Avaliação retrospectiva dos casos confirmados de Leishmaniose Tegumentar Americana em Três Lagoas – MS no período de 2007 a 2019 / Retrospective evaluation of American Tegumentary Leishmaniosis confirmed cases in Três Lagoas - MS in the period 2007 to 2019

Caroline Gabriela Xavier Ferreira, Mirian Daiane de Oliveira, Fernando Suguimoto, Rachid Figueroa Souza, Alex Martins Machado, Aline Rafaela da Silva Rodrigues Machado

Abstract


A leishmaniose é uma doença tropical infecciosa negligenciada, causada por protozoários do gênero Leishmania, apresentando-se de três formas: cutânea, mucocutânea e visceral. Dentre elas, a Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) apresenta potencial incapacitante e impacto na qualidade de vida dos indivíduos. O objetivo foi determinar a distribuição dos casos confirmados de LTA em Três Lagoas/MS entre 2007 a 2019, identificando os locais de maior incidência e pontuando possíveis fatores de risco. Foi realizado um estudo retrospectivo e observacional, com dados de LTA registrados pelo Serviço de Vigilância Epidemiológica a partir da notificação do Sistema Nacional de Agravos de Notificação do município. Identificaram-se 13 casos de LTA no período avaliado, sendo dois em mulheres e onze em homens. A maior prevalência ocorreu entre 26 - 59 anos (n = 8/13); indivíduos brancos, 61,54% (n = 8/13); com menor escolaridade, 76,92% (n = 10/13); zona urbana, 84,62% (n = 11/13) e região oeste do município 63,63% (n=7/11), indicando a presença de um ambiente favorável para multiplicação de flebotomíneos e transmissão da doença. Dez casos foram autóctones, dois importados e um não especificado. A manifestação cutânea ocorreu em 10/13 (76,92%), mucosa, 3/10 (23,08%), onde todos os indivíduos com lesão mucosa apresentavam cicatriz cutânea; evidenciando a presença da forma mucosa clássica. Para o diagnóstico da LTA, o mais utilizado foi o histopatológico (6/13). A droga mais utilizada para o tratamento da LTA foi o antimonial pentavalente, 83,33% (n=10/12); seguido pela anfotericina B, 16,66% (n=2/12). No presente estudo, foi verificado evolução para cura em oito pacientes, um óbito não relacionado à doença e os demais casos não foram especificados, podendo sugerir cura precoce ou abandono do tratamento. Apesar do pequeno número de casos, por tratar-se de uma doença endêmica na região, ressalta-se a importância do monitoramento da mesma, visando estabelecer estratégicas eficazes para o controle e combate ao parasita e seu vetor.

 

 


Keywords


Flebotomíneos, Epidemiologia, Leishmaniose Cutânea, LTA Centro-Oeste.

References


AZULAY, R.D.; AZULAY, D.R. Dermatologia. 3aed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2004.

BONAFINI, F.C. Estatística. São Paulo, Pearson Education do Brasil, 2012.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de vigilância da leishmaniose tegumentar [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; p. 1-191, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Guia de vigilância em saúde, [Internet], v. 3, n. 1, 2019.

CAMPOS, S.S.; CAMPOS, F.S.; GOIS, G.C.; SILVA, T.S. Perfil epidemiológico dos pacientes com leishmaniose tegumentar americana no município de Ilhéus - Bahia. Semina Cienc Biol Saúde, v. 38, n. 2, p. 155-64, 2017.

CARDIM, M.F.M.; GUIRADO, M.M.; DIBO, M.R.; CHIARAVALLOTI-NETO, F. Leishmaniose Visceral no estado de São Paulo, Brasil: análise espacial e análise espaço-temporal. Revista de Saúde Pública, v. 50, n. 48, p. 1-11, 2016.

CASTRO, E.A.; SOCCOL, V. T.; MEMBRIVE, NORBERTO.; LUZ, E. Estudo das características epidemiológicas e clínicas de 332 casos de leishmaniose tegumentar notificados na região norte do Estado do Paraná de 1993 a 1998. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 35, n. 5, p. 445-452, 2002.

CASTRO, E.A.; SOCCOL, V.T.; MEMBRIVE, N.; LUZ, E. Estudo das características epidemiológicas e clínicas de 332 casos de leishmaniose tegumentar notificados na região norte do Estado do Paraná de 1993 a 1998. Rev Soc Bras Med Trop, n. 35, v. 5, p. 445-52, 2002.

CONTI, R.V.; PINTO-JUNIOR, V.L. Abordagem terapêutica da leishmaniose visceral no Brasil: revisão para clínicos. Rev Med Saúde Brasília; v. 4, n. 2, p. 240-9, 2015.

CROFT, S.L.; SUNDAR, S.; FAIRLAMB, A.H. Drug resistance in leishmaniasis. Clin Microbiol Rev, v. 19, n. 1, p. 111-26, 2006.

CURTI, M.C.M.; SILVEIRA, T.G.V.; ARRAES, S.M.A.A.; BERTOLINI, D.A.; ZANZARINI, P.D.; VENAZZI, E.A.S.; FERNANDES, A.C.S.; TEIXEIRA, J.J.V.; LONARDONI, M.V.C. Aspectos epidemiológicos da leishmaniose Tegumentar americana na região noroeste do estado do estado do Paraná. Rev Ciênc Farm Básica Apl, v. 30, n. 1, p. 63-68, 2009.

DATASUS. Departamento de Informática do SUS (Brasil). Leishmaniose Tegumentar Americana: casos confirmados notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Brasil [Internet]. Brasília, DF, DATASUS; 2019. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/ltabr.def

DAVIES, C.R.; REITHINGER, R.; CAMPBELL-LENDRUM, D.; FELICIANGELI, D.; BORGES, R.; RODRIGUEZ, N. The epidemiology and control of leishmaniasis in Andean countries. Cad Saúde Pública, v. 16, n. 4, p. 925-50, 2000.

ESTUMANO, J.C.; SÁ, L.L.; MACEDO, C.G. Leishmaniose tegumentar americana: Análise epidemiológica de uma década no interior da Amazônia, Brasil. Brazilian journal of development, v. 6, n. 6, p. 36311-36325, 2020.

FRANÇA, E.L.; MANDADORI, M.N.; FRANÇA, J.L.; BOTELHO, A.C.F.; FERRARI, C.K.B.; FRANÇA, A.C.H. Aspectos epidemiológicos da leishmaniose tegumentar americana no município de Juína, Mato Grosso, Brasil. Sci Med., v. 19, n. 3, p. 103-7, 2009.

GOMES, C.M.; MORAIS, O.O.; ROSELINO, A.M.F.; PAULA, N.A.; SOARES, K.A.; SAMPAIO, R.N.R. Complementary exams in the diagnosis of american tegumentary leishmaniasis. Anais Brasileiros de Dermatologia, v. 89, n. 5, p. 701-711, 2014.

GUERRA, J.A.O.; BARBOSA, M.G.V.; OUREIRO, A.C.S.P.; COELHO, C.P.; ROSA, G.G.; COELHO, L.I.A.C.R. Leishmaniose tegumentar americana em crianças: aspectos epidemiológicos de casos atendidos em Manaus, Amazonas, Brasil. Cad Saúde Pública, v. 23, n. 9, p. 2215-23, 2007.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estados e Cidades, [Internet], 2017. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/tres-lagoas/panorama.

MADALOSSO, G.; FORTALEZA, C.M.; RIBEIRO, A.F.; CRUZ, L.L.; NOGUEIRA, P.A.; LINDOSO, J.A.L.L. American visceral leishmaniasis: factors associated with lethality in the state of São Paulo, Brazil. Journal of Tropical Medicine, v. 2012, n. 1, p. 1-8, 2012.

MURBACK, N.D.N.; FILHO, G.H.; NASCIMENTO, R.A.F.; NAKAZATO, K.R.O.; DORVAL, M.E.M. C. Leishmaniose tegumentar americana: estudo clínico, epidemiológico e laboratorial realizado no Hospital Universitário de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil. Anais Brasileiros de Dermatologia, v. 86, n. 1, p. 55-63, 2011.

MURBACK, N.D.N.; HANS-FILHO, G.; NASCIMENTO, R.A.F.; NAKAZATO, K.R.O.; DORVAL, M.E.M.C. Leishmaniose tegumentar americana: estudo clínico, epidemiológico e laboratorial realizado no Hospital Universitário de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil. An. Bras. Dermatol., v. 86, n. 1, p. 55-63, 2011:

NEGÃO, G.N.; FERREIRA, N.E.M.C. Considerações sobre a Leishmaniose Tegumentar Americana e sua expansão no território brasileiro. Revista Percurso – NEMO, v. 6, n. 1, p. 147- 168, 2014.

OLIVEIRA, G.M.G.; FILHO, E.A.F.; ANDRADE, G.M.C.; ARAÚJO, L.A.; OLIVEIRA, M.L.G.; CUNHA, R.V. Flebotomíneos (Diptera: Psychodidae: Phlebotominae) no Município de Três Lagoas, área de transmissão intensa de leishmaniose visceral, Estado de Mato Grosso do Sul, Brasil. Rev Pan-Amaz Saude, v. 1, n. 3, p. ,83-94, 2010.

OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Trabalhando para superar o impacto global de doenças tropicais negligenciadas: Primeiro relatório sobre doenças tropicais negligenciadas. Geneva, Switzerland: WHO Press, p. 1-188, 2010.

ROCHA, T.J.M.; BARBOSA, A.C.A.; SANTANA, E.P.C.; CALHEIROS, C.M.L. Aspectos epidemiológicos de leishmaniose tegumentar americana no Estado de Alagoas, Brasil. Rev Pan Amaz Saúde, v. 6, n. 4, p. 49-54, 2015.

SILVA, P.L.N.; VERSIANI, C.M.C.; CHAGAS, R.B.; ROCHA, R.G.; MAJUSTE, R.; SILVA, J.S. Estudo da leishmaniose tegumentar na cidade de Montes Claros/MG: aspectos epidemiológico, clínico e terapêutico. J Health Sci Inst., v. 32, v. 1, p. 38 - 42, 2014.

SILVEIRA, F.T.; ISHIKAWA, E.A.; SOUZA, A.A.A.; LAINSON, R. An outbreak of cutaneous leishmaniasis among soldiers in Belem, Para State, Brazil, caused by Leishmania linderbergin. sp. "A new parasite of man in the Amazon region". Parasite, v. 9, n. 1, p. 43-50, 2002.

SOUSA, A.C.; ARANTES, T.; OTUYAMA, L.J.; PINTO, V.B.; SILVA, M.C.E. Plano terapêutico farmacêutico para pacientes com leishmaniose tegumentar americana e visceral com foco na segurança do paciente. Brazilian journal of health review, v. 2, n. 5, p. 4502-18, 2019.

TEMPONI, A.O.D.; BRITO M.G.; FERRAZ, M.L.; DINIZ, S.A.; SILVA, M.X.; CUNHA, T.N. Ocorrência de casos de leishmaniose tegumentar americana: uma análise multivariada dos circuitos espaciais de produção, Minas Gerais, Brasil. 2007 a 2011. Cad. Saúde Pública, v. 34, n. 2, p. 1-14, 2018.

VASCONCELOS, J.M.; GOMES, C.G.; SOUSA, A.; TEIXEIRA, A.B.; LIMA, J.M. Leishmaniose tegumentar americana: perfil epidemiológico, diagnóstico e tratamento, Ceará, Brasil. Rev Brasileira de Análises Clínicas, v. 50, n. 3, p. 221-227, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-121

Refbacks

  • There are currently no refbacks.