milan; CANUTO; Otaviano. Natural Resources and development strategy after the Crisis. Economic Promise, Washington, DC, n.1, p. 1-7, fevereiro 2010. The World Bank Publications.

BRASIL. Ministério da Economia. Receita Federal assina acordo de reconhecimento mútuo entre programas OEA do Brasil e da China. Brasília, out. 2019. Disponível em: . Acesso em: nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Comex Vis: visualizações de comércio exterior. 2019. Disponível em: . Acesso em: jan. 2020.

______. Séries históricas. 2000-2019. Estatísticas de comércio exterior (MDIC). Disponível em: . Acesso em: jan. 2020.

BRUE, Stanley L.; GRANT, Randy R. História do Pensamento Econômico. 8. ed. São Paulo: Cengage, 2017.

CÂNDIDO, Aécio. Teorias do desenvolvimento e desenvolvimento no Brasil. Caderno Leituras de Sociologia, Mossoró, v.2, Deptº de Ciências Sociais/ UERN, 1999.

CARVALHO, Maria Auxiliadora de; SILVA, César Roberto Leite da. Economia Internacional. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

COUTINHO, Eduardo Senra et al. De Smith a Porter: um ensaio sobre as teorias do comércio exterior. Economia de Empresas, São Paulo, v. 12, n. 4, p. 101-113, outubro 2005.

COUTO, Joaquim Miguel. O pensamento desenvolvimentista de Raúl Prebisch. Economia e Sociedade, Campinas, v. 16, n. 1(29), p. 45-64, abr. 2007.

INTERNATIONAL MONETARY FUND. Balance of payments and international investment position manual. 6th ed. Washington, D.C.: IMF Multimedia Services Division, 2009.

KRUGMAN, Paul.; OBSTFELD, Maurice. Economia internacional: teoria e política. 8. ed. São Paulo: Makron Books, 2010.

LANZANA, Antonio Evaristo Teixeira et al. Gestão de negócios internacionais. São Paulo: Saraiva, 2006.

LOPEZ, José Miguel Cortiñas. Exportação Brasileira: a real participação das empresas. São Paulo: Lez; Aduaneiras, 2005.

MARIANO, Jefferson; CARMO, Edgar. Economia Internacional. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

MATIAS-PEREIRA, José. Manual de metodologia da pesquisa científica. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2016.

MORAES, Reginaldo. Celso Furtado. O subdesenvolvimento e as ideias da Cepal. São Paulo: Ática, 1995.

NEGRI, Fernanda de. O perfil dos exportadores industriais brasileiros para a China. Texto para Discussão, n. 1091, Brasília, maio 2005. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2019.

NONNENBERG, Marcelo José Braga. Setor externo: taxa de câmbio efetiva real. Carta de Conjuntura, Brasília, seção 3, maio 2019. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2019.

PASSOS, Carlos Roberto M.; NOGAMI, Otto. Princípios de Economia. 3. ed. São Paulo: Guazelli, 2000.

PAUTASSO, Diego. O lugar da China no comércio exterior brasileiro. Meridiano 47 - Journal of Global Studies, v. 11, n. 114, p. 25-27, janeiro 2010. Disponível em . Acesso em: 2 dez. 2019.

PREBISCH, Raúl. O desenvolvimento econômico da América Latina e seus principais problemas. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 3, n. 3, p. 47-111, p. 47-111, julho 1949.

SANDRONI, Paulo. Dicionário de economia do Século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2005.

SEGALIS, Gabriel; FRANÇA, Ronaldo de; ATSUMI, Shirley Y. K. Fundamentos de importação e exportação. Rio de Janeiro: FGV, 2012.

SOUZA, Túllio Assis; VERÍSSIMO, Michele Polline. O papel das commodities para o desempenho exportador brasileiro. Indicadores Econômicos FEE, Porto Alegre, v. 40, n. 2, p. 79-94, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-234

Refbacks

  • There are currently no refbacks.