O impacto da indústria 4.0 na ergonomia dos trabalhadores do setor automobilístico / The impact of industry 4.0 on the ergonomics of workers in the automotive sector

Ana Carolina Russo, Andressa Patricio Andretta, Mateus Pires de Oliveira Luna, Matheus de Sousa Garcia, Rafaela Montes Barbosa, Vinícius Pinto de Carvalho

Abstract


problemas de saúde causadas pela função exercida no ambiente de trabalho. Com a chegada da quarta revolução industrial e a Indústria 4.0, novas técnicas e equipamentos ergonômicos foram introduzidos no ambiente fabril, com o objetivo de melhorar as condições laborais. Este artigo tem como objetivo estudar a aplicação de um desses dispositivos na indústria automobilística, o exoesqueleto. Este consiste em um traje robótico que permite maior agilidade, maior conforto e a utilização de menos esforço na jornada de trabalho, possibilitando uma fusão entre a flexibilidade humana e uma maior potência fornecida pelo robô. Em um dos estudos analisados, é possível perceber que, de modo geral, a aplicação da ferramenta retorna bons resultados, como uma redução de 43% na utilização dos músculos eretores da coluna. Porém, quando levado em conta apenas a opinião dos operadores, mostra-se que a adaptação não é unânime. Por outro lado, a implantação do exoesqueleto na Fábrica da Fiat em Betim-MG, pioneira na América Latina, gerou resultados positivos, como diminuição de dores lombares e rápida adaptação ao equipamento por parte do trabalhador.

 

 


Keywords


Indústria 4.0, Exoesqueleto, Esforço, Ergonomia.

References


CORRÊA, V; BOLETTI, R. Ergonomia: Fundamentos e Aplicações. 1ª ed. Bookman Editora, março de 2015.

LEITE, J. Exoesqueleto melhora a vida dos operários da Fiat. Uol, O Mundo em Movimento, 2018. Disponível em: . Acesso em: 08/09/2020.

MATHIOLA, L. Indústria 4.0: um constructo teórico no setor automotivo. Universidade Federal de Santa Catarina, 2017. Disponível em: . Acesso em: 06/09/2020.

MATOS, P. Contribuição da ergonomia para redução do índice de absenteísmo em empresa automotiva: estudo de caso. Curitiba, 2014. Disponível em: . Acesso em: 06/09/2020.

SCHNEIDER, D. Mais ergonomia e menos esforço na fábrica com a chegada do exoesqueleto. PROJETO DRAFT, 2018. Disponível em: . Acesso em: 02/09/2020.

SILVA, C. Em fábrica da Fiat, operários e exoesqueletos. O Estado de S. Paulo, 2018. Disponível em: . Acesso em: 02/09/2020.

SILVA, F; SANTOS, R; MOURA, R. Ergonomia 4.0 como solução para o absenteísmo e para prevenção de lesões por esforços repetitivos e distúrbios ósteomoleculares no trabalho. Faculdade de Tecnologia de São José dos Campos, 2018. Disponível em: . Acesso em: 18/08/2020.

SOARES JÚNIOR, G; GONÇALVES, R; CARVALHO, J. Exoesqueleto para movimentação/reabilitação de deficientes físicos. Universidade Federal de Uberlândia, 2014. Disponível em: . Acesso em: 02/09/2020.

SPADA, S.; et al. Investigation into the applicability of a passive upper-limb exoskeleton in automotive industry. Procedia Manufacturing. Modena, Itália, 2017. Disponível em: . Acesso em: 18/08/2020.

VALEMEDE, L; DE LIMA, M. Estudo da gestão ergonômica do trabalho no setor de acabamentos de uma linha de montagem na indústria automobilística. Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2018. Disponível em: . Acesso em: 06/09/2020.

WENKE, R; et al. Análises Quantitativas de um Exoesqueleto para Membros Superiores – Primeiras Impressões. Ponta Grossa, 2018. Disponível em: . Acesso em: 02/09/2020.

WESSLÉN, J. Exoskeleton Exploration - Research, development, and applicability of industrial exoskeletons in the automotive industry. Jönköping University, School of Engineering, JTH, Industrial Engineering and Management, 52f, 2018. Disponível em . Acesso em: 06/09/2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-189

Refbacks

  • There are currently no refbacks.