Análise Biomecânica da operação de corte florestal em áreas de floresta tropical, Mato Grosso, Brasil / Biomechanical analysis of the forest cutting operation in tropical forest areas, Thick Brushwood, Brazil

Denise Ransolin Soranso, Luciano José Minette, Amaury de Paulo Souza, Glícia Silvania Pedroso Nascimento, Roldão Carlos Andrade Lima, Wanderson Lyrio Bermudes, Marlice Paes Leme

Abstract


O objetivo deste trabalho foi realizar a análise biomecânica da operação de corte florestal semimecanizado em áreas de floresta tropical no Norte do Estado de Mato Grosso, Brasil. Para a avaliação das posturas, foram obtidas imagens das posturas típicas adotadas pelos trabalhadores no momento da derrubada, desgalhamento e toragem das árvores, as quais foram processadas por meio do software 3D Static Strength Prediction Program, um modelo Biomecânico de Predição de Esforço Estático Tridimensional, desenvolvido pela Universidade de Michigan. A partir dos resultados foi possível identificar que a operação de corte florestal proporcionou alto risco para o desenvolvimento de distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho e danos a coluna vertebral, indicando a necessidade de adoção de medidas ergonômicas imediatas no trabalho.


Keywords


Risco Ergonômico, Saúde do Trabalhador, Atividades Florestais, Análise de Posturas, Ergonomia Florestal.

References


Barbosa, R.P., Fiedler, N. C., Carmo, F.C.A., Minette, L.J. e Silva, E.N., 2014. “Análise de posturas na colheita florestal semimecanizada em áreas declivosas’’.Revista Árvore, Viçosa-MG, v.38, n.4, p.733-738.

BOVENZI, M.; ZADINI, A.; FRANZINELLI, A.; BORGOGNI, F. 1991. Occupational musculoskeletal disorders in the neck and upper limbs of forestry workers exposed to hand-arm vibration. Journal Ergonomics, [S.l.], v. 34, n. 5, p. 547-562.

Enez, F.; Topbas, M.; e Acar, H.H.,2014.“An evaluation of the occupational accidents among logging workers within the boundaries of Trabzon Forestry Directorate, Turkey”. International Journal of Industrial Ergonomics, [S.l.], v.44, n. 5, p. 621-628.

IIDA I. 2005. Ergonomia: projeto e produção. 2.ed. São Paulo: Edgard Blücher, 632 p.

MASCARENHAS, A. L. M; FERNANDES, R. C. P. 2014. Aptidão física e trabalho físico pesado: como interagem para a ocorrência de distúrbio musculoesquelético?. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, n. 10, p. 2187-2198.

Malinovski, R.A.; Malinovski, R.A.; Malinovski, J.R.; Yamaji, F.M.,2006. “Análise das variáveis de influência na produtividade das máquinas de colheita de madeira em função das características físicas do terreno, do povoamento e do planejamento operacional florestal”. Floresta, v. 36, n. 2, p. 169-182.

Rêgo, L.J.S., Marzano,F.L.C., Reis, L.P., Mazzei, L., Reis, P.C.M.R., Silva, M.L., Souza, A.P., 2017. “Avaliação biomecânica das atividades de corte de madeira semimecanizado na Amazônia”. Espacios, Vol. 38 (Nº 19),Pág. 22.

Schettino, S.; Campos, J.C.C.; Minette, L.J.; Souza, A.P. 2017. “Work precariousness: ergonomic risks to operators of machines adapted for forest harvesting”. Revista Árvore, v. 41, n. 1, p. 1-9.

Schettino, S.; Silva, D.D., Oliveira, N.A. Figueiredo, J.B., Minette, L.J. Soranso, D.R. 2020. “Avaliação ergonômica da atividade de derrubada com motosserra em áreas do bioma cerrado”. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n.6, p.37177-37190.

Serviço Florestal do Brasil – SFB. Florestas do Brasil em resumo – 2019: dados de 2013 – 2018. Ministério do Meio Ambiente: Serviço Florestal Brasileiro. Brasília.

University of Michigan. 2014. 3D static strenght prediction program, version 5.0.3 – user’s manual. Michigan: Universidade de Michigan, Centro de Ergonomia, 81 p.

Wandycz, A.;Tomczak, A.; Jelonek, T. 2016. “The prevalence of self-reported musculoskeletal symptoms among loggers in Poland”. International Journal of Industrial Ergonomics, [S.l.], v. 52, p. 12-17.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-137

Refbacks

  • There are currently no refbacks.