Avaliação do desfecho de pacientes intubados no serviço de emergência em hospital secundário do Distrito Federal após 30 dias e identificação do tempo de espera por vaga UTI/ Outcome evaluation of intubated patients in the emergency department at a secondary hospital in the Federal District after 30 days and identification of the waiting time for a ICU vacancy

Samla Moura Viana, Odil Garrido Campos de Andrade, Danielle Arabi Lopes Frazão, Jule Rouse de O G Santos

Abstract


Introdução: A intubação orotraqueal (IOT) é um procedimento médico invasivo complexo, o qual tem como objetivo garantir uma via aérea segura para adequado suporte ventilatório ao paciente. No ambiente de emergência, os pacientes que necessitam da IOT geralmente encontram-se em estado grave e como todo procedimento há possíveis complicações, tendo como recomendação utilizá-lo pelo menor tempo possível, pois há maior mortalidade. Além disso, após a IOT em unidade de emergência é necessário que o paciente seja encaminhado para acompanhamento em unidade de terapia intensiva (UTI), sendo indicado pela gravidade do quadro que levou a IOT e a necessidade do acompanhamento do estado hemodinâmico de forma contínua e vigorosa.Objetivo: Identificar o desfecho dos pacientes após 30 dias que foram submetidos à IOT e apontar o tempo de espera por vaga em UTI após o procedimento.Método: Estudo de coorte que analisou todos os casos de IOT realizados na sala vermelha, de janeiro a dezembro de 2017, em hospital secundário da rede pública do Distrito Federal, identificando o desfecho dos pacientes após 30 dias do procedimento. Critério de inclusão: pacientes maiores de 18 anos e que foram intubados no hospital. Critérios de exclusão: pacientes com dados incompletos no prontuário em relação ao dia da intubação, a admissão em UTI e o desfecho após 30 dias.Resultados: Foi realizado um total de 174 IOTs, sendo 40% do sexo feminino e 60% do sexo masculino, com média de idade dos pacientes de 61,7 anos. Dos 174 pacientes intubados, apenas 61% (107) conseguiram vaga em UTI, com tempo médio de espera de três dias e meio, e 39% (67) não conseguiram. Os pacientes foram divididos em dois grupos, os que foram para a UTI e os que não foram. Dos pacientes que não conseguiram vaga de UTI, 100% evoluíram para óbito no próprio serviço de emergência. Já os pacientes que foram para UTI, três desfechos foram considerados: óbito, permanência em UTI e alta da UTI, correspondendo respectivamente a: 23,3% (25), 59,8% (64) e 19,6% (21). Após uma análise multivariada com modelo generalizado binomial, considerando idade, sexo e tempo de espera por vaga de UTI como variáveis para a análise do óbito, tivemos: p: 0,075 para idade, p: 0,563 para sexo e p: 0,306 para o tempo de espera por vaga de UTI.Conclusão: Após a IOT foi identificado alta mortalidade após 30 dias do procedimento, correspondendo a 52,8% (92) de todos os casos. Dentre os fatores que influenciam nesse quesito estão: comorbidades, diagnóstico inicial, sepse, idade e sexo. No entanto, por ser um estudo retrospectivo com análise de prontuários, uma das limitações é a não organização dos dados de forma completa e igualitária entre os profissionais, permitindo somente a comparação com dados completos. Após a análise estatística houve uma tendência para maior mortalidade em relação à idade, no entanto, não pôde ser comprovada a relação entre o sexo e o tempo esperado por UTI.  Contudo, os pacientes que não conseguiram UTI, 100% evoluíram para óbito, mostrando a necessidade do serviço, o que também corrobora com o fato de que 19,6 % dos pacientes que estavam em estado grave receberam alta e 59,8% ainda permaneceram na unidade.


Keywords


Intubação orotraqueal, Mortalidade, Unidade de terapia intensiva.

References


ADAMS, M.; BANDARA, L. Airway management in the emergency department. British Journal of Anaesthesia, v. 88, n. 6, p. 2–4, 2002.

BACKES, M. T. S.; ERDMANN, A. L.; BÜSCHER, A. The living, dynamic and complex environment care in intensive care unit. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 23, n. 3, p. 411–418, 2015.

BITTENCOURT, R. J.; HORTALE, V. A. Intervenções para solucionar a superlotação nos serviços de emergência hospitalar: uma revisão sistemática. Cadernos de Saúde Pública, v. 25, n. 7, p. 1439–1454, 2009.

BROWN III, C. A.; SAKLES, J. C.; MICK, N. W. Manual de Walls para o Manejo da Via Aérea na Emergência. [s.l: s.n.].

CARLSON, J. N. et al. Procedural Experience With Intubation: Results From a National Emergency Medicine Group. Annals of Emergency Medicine, v. 74, n. 6, p. 786–794, 2019.

CHALFIN, D. B. et al. Impact of delayed transfer of critically ill patients from the emergency department to the intensive care unit. Critical Care Medicine, v. 35, n. 6, p. 1477–1483, 2007.

CRUZ, F. F. DA et al. Segurança do paciente na uti: uma revisão da literatura patient safety in the icu: a review of the literature. Revista Cientìfica FacMais, v. XII, n. 1, p. 168–187, 2018.

DIBBLE, C.; MALOBA, M. Rapid sequence induction in the emergency department by emergency medicine personnel. Emergency Medicine Journal, v. 23, n. 1, p. 62–64, 2006.

FRANÇA, D. C. et al. Reabilitação pulmonar na unidade de terapia intensiva: revisão de literatura. Fisioterapia e Pesquisa, v. 17, n. 1, p. 81–87, 2010.

GAITHER, J. B. et al. Prevalence of difficult airway predictors in cases of failed prehospital endotracheal intubation. Journal of Emergency Medicine, v. 47, n. 3, p. 294–300, 2014.

GOLDWASSER, R. S. et al. Difficulties in access and estimates of public beds in intensive care units in the state of Rio de Janeiro. Revista de saude publica, v. 50, p. 19, 2016.

GREEN, S. M. et al. Unscheduled Procedural Sedation: A Multidisciplinary Consensus Practice Guideline. Annals of Emergency Medicine, v. 73, n. 5, p. e51–e65, 2019.

KERREY, B. T.; WANG, H. Intubation by Emergency Physicians: How Often Is Enough? Annals of Emergency Medicine, v. 74, n. 6, p. 795–796, 2019.

PAVÃO, A. L. B. et al. Estudo de incidência de eventos adversos hospitalares, rio de janeiro, Brasil: Avaliação da qualidade do prontuário do paciente. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 14, n. 4, p. 651–661, 2011.

STAUFFER, J. L.; OLSON, D. E.; PETTY, T. L. Complications and consequences of endotracheal intubation and tracheotomy. The American Journal of Medicine, v. 70, n. 1, p. 65–76, 1981.

TRAVASSOS, C.; NORONHA, J. C. DE; MARTINS, M. Mortalidade hospitalar como indicador de qualidade: uma revisão. Ciência & Saúde Coletiva, v. 4, n. 2, p. 367–381, 1999.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-123

Refbacks

  • There are currently no refbacks.