Experimentação Matemática: Um estudo sobre Probabilidades / Mathematical Experimentation: A Study in Probabilities

Isabela Souza, Gleison Guardia

Abstract


A probabilidade pode ser vista como um dos assuntos mais instigantes a se aprender. Por meio dela podemos entender com uma determinada situação poderá acontecer. Assim ela permite que possamos prever algum acontecimento, como também explicar a ocorrência de fenômenos inusitados. Aliada a estatística como avanço da tecnologia, hoje ela é bem difundida e suas aplicações são diversas; seja no estudo do clima, previsões do mercado financeiro, estimativa de produção de grãos e ou custos na fabricação de peças. A probabilidade e a estatística aliadas, tornaram-se a maneira moderna e tecnológica de obtermos um breve vislumbre do futuro. Como as definições formais demonstram, a probabilidade é a perspectiva de que algo venha a ocorrer, uma possibilidade, uma chance do seu acontecimento. A probabilidade pode ser encontrada em diferentes formas no nosso cotidiano, como no lançamento de uma moeda, jogos de futebol, jogos de azar, como os dados, retirar bolas coloridas de dentro de uma caixa, etc. São inúmeras as situações em que a probabilidade se apresenta no nosso dia-a-dia. Na maioria das vezes quando estudamos probabilidade, aprendemos o conceito teórico e exemplos apresentados pelos autores. Pouco se dedica ao estudo na prática real, com experimentos em ambientes controlados ou aleatórios e seu confronto com a literatura. Sempre se testam hipóteses utilizando como dados os espaços amostrais matemáticos, apresentados como possibilidades. Portanto, a proposta desse trabalho é apresentar um estudo real feito em laboratório com controle de variáveis e seu contraste com o espaço amostral matemático, permitindo a compreensão entre os fenômenos obtidos e os esperados. Com a realização do projeto relatado por esse artigo, podemos verificar fatores importantes como a manipulação do experimento ou sorteio, a interferência na construção de objetos utilizados para realizar jogos e como uma pessoa habilidosa pode tornar a aleatoriedade ao seu favor, tendo controle sobre os arremessos e lançamentos de moedas e dados, fazendo sentido ao emprego do termo “jogos de azar”.

 


Keywords


Matemática, Experimentação, Ensino, Estatística.

References


BROWNE, Malcom. Probabilidade. 1998. Disponível em: Acesso em: 08/07/2018.

BUSSAB. Wilton de Oliveira e MORETTIN, Pedro Alberto. Estatística Básica. 8ª edição. São Paulo. Saraiva. 2016

DANTE, L. R. Matemática. São Paulo: Ática, 2008.

IEZZI, G.; DOLCE, O.; DEGENSZAJN, D.; e PÉRIGO, R. Matemática. São Paulo: Atual, 2002.

G. Guardia, N. B. do Nascimento. Arithmetic Sequence with multiple Reasons. American Journal of Engineering Research (AJER). Volume 7. Issue 5 2018. 370-376. Disponível:< http://www.ajer.org/papers/Vol-7-issue-5/ZS0705370376.pdf> Acesso em:08/06/2018.

MAGALHÃES, Marcos Nascimento e LIMA, Antônio Carlos Pedroso de. Noções de Probabilidade e Estatística. 7ª Edição. São Paulo. Editora da Universidade de São Paulo. 2015.

MARTINS, Gilberto de Andrade e DOMINGUES, Osmar. Estatística Geral e Aplicada. 5ª edição. São Paulo. Atlas. 2014.

MLODINOW, Leonard. O Andar do Bêbado: Como o acaso determina nossas vidas. Editora Geográfica, em julho de 2009.

POMPLONA, Vitor. Interpretação de Textos e Probabilidade. 2008. Site. Disponível em: Acesso em: 08/07/2018.

ROLLA, Leonardo. Introdução à Probabilidade. 2018. Disponível em: Acesso em: 08/07/2018.

SANTOY, Marcus. Os Mistérios dos Números. Tradução: George Schlesinger. Rio de Janeiro. Zahar Editora. 2013. 226p.

SOUZA, Joamir Roberto de. #Contato Matemática. Volume 2, 1ª edição, São Paulo-SP. FTD, 2016. 399p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-223

Refbacks

  • There are currently no refbacks.