Estudo com egressos da Iniciação Científica no Ensino Médio - BIC Jr UEMG: desdobramentos sobre as escolhas profissionais e de carreira / Study with graduates from Scientific Initiation in High School - BIC Jr UEMG: developments on professional and career choices

Shirley de Lima Ferreira Arantes, Diego Alves Simão, Bruno Otávio Arantes

Abstract


A Iniciação Científica Júnior (ICJ) é uma política de educação científica de jovens matriculados na educação básica, que oportuniza o acesso a conhecimentos científicos e tecnológicos e a socialização com pesquisadores qualificados e estudantes universitários. Esses aspectos, dentre outros, podem repercutir sobre dimensões formativas pouco investidas no ensino médio regular, como as escolhas profissionais e de carreira dos jovens, objeto do presente estudo. Foi aplicado questionário eletrônico com questões abertas e fechadas a 30 jovens que participaram do BIC JR da UEMG. A análise exploratória e descritiva dos resultados permite evidenciar o perfil dos egressos: todos concluíram o ensino médio; 73,1% estão cursando a graduação; 6,6% já concluíram um curso de graduação; 6,6% estão matriculados em cursos de pós-graduação. Em relação aos desdobramentos da ICJ nas trajetórias os egressos consideram que: i) a participação na ICJ possibilita a aquisição de conhecimentos não ensinados no Ensino Médio (96,6%); ii) a ICJ é muito importante para o percurso formativo (56,6%); iii) a ICJ influencia, mas não determina, as escolhas profissionais e de carreira (53,3%); iv) estariam na mesma profissão e carreira em que se encontram atualmente caso não tivessem participado da iniciação científica (83,3%). Conclui-se que é possível inferir contribuições relevantes da ICJ para a conclusão do ensino médio e escolarização prolongada no ensino superior, explicitando que a ICJ opera enquanto fator contributivo das escolhas profissionais e de carreira, mas não determinante. Esses resultados evidenciam a importância da ampliação do acesso de jovens a essa modalidade educacional.


Keywords


Iniciação Científica no Ensino Médio, Escolhas de Carreira, Educação Superior, Universidade do Estado de Minas Gerais.

References


ARANTES, S. L. F.. Iniciação Científica no Ensino Médio: a educação científica e as disposições sociais de jovens dos segmentos desfavorecidos. 2015. 252f. Tese (Doutorado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social) – Instituto de Psicologia, UFRJ, Rio de Janeiro, 2015.

ARANTES, S. L. F.; PERES, S. O. Iniciação Científica no Novo ensino Médio: desafios para a superação de antigos problemas. In: MUCH, L. N.; CENTA, F. G.; KRÜGER, K. (Orgs.). Novo Ensino Médio: desafios administrativos, estruturais e pedagógicos para sua implementação. Rio de Janeiro: Libroe, 2020. https://doi.org/10.35417/978-65-991247-2-3_99

ARANTES, S. L. F.; PERES, S. O. Programas de iniciação científica para o ensino médio no Brasil: educação científica e inclusão social. Pesquisas e Práticas Psicossociais, v. 10, n.1, São João del-Rei, jan./jun. 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-89082015000100004.

ARANTES, S. L. F.; PERES, S. O. O passaporte de Lorrayne: juventudes, pobreza e o acesso à educação científica. In: SILVA, K; ARANTES, S. L. F.; MIRANDA, V. R. E. (Orgs). Ações afirmativas e relações étnico-raciais, p.120-149. Belo Horizonte: EdUEMG, 2017.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal. Edição 70, 1997.

BRAGA, C. N.; FERREIRA, C. A.; PERES, S. O.; CARDOSO, M. L. M. Contribuições para o estudo de novas perspectivas no campo de formação de jovens em ciência & tecnologia. In: FERREIRA, C. A.; PERES, S. O. ; BRAGA, C. N.;CARDOSO, M. L. M. (Orgs.), Juventude e Iniciação Científica: políticas públicas para o ensino médio (p.143-168). Rio de Janeiro: EPSJV, UFRJ, 2010.

CAMPELO, A. M. Dualidade Educacional. In: PEREIRA, I. B.; LIMA, J. C. F. (Orgs.). Dicionário da Educação Profissional em Saúde, Rio de Janeiro: EPSJV, 2008.

CANAAN, M. G.; NOGUEIRA, M. A. Bens em disputa no campo universitário: o efeito de fatores socioeconômicos e culturais no acesso à bolsa de iniciação científica. In: MASSI, L.; QUEIROZ, S. L. (Orgs.) Iniciação científica: aspectos históricos, organizacionais e formativos da atividade no ensino superior brasileiro, p.65-88. São Paulo: Unesp Digital, 2015.

CARDOSO, M. L. M ; FERREIRA, C. A. ; CORTES, B. A. ; BRAGA, C. N. ; CAMPOS, J. M.. Observatório Juventude, Ciência e Tecnologia: ampliando perspectivas para jovens. In: Anais doVSimpósio Internacional sobre a Juventude Brasileira - Territórios Interculturais de Juventude, Recife. Editora Universitária UFPE, 2012.

CORTI, A. P. O. Que ensino médio queremos? Uma experiência de diálogo com escolas públicas. In: FERREIRA, C. A.; PERES, S. O. ; BRAGA, C. N.;CARDOSO, M. L. M. (Orgs.), Juventude e Iniciação Científica: políticas públicas para o ensino médio (p. 53-80). Rio de Janeiro: EPSJV, UFRJ, 2010.

COSTA, W. L.; ZOMPERO, A. F. A iniciação científica no Brasil e sua propagação no Ensino Médio. REnCiMa, v.8, n.1, p.14-25, 2017.

DEMO, Pedro. Educação Científica. Boletim Técnico do SENAC, Rio de Janeiro, v. 36, n.1, jan./abr, 2010.

ESQUINSANI, R. S. S.; SOBRINHO, S. C. O retrocesso da reforma do ensino médio, a BNCC, o neoliberalismo educacional e a marginalização dos institutos federais – IFs. RevistaInter-ação, Goiânia, v. 45, n. 1, p.151-168, jan./abr. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.5216/ia.v45i1.61630.

ESTEVES, E. S. Fatores que influenciam nas escolhas profissionais dos jovens do ensino médio das escolas públicas e privadas do município de Espigão d’ Oeste-RO. 31 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Administração) - Universidade Federal de Rondônia, Cacoal, 2014.

FERREIRA, C. A. O programa de vocação científica da fundação Osvaldo Cruz: fundamentos, compromissos e desafios. In: FERREIRA, C. A. et al. (Org.). Juventude e iniciação científica: políticas públicas para o ensino médio(p.27-51). Rio de Janeiro: EPSJV, UFRJ, 2010.

FERRETTI, C. J. Mudanças no âmbito do trabalho, juventude e escolhas profissionais. In: FERREIRA, C. A. et al. (Org.). Juventude e iniciação científica: políticas públicas para o ensino médio(p.91-106). Rio de Janeiro: EPSJV, UFRJ, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa.Paz e terra, São Paulo, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17ªed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GONÇALVES, L.S.; ALMEIDA, D.R.M.F.;SILVA, G.G.; GONÇALVES, G.C.;PINHEIRO, J.C. 2020. A relação da psicologia com a escolha profissional do adolescente. Pubsaúde, 3, a019, 2020.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. Ed. São Paulo: Editora Atlas S. A.. 2003.

MASSI, L.; QUEIROZ, S. L. A perspectiva brasileira da iniciação científica: desenvolvimento e abrangência dos programas nacionais e pesquisas acadêmicas sobre a temática. In: MASSI, L.; QUEIROZ, S. L. (Orgs.) Iniciação científica: aspectos históricos, organizacionais e formativos da atividade no ensino superior brasileiro. 1ºEdição. São Paulo: Editora Unesp Digital, 2015.

MOEHLECKE, S. O ensino médio e as novas diretrizes curriculares nacionais: entre recorrências e novas inquietações. Rev. Bras. Educ., v.17, n.49, p.39-58, 2012.

MOREIRA, I. C.. A inclusão social e a popularização da ciência e da tecnologia no Brasil. Inclusão Social, Brasília, v. 1, n. 2, p.11-16, 2006. Recuperado em 14, abril, 2014 de http://revista.ibict.br/inclusao/index.php/inclusao/article/viewFile/29/51.

NEVES, R. M. C. ‘Lições da iniciação científica ou a pedagogia do laboratório’. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v.VII, n.3, p.71-97, 2001.

NOGUEIRA, M. A.; CANAAN, M. G.. Os “iniciados”: os bolsistas de iniciação científica e suas trajetórias acadêmicas. Sergipe, Revista TOMO, v.1. n.15, p.41-70, 2009.

OLIVEIRA, A.; BIANCHETTI, L. Iniciação Científica Júnior: desafios à materialização de um círculo virtuoso. Ensaio: aval. pol.públ. Educ., Rio de Janeiro, v.26, n. 98, p. 133-162, jan./mar. 2018.

OLIVEIRA, C. B. ; GONZAGA, A. M. Professor pesquisador - educação científica: o estágio com pesquisa na formação de professores para os anos iniciais. Ciênc. educ. (Bauru), Bauru, v. 18, n.3, p. 689-702, 2012.

OLIVERA, A. A Iniciação Cientifica Júnior (ICJ): aproximações da educação superior com a educação básica. 2015. Tese (Doutorado em Educação – Programa de Pós-graduação em Educação-PPGE) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC, 2015.

PERES, S. O.; FERREIRA, C. A.; BRAGA, C.. Estudo de trajetórias biográficas de um grupo de jovens de camada popular inserido no Programa de Vocação Científica (Provoc/Fiocruz) [Trabalho Completo]. XIV Congresso Brasileiro de Sociologia, (n.p.), 2009.

SANTOS, A. B. P. Qual é o seu sonho? Uma reflexão sobre as influencias que a família exerce na escolha profissional do estudante. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em ciências sociais) – Universidade Federal Fluminense (UFF) – Instituto de ciências da sociedade e desenvolvimento regional, Campo dos Goytacazes, Rio de Janeiro.

SOBROSA, G. M. R.; OLIVEIRA, C. T.; SANTOS, A. S.; DIAS, A. C. G. Influências percebidas na escolha profissional de jovens provenientes de classes socioeconômicas desfavorecidas. Psicol. rev. vol.21 no.2. Belo Horizonte, 2015.

SOUSA, I. C. F.; FILIPECKI, A. T. P. Iniciação científica de estudantes de ensino médio: um olhar sobre esta formação em uma instituição de pesquisa biomédica brasileira. VisioniLatinoAmeircane, Trieste, Itália, nº 17, p. 74-95, 2017.

SOUZA, M. L. M.. Reflexões sobre um Programa de Iniciação Científica para o Ensino Médio [Resumo]. Anais do V Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (n.p.), 2005.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-124

Refbacks

  • There are currently no refbacks.