Ansiedade de pacientes infantis e seus pais em sala de espera de clínica odontológica / Anxiety of the infant patients and their parents in the dental clinic waiting room

Caroline Souto Vencato, Danielle Karla Paiva Férrer, Maria da Glória Almeida Martins, Grace Sampaio Teles da Rocha, Paula Borges Jacques

Abstract


O objetivo do atual estudo foi avaliar e comparar a ansiedade prévia ao tratamento odontológico de crianças e seus responsáveis. Estudo observacional, transversal, quantitativo e descritivo avaliou a ansiedade por meio de uma escala e de um teste de aplicação de figuras em 40 crianças de ambos os sexos de quatro a doze anos de idade e seus respectivos responsáveis, na sala de espera de uma Clínica Odontológica Infantil em 2015, com nível de significância de 5%. Sobre o grau de ansiedade das crianças e a de seus responsáveis, encontrou-se a maioria (n=15; 37,5%) das crianças relacionando o seu sentimento à “feliz”, embora a maioria (n=14; 35%) dos responsáveis tenha apontado o grau “ansiedade moderada”. Não foi constatado a influência da ansiedade dos responsáveis com ansiedade da criança. Conclui-se que as crianças investigadas estavam felizes antes da consulta odontológica, cuja ansiedade de suas mães não teve relação significante, embora tenha sido observada relação numérica.

 

 


Keywords


Ansiedade, Assistência Odontológica para Crianças, Escala de Ansiedade Manifesta.

References


Góes MPS, Domingues MC, Couto GBL, Barreira AK. Ansiedade, medo e sinais vitais dos pacientes infantis. Odontol Clín cient 2010; 9(1):39-44.

Chaves AM, Loffredo LCM, Valsecki-Júnior A, Chavez OM, Campos JADB. Estudo epidemiológico da ansiedade dos pacientes ao tratamento odontológico. Rev Odontol UNESP 2006; 35(4):263-68.

Ferreira CM, Gurgel-Filho ED, Valverde GB, Moura EH, Deus G, Coutinho-Filho T. Ansiedade odontológica: nível, prevalência e comportamento. Rev Bras Promoç Saúde 2004;17(1):51-5.

Locker D. Psychosocial consequences of dental fear and anxiety. Community Dent Oral Epidemiol 2003; 31(2):144-51.

Singh KA, Moraes ABA, Ambrosano GMB. Medo, ansiedade e controle relacionados ao tratamento odontológico. Pesq Odont Bras 2000;14(2):131-136

Ramos-Jorge ML, Cardoso M, Marques LS, Bosco VL, Rocha MJC. Associação entre experiência odontológica na infância e ansiedade odontológica na adolescência. Arq odontol 2004; 40(4):291-301.

Rosa AL, Ferreira CM. Ansiedade odontológica: nível de ansiedade, prevalência e comportamento dos indivíduos ansiosos. Rev Bras Odontol 1997; 54(3):171-4.

Udoye CI, Oginni AO, Oginni FO. Dental anxiety among patients undergoing various dental treatments in a Nigerian teaching hospital. J Contemp Dent Pract 2005; 6(2):91-98.

Pereira LHMC, Ramos DLP, Crosato E. Ansiedade e dor em odontologia - Enfoque psicofisiopatológico. Rev Assoc Paul Cir Dent 1995; 49(4):285-90.

Bowling, A. Mode of questionnaire administration can have serious effects on data quality. J Public Health 2005; 27(3):281-91.

Hu LW, Gorenstein C, Fuentes D. Portuguese version of Corah’s Dental Anxiety Scale: transcultural adaptation and reliability analysis. Depress Anxiety 2007; 24(7):467-71.

Ramos-Jorge ML, Pordeus IA. Por que e como medir a ansiedade infantil no ambiente odontológico. Apresentação do teste VPT modificado. JBP Rev Ibero-am odontopediatr odontol bebê 2004; 7(37): 282-90.

Questionário Socioeconômico INEP [documento on line]. Brasil. Disponível em URL: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/encceja/questionario_socioeconomico/2013/questionario_socioeconomico_encceja_2013.pdf; 10/03/2014.

Corah NL. Development of a dental anxiety scale. J Dent Res. 1969; 48(4): 596.

ABIPEME Associação Brasileira dos Institutos de Pesquisa de Mercado - Proposição para um novo critério de classificação socioeconômica, 1978. Mímeo. São Paulo, 1978. 15p.

Doerr PA, Lang WP, Nyquist LV, Ronis DL. Factors associated with dental anxiety. J Am Dent Assoc 1998;129:1111-1119.

Kaakko T, Getz T, Martin MD. Dental anxiety among new patients attending a dental school emergency clinic. J Dent Educ1999;63:748-52.

Oliveira MF, Moraes MVM, Evaristo PCS. Avaliação da Ansiedade dos Pais e Crianças frente ao Tratamento Odontológico. Pesq Bras Odontop Clin Integr 2012;12(4):483-489.

Reis F, Dias MR, Leal I. A consulta no setting odontopediátrico: A percepção subjectiva do medo. Anal Psicol 2008; 26(2): 239-50.

Kanegane K, Penha SS, Borsatti MA, Rocha RG. Ansiedade ao tratamento odontológico no atendimento de rotina. RGO Rev Gauch Odontol 2006; 54(2):111-114.

Monte CI, Dalcico R, Dias AA, Meneses NE, Almeida IJ, Tinoco MGDRR, Fontineles CFF. Uso de métodos para controle do medo e da ansiedade odontológicos por cirurgiões-dentistas da cidade de Fortaleza. Braz J of Develop 2020; 6 (8): 56894-56916.

Marcano AA, Figueredo AM, Orozco G. Evaluación de la ansiedade y miedo em niños escolares em la consulta odontopediátrica. Revista latino-americana de odontopediatria. 2012. 2(2):65-71.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-161

Refbacks

  • There are currently no refbacks.