Expansão urbana e áreas de preservação permanente: o caso do Ribeirão Pinguim nos municípios de Maringá e Sarandi/PR / Urban expansion and permanent preservation areas: the case of Ribeirão Pinguim in the municipalities of Maringá and Sarandi/PR

Tais Müller, Juliana de Paula Silva

Abstract


A presente pesquisa propõe diagnosticar e discutir a qualidade das águas da sub-bacia do ribeirão Pinguim até sua confluência com o córrego dos Moscados, abrangendo os limites urbanos de Maringá e Sarandi/PR. As discussões abordadas visam apontar respostas principalmente quanto à influência do uso do solo urbano sobre estas áreas ambientalmente frágeis. Os procedimentos adotados para o desenvolvimento desta pesquisa consistiram em revisão bibliográfica, visitas in loco e ensaios laboratoriais em duas etapas para a determinação de valores de parâmetros físico-químicos e microbiológicos de água bruta. Os resultados obtidos demonstram quea qualidade da água do córrego se enquadra majoritariamente na classe IIIda Resolução CONAMA 357/2005, situação inadequada para Áreas de Preservação Permanete (APPs). Em conclusão, ressalta-se aemergência na promoção de ações eficazes e contínuas as quais viabilizem a mitigação dos problemas detectados na área de estudo.


Keywords


Planejamento urbano, áreas de preservação permanente, qualidade da água.

References


ALLAN, J.D. StreamEcology: StructureandFunctionofRunning Waters. KluwerAcademicPublishers, Dordrecht, 388 pp., 1995

BARBOSA, A.G.; COSTA, A.A. O solo urbano e a apropriação da natureza na cidade. Soc. & Nat., Uberlândia, ano 24 n. 3, 477- 488, set/dez. 2012.

BRASIL. Código Florestal (2012). Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nºs 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nºs 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória nº 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências.

______. Estatuto da cidade (2001) Estatuto da cidade : Lei n. 10.257, de 10 julho de 2001, e legislação correlata. – 2. ed. – Brasília : Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2009.

______. Lei do parcelamento do solo. Dispõe sobre o Parcelamento do Solo Urbano e dá outras providências. Lei no. 6.766, de 19 de dezembro de 1979. Disponível em: http://www2.ibama.gov.br/~misis/cnia/lema_texto/6766-79.htm. Acesso em: 11/08/2019.

______. Política Nacional de Recursos Hídricos: Lei n. 9344, de 8 de janeiro de 1997. Disponível em: https://www.ana.gov.br/gestao-da-agua/sistema-de-gerenciamento-de-recursos-hidricos. Acesso em: 25/05/2020.

CARLOS, A. F. A. A (reprodução espaço urbano), São Paulo, EDUSP: 1994

¬¬______ A privação do urbano e o “direito à cidade” em Henri Lefebvre in Justiça espacial e o direto à cidade, CARLOS, A.F. ALVES, G.; PADUA, R. (org) Editora Contexto, São Paulo:2017, pp 33/62.

CANDIOTTO, L. Z. P. Ecossistemas brasileiros: degradação e potencialidades. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 13, n. 32, 10 mar. 2017.

CARVALHO, A.T.F. Bacia hidrográfica como unidade de planejamento: discussão sobre os impactos da produção social na gestão de recursos hídricos no Brasil. Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n. 42, v. 1, p. 140-161, jan-jun, 2020.

CETESB. Qualidade das Águas do Estado de São Paulo. In: RevistaÁguas e Energia elétrica. São Paulo, ano 5, nº 14, p.11-15, 1988.

CHAPMAN, D. Water Quality Assessment: A Guide to the Use of Biota, Sediment and Water in Environmental Monitoring. WHO, Geneva, 585 p., 1992.

CONAMA.RESOLUÇÃO Nº 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005. Publicada no DOU nº 053, de 18/03/2005, págs. 58-63 • Alterada pela Resolução 410/2009 e pela 430/2011 Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências.

______.RESOLUÇÃO Nº 369/2006 - "Dispõe sobre os casos excepcionais, de utilidade pública, interesse social ou baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em Área de Preservação Permanente-APP" - Data da legislação: 28/03/2006 - Publicação DOU nº 061, de 29/03/2006, págs. 150-151

______.RESOLUÇÃO Nº 303/2002- "Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente". - Data da legislação: 20/03/2002 - Publicação DOU nº 090, de 13/05/2002, pág. 068 Status: Revoga a Resolução nº 04, de 1985. Alterada pela Resolução nº 341, de 2003.

COELHO, A. R. Dinâmica Fluvial e Qualidade da Água da Bacia de Drenagem do Ribeirão Maringá: Contribuição para o Planejamento e Gestão Ambiental. Dissertação (Mestrado em Geografia)¬Universidade Estadual de Maringá, Maringá. 2007.

CORRÊA, R.L. O Espaço Urbano. Editora Ática – São Paulo – SP 1999.

CRISTIANO, C. C.; ARAÚJO, M. I. de; CORINO, H. L. Considerações gerais sobre as áreas de fundos de vale na cidade de Maringá – PR. Revista em Agronegócios e Meio Ambiente, v.4, n.2, p. 291-304, maio/ago. 2011.

IAP. Instituto Ambiental do Paraná. Relatório de Impacto Ambiental Referente ao Empreendimento “Condomínio Residencial Green Diamond Residence”,localizado no Lote 06-Rem, Gleba Ribeirão Pinguim, Marialva, Paraná. 2013. Disponível em: http://www.iap.pr.gov.br/arquivos/File/2013__EIA_RIMA/Green_Diamond_Residence/RIMA_fINAL.pdf. Acesso em: 30 de setembro de 2019.

HERMES, L.C.; SILVA, A.S. Avaliação da Qualidade da águas: manual prático. Brasília: EMBRAPA Informação Tecnológica, 2004. 55p.

HONDA, S.C.A.L. et al. Planejamento ambiental e ocupação do solo urbano em Presidente Prudente (SP). RevistaBrasileira de GestãoUrbana (BrazilianJournalofUrban Management), 2015 jan./abr., 7(1), 62-73.

LEFEBVRE, H. (1968). O Direito à Cidade. Trad. de Eduardo Frias. São Paulo: ed. Moraes, 1991ª

______ (1974). La Production de l’Espace. Paris: ed. Anthropos/ Economica. 4edition, 2000.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M..Fundamentos da Metodologia Científica. 8.ed. São Paulo: Atlas, 2019.

¬¬______. Metodologia científica. 5. Ed. 4. São Paulo: Atlas, 2010.

MARINGÁ. Prefeitura Municipal. Plano Diretor Integrado de Desenvolvimento de Maringá. Maringá, 2020.

¬¬______.Lei Uso e ocupação do solo urbano. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo no município de Maringá e dá outras providências. Lei 888/2011.

______.Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica- Maringá, Paraná. 2006.

MENDES, C. M. A verticalização, um dos reflexos do processo da metrópole em formação: Maringá, PR. Boletim da geografia, Universidade Estadual de Maringá (UEM). v. 10 – n. 1, p. 51 – 60, 1992.

NASCIMENTO, E.P. Trajetória da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao econômico .Estudos Avançados 26 (74), 2012.

NETTO, L. G.; SANT’ANA, L. Uso e ocupação do solo no Ribeirão Maringá –PR. In: SIMPÓSIO DE ESTUDOS URBANOS. 1. 2001, Campo Mourão. Anais... Campo Mourão: SEURB, 2011, p. 1 - 15.

PEDRO, L.C. Geomorfologia urbana: impactos no ambiente urbano decorrente da forma de apropriação, ocupação do relevo. Geografia em Questão, v.04, n. 01,pp- 153 – 172, 2011.

ROSSINI, D., FOREST, C., VIADANA, M. I. C. de F. Análise ambiental e do padrão espacial em áreas de expansão urbana de Limeira-SP . In: GERARDI, Lúcia Helena de O.;MENDES, Iandara Alves. Do Natural, do Social e de suas Interações: visões geográficas.Sao Paulo: UNESP, 2002.

SANTOS, R. A. dos. Metodologia científica: a construção do conhecimento. 7. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2007.

SARANDI. Prefeitura Municipal de Maringá. Plano Diretor Integrado de Desenvolvimento de Sarandi. 2009.

______ .Lei deparcelamento, uso e ocupação do solo urbano. Dispõe sobre sobre o uso e ocupação do solo no município de Sarandi e dá outras providências. Lei 312/2015.

SANTOS, R.F. Planejamento ambiental: Teoria e Prática. São Paulo: Oficina de Textos, 2004.

SANTOS, M.A natureza do espaço. 4 ed. São Paulo: Edusp, 2006.

SAVANO, V.A.J. Recuperação e aproveitamento de áreas degradadas: O Caso do Córrego Diamante, Maringá-Pr. 2012. 118f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Urbana) Departamento de Engenharia Civil, Universidade Estadual de Maringá, Paraná, 2012.

SILVA, J.P. Avaliação da Diversidade de Padrões de Canais Fluviais e Geodiversidadeea Amazônia- Aplicação e Discussão na Bacia Hidrográfica do Rio Xingu. Tese. 298fls. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SILVA, O.T. Renda Fundiária ou valor da terra? Aportes sobre o debate em torno da produção do Espaço Urbano. Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.34, v.1, p.97- 116, jan./jul.2012.

SILVA, R.F. Análise dos impactos ambientais da Urbanização sobre os recursos hídricos na sub-bacia do Córrego Vargem Grande em Montes Claros-MG .Caderno de Geografia, v.26, n.47, 2016.

SILVA, C.S. Avaliação das condições hidrogeomorfológicas da bacia hidrográfica do rio Jaboatão. Dissertação. 137 fls. Universidade Federal de Pernambuco.Recife-PE, 2018.

VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgoto. 3. ed. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

ZAPAROLI, F. C. M.; NÓBREGA, M. T. Processos erosivos na cabeceira do Ribeirão Pingüim (SARANDI/MARINGÁ – PR) Simpósio de Geomorfologia, 2006.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-105

Refbacks

  • There are currently no refbacks.