Caminhos da atenção em fisioterapia: a inserção na atenção básica / Paths of attention in physiotherapy: insertion in basic attention

Cristina Dutra Ribeiro, Maria Cristina Flores Soares, Ana Luiza Muccillo Baisch

Abstract


 A inserção do fisioterapeuta nos serviços de Atenção Básica (AB) pode contribuir para a conquista e o desenvolvimento de uma assistência à saúde da população baseada na integralidade. Objetivou-se caracterizar a assistência pública em Fisioterapia disponibilizada para a população de 22 municípios de uma coordenadoria regional de saúde do extremo sul do Brasil. Estudo quantitativo, com delineamento transversal do qual participaram 43 fisioterapeutas que possuíam vínculo de trabalho na AB. Destes, 6,9% estavam inseridos na Estratégia Saúde da Família/Núcleo de Apoio a Saúde da Família ESF/NASF, 60,4% eram prestadores de serviço terceirizados, e 44,2% recebiam no máximo três salários mínimos em sua vinculação com o setor público. A razão de fisioterapeutas atuando na AB na região dos 22 municípios foi de 0,06x1000 habitantes.  Os fisioterapeutas que atuam na AB sem vinculação à ESF/NASF referiram maior envolvimento com atividades de reabilitação como assistência a pessoas com dificuldade para caminhar (92.5%), com doenças osteomusculares (90.0%) e a deficientes físicos (87.5%). O papel do fisioterapeuta como promotor de saúde foi identificado principalmente entre aqueles vinculados à ESF/NASF. As ações de promoção da saúde mais realizada, pelos entrevistados, foram a prevenção de processos que levam à incapacidade funcional laborativa (62,8%). O estudo mostra a limitada inserção do fisioterapeuta na AB. A aproximação deste profissional com a AB, aprofunda a reflexão sobre o papel deste profissional na produção de saúde, sendo necessário ampliar seu campo de atuação, possibilitando maior reconhecimento de seu trabalho neste setor e garantindo maior resolutividade às suas ações.


Keywords


Fisioterapia, Atenção Básica de Saúde, Promoção da Saúde.

References


Guerrieri BE, Ferreira DLS, Furbino SAR. Experiência da Fisioterapia no Núcleo de Apoio à Saúde da Família em Governador Valadares, MG. Fisioter mov 2010; 23( 2 ): 323-330

Riani PLK, Tutrut EMP. Fisioterapia na Atenção Primária: Experiência de Estágio Curricular em Barbacena/Minas Gerais. Braz. J. of Develop 2020; 6(10): 75421-75427

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 154/GM, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. Diário Oficial da União 2008; 24jan.

Bispo-Júnior JP. Fisioterapia e Saúde Coletiva: desafios e novas responsabilidades profissionais. Rev CS Col 2010; 15(1):1627-1636.

Souza MC de, Araújo TM de, Reis WMJ, Souza JN, Vilela ABA, Franco TB. Integralidade na atenção à saúde: um olhar da Equipe de Saúde da Família sobre a Fisioterapia. O Mundo da Saúde 2012; 36(3):452-460.

Neves LMT, Aciole GG. Desafios da integralidade: revisitando as concepções sobre o papel do fisioterapeuta na equipe de Saúde da Família. Interface (Botucatu) 2011; 15(37):551-564.

Trelha CS, Silva DW da, Iida LM, Fortes MH, Mendes TS. O fisioterapeuta no programa de saúde da família em Londrina (PR). Rev Espaço para a Saúde 2007; 8(2):20-25.

Ribeiro CD, Soares MCF. Situações com potencialidade para atuação da Fisioterapia na atenção básica no Sul do Brasil. Rev Panam Salud Publica 2014; 36(2):117–23.

Véras, MMS. A inserção do fisioterapeuta na Estratégia Saúde da Família de Sobral-CE. Monografia de Especialização com caráter de Residência em Saúde da Família da Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia. Sobral, CE. 2002.

Ragasson CAP, et al.. Atribuições do fisioterapeuta no programa de saúde da família. Reflexões a partir da prática profissional. Experiência Baseada na Residência em Saúde. Unioste Cascavel – Paraná, 2004.

Silva D, da Ros MA. Inserção de profissionais de Fisioterapia na equipe de saúde da família e Sistema Único de Saúde: desafios na formação. Ciênc Saúde Coletiva 2007; 12(6):1673-81.

Chartered Society Of Physiotherapy. Physiotherapy effectiveness bulletin- helath promotion: physical activity and exercise in selected populations, Canada. 2002; 4(1):2-11.

Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contagem Populacional 2013. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=431440 Acesso em: maio 2015.

Costa LR, Costa JLR, Oishi J, Driusso P. Distribution of physical therapists working on public and private establishments in different levels of complexity of health care in Brazil. Rev. bras. fisioter 2012; 16(5):422-430.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Diário Oficial da União 2013; 12dez.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual de legislação em saúde da pessoa com deficiência. 2. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2006. 346 p.

Rocha VM, Caldas MAJ, de Araújo FRO, Ragasson CAP, dos Santos MLM, Batiston AP. As diretrizes curriculares e as mudanças na formação de profissionais fisioterapeutas. Anais do XVI Fórum Nacional de Ensino em Fisioterapia e II Congresso Nacional da Fisioterapia na Saúde Coletiva. Fisioter Brasil 2010; 11(5):4-8.

Badaró AFV, Guilhem D. Perfil sócio demográfico e profissional de fisioterapeutas e origem das suas concepções sobre ética. Fisioter. mov 2011; 24(3):445-454.

Ceccim RB, Feuerwerker LCM. Mudança na graduação das profissões de saúde sob o eixo da integralidade. Cad. Saúde Pública 2004; 20(5):1400-1410.

Portes LH, Caldas MAJ, Paula LT de , Freitas MS.. Atuação do fisioterapeuta na Atenção Básica à Saúde: uma revisão da literatura brasileira. Rev. APS 2011; 14(1):111-119.

Souza TS de, Saldanha JHS, Mello IM. As relações de trabalho dos fisioterapeutas na cidade de Salvador, Bahia. Saúde Soc 2014; 23 (4):1301-1315.

Baena CP, Soares MCF. Subsídios reunidos junto à equipe de saúde para a inserção da Fisioterapia na Estratégia Saúde da Família. Fisioter Mov 2012; 25(2):419-31.

Oliveira G de, Andrade ES, Santos ML dos, Matos GSR. Conhecimento da Equipe de Saúde da família acerca da atuação do fisioterapeuta na atenção básica. Rev Bras Promoç Saúde 2011; 24 (4):332-339.

Santana LS, Gallo RBS, Marcolin AC. Avaliação da intensidade da dor na fase ativa do trabalho de parto em primigestas. Rev Dor 2010; 11(3):214-7.

Braz MM, Santos SBA dos, Pivetta HMF. Qualidade de vida em diabéticos e hipertensos: estudo de casos em abordagem fisioterapêutica. Cinergis 2014; 15(1):24-29.

Loures LF, Silva MCS. A interface entre o trabalho do agente comunitário de saúde e do fisioterapeuta na atenção básica à saúde. Ciênc. saúde coletiva 2010; 15(4):2155-2164.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-224

Refbacks

  • There are currently no refbacks.