Análise de registros sobre aleitamento materno na Amazônia paraense / Analysis of records on breastfeeding in the Amazon region of Pará

Ana Luise De Aguiar Alves, Leonice Ferreira dos Reis, Adriana Paiva Camargo Saraiva

Abstract


Introdução: O aleitamento materno exclusivo nos primeiros seis meses de vida é um dos pilares fundamentais na prevenção, promoção e proteção da saúde da mãe e do bebê. O trabalho dos profissionais de Enfermagem é de suma importância para auxiliar no aleitamento materno e evitar o desmame precoce. Objetivo: Analisar os índices do Sistema de Informação de Atenção Básica sobre aleitamento materno na Amazônia Paraense, nos anos de 2010 e 2015, quanto ao tipo de aleitamento que os lactentes receberam e fatores associados. Material e método: Trata-se de um estudo transversal, analítico descritivo, com ênfase no aleitamento materno de crianças residentes nas regiões de saúde do Estado do Pará. O levantamento de dados foi realizado no Sistema de Informação de Atenção Básica (SIAB), do mês de dezembro dos anos de 2010 e 2015. Foram analisados os dados referentes aos lactentes de 0 a 4 meses, pois não havia registros de 0 a 6 meses. Resultados: Nos anos de 2010 e 2015, o total de crianças amamentadas exclusivamente com o leite materno no Estado do Pará foi de 80% e 81,5%, respectivamente. Os melhores resultados foram observados na Região Metropolitana I e Tocantins. Foi observada uma redução do número de crianças avaliadas, sendo 23.118 no ano de 2010 e 8.306 em 2015, demonstrando possíveis falhas de notificação. Outro fator analisado foi a desnutrição, sendo que oito regiões apresentaram uma diminuição em crianças menores de um ano, podendo ser fruto do aleitamento materno exclusivo. Conclusão: Com base nos resultados, há regiões de saúde da Amazônia Paraense que apresenta bons índices do aleitamento materno, contudo, os dados disponíveis excluem as crianças de 5 e 6 meses, dificultando a análise do período de aleitamento materno exclusivo recomendado pela Organização Mundial de Saúde; e a redução das crianças acompanhadas sugere uma subnotificação. Desta forma, atividades de educação em saúde que visem disseminar a importância do aleitamento materno até os 2 anos de idade, sendo exclusivo de 0 a 6 meses, devem ser incentivadas, assim como seus registros devem ser realizados para acompanhamento epidemiológico.


Keywords


Aleitamento materno. Amazônia. Pará. Enfermagem.

References


ALMEIDA, J. M.; LUZ, S. A. B.; UED, V. F. Apoio ao aleitamento materno pelos profissionais de saúde: revisão integrativa da literatura. Revista Paulista de Pediatria. v. 33; n. 3; p. 355-362, 2014.

ARAÚJO, M. F. M.; FERREIRA, A. B.; GONDIM, K. M.; CHAVES, E. S. A prevalência de diarréia em crianças não amamentadas ou com amamentação por tempo inferior a seis meses. Ciência, Cuidado e Saúde. v. 6, n.1, p. 76-84, 2007.

RODRIGUES, C. M.; BARROSO H. H.; VIEIRA A. C. C; CONCEIÇÃO M. A.; SANTOS J. N. NUNES A. N. Amamentação exclusiva e seus fatores condicionantes no Vale do Jequitinhonha e Mucuri. Brazilian Journal of Development. v.6, n.11,p. 91906-91919, 2020.

BELÉM. Pará tem ações pela Semana Mundial de Aleitamento Materno. 2017. Disponível em: https://g1.globo.com/pa/para/noticia/para-tem-acoes-pela-semana-mundial-de-aleitamento-materno.ghtml. Acesso em 30 de Março de 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar– Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009. 112 p. : il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica, n. 23)

BRASIL. Ministério da Saúde. Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no Sistema Único de Saúde: manual de implementação, Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2015a. 152 p. : il.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: aleitamento materno e alimentação complementar. – 2. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2015b. 184 p. : il. – (Cadernos de Atenção Básica, n. 23).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Bases para a discussão da Política Nacional de Promoção, Proteção e Apoio ao Aleitamento Materno.– Brasília: Ministério da Saúde, 2017.68 p. : il.

CARRENO, I.; MORESCHI, C.; MARINA, B.; HENDGES, D. J. B.; REMPEL, C.; OLIVEIRA, M. M. C. Análise da utilização das informações do Sistema de Informação de Atenção Básica (SIAB): uma revisão integrativa. Ciência & Saúde Coletiva. v, 20, n. 3, p. 947-956, 2015.

FERREIRA E. S., SILVA C. V., RIBEIRO C. A. Desmame precoce: motivos e condutas alimentares adotadas pelas mães de crianças atendidas na consulta de enfermagem, no Centro Assistencial Cruz de Malta. Revista da Sociedade Brasileira de Enfermeiros Pediatras. v. 1 n. 1, p. 41-50, 2001.

GIUGLIANI E. R. J. O aleitamento materno na prática clínica. Jornal de Pediatria, v. 76, Supl 3, p. S238-S252, 2000.

GOVERNO DO BRASIL, 2011. Amamentação traz benefícios para a mãe e o bebê. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/noticias/saude/2011/10/amamentacao-traz-beneficios-para-a-mae-e-o-bebe. Acesso em: 07 de Abril de 2019.

GOVERNO DO BRASIL, 2011. Índice de Aleitamento Materno Exclusivo (AME) de crianças com menos de quatro meses cresceu para 52%. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/noticias/saude/2011/10/amamentacao-traz-beneficios-para-a-mae-e-o-bebe. Acesso em: 01 de Abril de 2019.

IBGE. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2015 / IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento - Rio de Janeiro : IBGE, 2016.108p.

MIGLIOLI, T. C.; FONSECA, V. M.; JUNIOR, S. C. G.; SILVA, K. S.; LIRA, P. I. C; FILHO, M. B. Fatores associados ao estado nutricional de crianças menores de cinco anos. Revista Saúde Pública. v. 49, n. 59, p. 1-7, 2015.

PINHEIRO, C. Amamentação: Unicef indica que, quanto mais rico o país, menor a taxa de amamentação. bebê.com.br. 2019. Disponível em: . Acesso em: 29 de Março de 2019.

PREFEITURA DE BELÉM. Sesma promove encerramento da Semana Mundial da Amamentação. Disponível em: . Acesso em: 27 de Março de 2019.

VICTORA, C. G.; BARROS, A. J. D.; FRANÇA, G. V. A.; BAHL, R.; ROLLINS, N. C.; HORTON, S.; KRASEVEC, J.; MURCH, S.; SANKAR, M. J.; WALKER, N. Amamentação no século 21: epidemiologia, mecanismos, e efeitos ao longo da vida. Epidemiol Serv Saude, Brasília, p. 1-24, 2016.

ROLLINS, N. C.; LUTTER, C. K.; BHANDARI, N.; HAJEEBHOY, N. ; HORTON, S. ; MARTINES, J. C. ; PIWOZ, E. G. ; RICHTER, L. M. ; VICTORA, C. G. Por que investir e o que será necessário para melhorar as práticas de amamentação? Epidemiol Serv Saude, Brasília, p.25-44, 2016.

SANTA CASA DO PARÁ. Banco de leite. Disponível em: http://santacasa.pa.gov.br/programas/banco-de-leite/. Acesso em 30 de Março de 2019.

SILVA, I.A. Reflexões sobre a prática do aleitamento materno. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v.30, n.1, p.58-72, 1996.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-152

Refbacks

  • There are currently no refbacks.