Análise do controle do vetor da dengue no distrito administrativo da Sacramenta em Belém do Pará / Analysis of dengue's vector control in the administrative district of Sacramenta in Belém do Pará

Antônia Doraci Guedes Alves, Cléber Silva e Silva, Simone de Fátima Pinheiro Pereira, Milene Pereira Mendes, Lilian Natália Ferreira de Lima, Sady Salomão da Silva Alves, Sadi Brito Alves, Duílio da Silva Batista

Abstract


O presente estudo apresenta uma análise do controle do vetor da dengue no Distrito Administrativo da Sacramenta (DASAC). Neste sentido, o objetivo principal consistiu na realização de um estudo sobre a eficácia das ações de combate ao vetor da dengue no DASAC, baseado nas informações geradas pelos Levantamentos Rápidos de índices (LIRAa) dos meses janeiro, março e maio de 2017, tendo como objetivos específicos: demonstrar os índices de infestação predial, índices de Breteau e tipos de criadouros predominantes; Identificar os possíveis fatores que influenciaram no comportamento dos índices revelados nos três LIRAa(s) e descrever as principais atividades desenvolvidas junto à comunidade nas ações pós - LIRAa.  A pesquisa foi realizada através de levantamento bibliográfico, documental e mediante análise reflexiva acerca das informações fornecidas pelos relatórios demonstrativos dos períodos mencionados. Dessa forma são apresentadas reflexões relacionadas à distribuição do Aedes Aegypti no DASAC, aos tipos de criadouros predominantes, possíveis fatores que influenciaram no comportamento dos índices de infestação e principais estratégias adotadas pelo DASAC após os resultados do LIRAa. Pode-se afirmar que a pesquisa revela um certo descompromisso da comunidade com às medidas de controle do vetor da dengue, sinaliza também à necessidade de firmar parcerias com outros setores da saúde e fora da saúde. Além disso, evidencia a urgência de uma formação continuada para os Agentes de Combate às Endemias (ACE). Sendo assim, apresenta reflexões e sugestões que poderão contribuir para minimizar os desafios enfrentados atualmente nas atividades educativas de combate ao vetor da dengue no DASAC.


Keywords


Dengue. Controle vetorial. Educação Popular em Saúde. Participação Popular

References


AMARAL, Maria Carmélia Sales do; PONTES, Andrezza Graziella Veríssimo; SILVA, Jennifer do Vale e. O ensino de Educação Popular em Saúde para o SUS: experiência de articulação entre graduandos de enfermagem e Agentes Comunitários de Saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v.18, p. 1547-1557.2014. Suplemento 2. Disponível em: < http://interface.org.br/wp-content/uploads/2015/02/v-18-supl-2-2014.pdf >. Acesso em: 01 maio 2019.

BASTOS, Grace. Prevenção e controle a incidência de infestação de doenças endêmicas e vetoriais. Ladário, 2016. Disponível em: Acesso em: 04 jul. 2019.

BELÈM. Companhia de Tecnologia da Informação de Belém. CINBESA. Disponível em: . Acesso em: 10 de jun. 2018.

BELÉM. Secretaria Municipal de Saúde. Plano municipal de saúde de belém 2014-2017. [2014?]. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2019.

BELÉM. Secretaria Municipal de Saúde. Departamento de Vigilância à Saúde. Divisão de Controle de Endemias. Seção de Entomologia. Relatório LIRAa - 1º Ciclo. Belém: SESMA, jan. 2017.

BELÉM. Secretaria Municipal de Saúde. Departamento de Vigilância à Saúde. Divisão de Controle de Endemias. Seção de Entomologia. Relatório LIRAa - 2º Ciclo. Belém: SESMA, mar. 2017.

BELÉM. Secretaria Municipal de Saúde. Departamento de Vigilância à Saúde. Divisão de Controle de Endemias. Seção de Entomologia. Relatório LIRAa - 3º Ciclo. Belém: SESMA, maio. 2017.

BOHM, A.W.; COSTA, C.S.; NEVES, R.G.; FLORES, T.R.; NUNES, B.P. Tendência da incidência de dengue no Brasil, 2002-2012. Rev. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 25, n.4, out./dez. 2016. p. 725-733. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v25n4/2237-9622-ress-25-04-00725.pdf>. Acesso em: 14 ago. 2019.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 20 set. 1990. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2019.

BRASIL. Lei nº 11.350, de 05 de outubro de 2006. Regulamenta o § 5º do art. 198 da Constituição, dispõe sobre o aproveitamento de pessoal amparado pelo parágrafo único do art. 2º da Emenda Constitucional nº 51, de 14 de fevereiro de 2006, e dá outras providências. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 06 out. 2006. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2019.

BRASIL. Lei 13.595, 05 de janeiro de 2018. Altera a Lei nº 11.350, de 5 de outubro de 2006, para dispor sobre a reformulação das atribuições, a jornada e as condições de trabalho, o grau de formação profissional, os cursos de formação técnica e continuada e a indenização de transporte dos profissionais Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 18 abr. 2018. nº 74. Seção 1, p. 3. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2018/Lei/L13595.htm >. Acesso em: 20 dez. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.761, de 19 de novembro de 2013. Institui a Política Nacional de Educação Popular em Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (PNEPS-SUS). Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.271, de 6 de junho de 2014. Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional, nos termos do anexo, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 18 jul.2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.025, de 21 de julho de 2015. Define o quantitativo máximo de Agentes de Combate às Endemias (ACE) passível de contratação com o auxílio da Assistência Financeira Complementar (AFC) da União, de acordo com os parâmetros e diretrizes estabelecidos no art. 2º do Decreto nº 8.474, de 22 de junho de 2015. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2015/prt1025_21_07_2015.html >. Acesso em: 01 maio 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.194, de 28 de novembro de 2017. Dispõe sobre o Programa para o Fortalecimento das Práticas de Educação Permanente em Saúde no Sistema Único de Saú- de - PRO EPS-SUS. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt3194_30_11_2017.html >. Acesso em: 01 maio 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Diretrizes nacionais para prevenção e controle de epidemias de dengue. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Levantamento Rápido de Índices para Aedes Aegypti (LIRA a) para vigilância entomológica do Aedes aegypti no Brasil: metodologia para avaliação dos índices de Breteau e Predial e tipo de recipientes. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

CORRÊA, Jéssica Ariana de Jesus; COSTA, Antônio Carlos Lôla da; PEREIRA, Izaura Cristina Nunes. Associação entre a precipitação pluviométrica e a incidência de dengue em sete municípios do Estado do Pará. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 9, n. 7, p. 2264-2276. 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2019.

EVANGELISTA, Janete Gonçalves; FLISCH, Tácia Maria Pereira; PIMENTA, Denise Nacif. A formação dos agentes de combate às endemias no contexto da dengue: análise documental das políticas de saúde. Reciis – Revista Eletronica de Comunicação e Informação & Inovação em Saúde, v.11, n.1, jan./mar. 2017. Disponível em: .Acessoem:

jun. 2019.

FERREIRA JUNIOR, A.R.; TORRES, A.R.A.; SILVA, C.M.A. Condições laborais dos agentes de combate a endemias e seus efeitos à saúde. Essentia, v.16, p.77-95, 2015.

FREIRE, Paulo. Educação como Prática da liberdade. 1ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

GONÇALVES, Ronaldo Pinheiro et al. Contribuições recentes sobre conhecimentos, atitudes e práticas da população brasileira acerca da dengue. Saúde Soc, São Paulo, v.24, n.2, p. 578-593, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v24n2/0104-1290-sausoc-24-02-00578.pdf>. Acesso em: 14 ago. 2019.

ROSA, Gabriel Pompeu et al. Distribuição espacial da dengue em Belém do Pará, no período de 2015 a 2016.In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 19. 2019, São Paulo. Anais…São Paulo: INPE, 2019. p. 1651-1654. Disponível em:< file:///C:/Users/57194227/Downloads/galoa-proceedings--SBSR%202019--96379.pdf >. Acesso em: 10 set. 2019.

SILVA, Rafael Gonçalves de Santana e.; BONETTI, Osvaldo Peralta. A política nacional de educação popular em saúde (PNEP-SUS) na formação de trabalhadores e trabalhadoras rurais.In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAÚDE E AMBIENTE –DESENVOLVIMENTO, CONFLITOS TERRITORIAIS E SAÚDE: ciência e movimentos sociais para a justiça ambiental nas politicas públicas. 2., 2014, Belo Horizonte.Anais... Belo Horizonte: MINASCENTRO, 2014. Disponível em:. Acesso em: 10 jun. 2019.

TORRES, Raquel. Agente de Combate a Endemias. Revista Poli – saúde, educação e trabalho, v. 1, n.3, jan./fev. 2009. Disponível em: . Acesso 24 jun. 2019.

VASCONCELOS, Eymard Mourão; VASCONCELOS, Marcos Oliveira Dias; SILVA, Marísia Oliveira da. A contribuição da educação popular para a reorientação das práticas e da política de saúde no Brasil. Revista da FAEEBA-Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 24, n. 43, p. 89-106, jan./jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

VASCONCELOS, Rodrigo Silveira; KOVALESKI, Douglas Francisco; TESSER JUNIOR, Zeno Carlos. Doenças negligenciadas: revisão da literatura sobre as intervenções propostas. Saúde & Transformação Social, Florianópolis, v. 6, n. 2, p. 114 -131. 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 jun.2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-222

Refbacks

  • There are currently no refbacks.