Produção científica Brasileira sobre sífilis congênita: um estudo bibliométrico a partir da base scopus / Brazilian scientific production about congenital syphilis: a bibliometric study using the scopus database

Miguel de Oliveira Lima, Daniel Madeira Cardoso, Luiza Gomes Galvão, Ana Carolina Araújo Silva, Lorena Bertolin Maia, Pauline Martins Leite

Abstract


 A sífilis congênita é causada pela bactéria Treponema pallidum e consiste em uma das principais causas de abortamentos evitáveis no mundo. O objetivo do presente trabalho é caracterizar a produção científica brasileira sobre essa moléstia, entre os anos de 2010 e 2019. Primeiramente, realizou-se uma revisão de literatura com o descritor “syphilis, congenital” na base Scopus. Os dados obtidos foram analisados por intermédio da bibliometria. Incluíram-se as variáveis: país de origem, ano, tipo da publicação, instituição responsável, área do conhecimento, periódico e unidade da federação brasileira. Para compreender acerca da distribuição epidemiológica do agravo, aplicou-se um levantamento do número de casos a partir do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN); vinculados ao Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). Totalizaram-se 984 publicações. O Brasil foi o segundo colocado entre os países (n=138; 14,0%). Paralelamente, houve aumento do número de publicações e casos notificados dentro da série histórica considerada. Os tópicos mais frequentes foram: área médica (n=119; 86,2%); Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (n=10; 7,2%); modalidade artigo (n=121; 87,6%); Fundação Oswaldo Cruz (n=26; 18,8%); e Estado de São Paulo (n=49; 35,5%). Por se tratar de um problema de impacto em saúde pública, com prejuízos diretos à população, é imperativa a continuidade de estímulo e financiamento da produção científica acerca da sífilis congênita.


Keywords


Sífilis Congênita, Produção Científica, Epidemiologia.

References


ANDRADE, A. L. M. B.; MAGALHÃES, P. V. V. S.; MORAES, M. M.; TRESOLDI, A. T.; PEREIRA. R. M. Diagnóstico tardio de sífilis congênita: uma realidade na atenção à saúde da mulher e da criança no Brasil. Rev Paul Pediatr, v. 36, n. 3, p. 376-381. 2018.

ANDRADE, M. L.; CARDOSO, D. M.; LEITE, P. M. Caracterização da produção científica brasileira sobre a histoplasmose, 2009-2019: um estudo bibliométrico. 55º Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical ◦ XXVI Congresso da Sociedade Brasileira de Parasitologia. Belo Horizonte, Anais Medtrop, Belo Horizonte, CHAGASLEISH: 2019.

ARAÚJO, C. L.; SHIMIZU, H. E.; SOUSA, A. I. A.; HAMANN, E. M. Incidência da sífilis congênita no Brasil e sua relação com a Estratégia Saúde da Família. Rev Saúde Pública, v. 46, n. 3, p. 479-86, 2012.

BARRETO, M. L. Crescimento e tendência da produção científica em epidemiologia no Brasil. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 40, n. spe, p. 79-85, 2006.

BRASIL. Decreto nº 6.283 de 25 de janeiro de 1934, Criação da Universidade de São Paulo, Brasília. Disponível em: http://www.leginf.usp.br/?historica=decreto-n-o-6-283-de-25-de-janeiro-de-1934 . Acesso em: 18 mai. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.430, de 31 de março de 2017, Presidência da República, Brasília. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/Lei/L13430.htm. Acesso em: 18 mai. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. AIDS DST. Boletim Epidemiológico, Brasília, Ed. especial, n. 1, p. 45-47, nov./2005. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/node/82. Acesso em: 18 mai. 2020

BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde – 3ª. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

BRASIL, Portaria nº 3.242, de 30 de dezembro de 2011, Ministério da Saúde, Brasília. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3242_30_12_2011.html Acesso em: 18 mai. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde: Sífilis 2019. Boletim Epidemiológico, Brasília, Ed. especial, n. 1, p. 35-37, out./2019. Disponível em: https://www.saude.gov.br/images/pdf/2019/outubro/30/Boletim-S--filis-2019-internet.pdf. Acesso em: 18 mai. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde: Sífilis. Boletim Epidemiológico, Brasília, Ed. especial, n. 1, p. 38-42, 2017. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2017/boletim-epidemiologico-de-sifilis-2017. Acesso em: 18 mai. 2020

BRASIL. SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO (SINAN). TABNET-DATASUS. Sífilis Congênita. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/. Acesso em: 18 mai. 2020.

BRITO, A. P. A.; KIMURA, A. F. Transmissão vertical da sífilis: vivência materna durante a hospitalização para diagnóstico e tratamento de seu filho recém-nascido. Rev Paul Enferm, v. 29, n. 1, p. 68-76, 2018.

BUFFOLANO, W.; AGNESE, M.; PIZZUTI, R. Secular trend on congenital infections: insights from Campania region register for perinatal infection, southern Italy. The Journal of Maternal-Fetal and Neonatal Medicine, v.1, n. 24, p. 94-96, 2011.

CADERNOS DE SAÚDE. Sobre os cadernos de saúde pública. Rio de Janeiro. 15 de maio de 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_serial&pid=0102-311X&lng=en&nrm=iso Acessado em 20 de maio de 2020.

CARDOSO, D.M. et al. Análise e caracterização da produção científica sobre a COVID-19 e sua associação com a mortalidade e ocorrência de casos. Revista Transformar. Edição especial “Covid-19”: pesquisas, diálogos transdisciplinares e perspectivas. 2020a.

CARDOSO, D.M. et al. Estados brasileiros com maior produção científica sobre medicina de família e comunidade apresentam maiores expectativas de vida. Brazilian Journal of Development. v.7, n.1, p.7457-7471, 2021.

CARDOSO, D.M. et al. Evolução da vacinologia na última década: uma análise cientométrica a partir de base de dados selecionada. Brazilian Journal of Development. v.6, n.10, p.76597-76610, 2020b.

CARDOSO, D.M. et al. Publicações sobre esquistossomose na Scopus: mapeamento, caracterização e análise da progressão temporal do tema aplicado à medicina e imunologia ao longo da série histórica de 2015 a 2019. In: CASTRO, L.H.A; PEREIRA, T.T. (eds). Ciências da saúde: avanços recentes e necessidades sociais 3. Editora Atena, p.180-200; 2020c.

CARDOSO, D.M.; GOMIDES, T.A.R. Contexto clínico-epidemiológico dos casos de hanseníase notificados em Governador Valadares, Minas Gerais - Brasil, entre 2015 e 2019. Revista Saúde (Santa Maria). v. 46, n. 2: e44459, p.1-12, 2020.

CARDOSO, D.M.; QUARTO, L.C. Produção científica mundial e nacional sobre o sarampo: caracterização do conteúdo indexado à base scopus no período de 2010 a 2019. In: CASTRO, L.H.A; PEREIRA, T.T. (eds). Ciências da saúde: avanços recentes e necessidades sociais 2. Editora Atena, p.154-168; 2020.

CROSS, D.; THOMSON, S.; SINCLAIR, A. Research in Brazil: A report for CAPES by Clarivate Analytics. Clarivate Analytics, Brasil, p. 7-15, dez./2005. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/diversos/17012018-CAPES-InCitesReport-Final.pdf. Acesso em: 18 mai. 2020.

COSTAS, R. Discussões gerais sobre as características mais relevantes de infraestruturas de pesquisa para a cientometria. Bibliometria e Cientometria no Brasil: infraestrutura para avaliação da pesquisa científica na Era do Big Data, p. 19-42, 2017.

FERREIRA, L. J. M. Infecção por Treponema pallidum: análise serológica e pesquisa de DNA [dissertação]. Lisboa (Portugal): Universidade Nova de Lisboa; 2013.

FIOCRUZ. Fundação Oswaldo Cruz. Maguinho, Rio de Janeiro. 20 de maio de 2020. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/. Acesso em 20 de maio de 2020.

GRAY, M. Evidence-based healthcare and public health: how to make decisions about health services and public health. 3. ed. London: Churchill Livingstone, p. 27-60, 2006.

GUIMARÃES, P. H.; MEDEIROS, M. The concentration of income at the top in Brazil: 2006-2014. International Policy Centre for Inclusive Growth: (IPC-IG), Brasil, v. 1, n. 163, p. 4-12, 2005.

GUINSBURG R.; SANTOS, A.M.N. Critérios diagnósticos e tratamento da sífilis congênita. Documento Científico – Departamento de Neonatologia da Sociedade Brasileira de Pediatria. Disponível em: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/pdfs/tratamento_sifilis.pdf Acesso em 16 de janeiro de 2021.

HOOK, E. W. S. The Lancet, Birmingham, v. 389, n. 10078, p. 1550-1557, abr./2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. PIB. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/explica/pib.php. Acesso em: 18 mai. 2020.

LIMA, M.O. et al. Doença de chagas: estudo dos indicadores bibliométricos e da mortalidade associada ao agravo no Brasil, 2008-2018. In: CARDOSO, D.M. (organizador). Ensino, pesquisa e extensão aplicados às ciências médicas. Editora Conhecimento Livre, p.490-511; 2020.

LUZ, T. C. B. A subnotificação de casos de doenças sexualmente transmissíveis: a situação do Estado do Rio de Janeiro. DST j. bras. doenças sex. transm, Brasil, v. 17, n. 2, p. 111-116, dez./2005.

MANGABEIRA, C.S. et al. Infecções Sexualmente Transmissíveis em profissionais do sexo: características e prevalência no extremo norte brasileiro. Revista Saúde (Santa Maria). v. 46, n. 2: e42679, p.1-12, 2020.

MARFATIA, Y. S.; PANDYA, I.; JOSE, S. K. Congenital syphilis: Marching toward elimination. Indian J Sex Transm Dis AIDS Índia, v. 36, n. 1, p. 1-2, 2015.

MILANEZ, H. Syphilis in Pregnancy and Congenital Syphilis: Why Can We not yet Face This Problem? Rev Bras Ginecol Obstet, v. 38, n. 9, p. 425–427, 2016.

NASCIMENTO, D. S.; SILVA, R. C.; TÁRTATI, D. O.; CARDOSO, E. K. Relato da dificuldade na implementação de teste rápido para detecção de sífilis em gestantes na Atenção Básica do SUS em um município do Sul do Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade, v. 13, n. 40, p. 1-8. 2018.

NORONHA, J. C. D; UGÁ, M. A. D; Sistemas de saúde: continuidades e mudanças. 1. ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1995. p. 177-218.

OLIVEIRA, G. O. B. et al. Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis entre pessoas com deficiência visual: validação de texto educativo. Rev. Latino-Am. Enfermagem. Brasil, v. 24, n. 2775, p. 2-9, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rlae/v24/pt_0104-1169-rlae-24-02775.pdf. Acesso em: 18 mai. 2020.

OZELAME J.E.E.P. et al. Vulnerabilidade à sífilis gestacional e congênita: uma análise de 11 anos. Rev enferm UERJ, n.28:e50487, p.1-9, 2020.

PLATAFORMA SUCUPIRA. Qualis Periódicos. Brasil. 20 de maio de 2020. Disponível em:https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/veiculoPublicacaoQualis/listaConsultaGeralPeriodicos.jsf Acessado em: 20 de maio de 2020.

QUARTO, L. C.; SOUZA, S. M. F.; TEIXEIRA, F. L. F.; LUQUETTI, E. C. F.; FERNANDES, A. S. Ergonomia cognitiva: uma análise das publicações por intermédio da bibliometria. Linkscienceplace, v.5, n. 4, p. 54-73, 2018.

RAMOS, M. G.; BONI, M. G.; BONI, S. M. Prevalência da sífilis gestacional e congênita na população do Município de Maringá – PR. Saude e pesqui, v. 11, n. 3, p. 517-526, 2018.

RBGO. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetra. Sobre a revista RBGO. São Paulo, Brasil. 15 de Maio de 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_serial&pid=0100-7203&lng=pt&nrm=iso Acessado em 20 de maio 2020.

SANTOS, T.D. et al. PERFIL DA SÍFILIS GESTACIONAL E CONGÊNITA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA – RS: vivências multidisciplinares para troca de saberes. Revista Saúde (Santa Maria). v. 42, n.2, p. 215-224, 2016.

SIMMS, I. et al. A brief recent history of the epidemiology of congenital syphilis in the United Kingdom. International Journal of STD & AIDS, Brasília, v. 1, n. 10, p. 3-8, 2017.

SIMÕES, R.F. et al. Estudo epidemiológico da sífilis gestacional em um município do noroeste fluminense, RJ. Linkscienceplace Interdisciplinary Scientific Journal. v.5, n.5, p. 130-142, 2018.

SOCIEDADE DE PEDIATRIA DE SÃO PAULO. Outubro Verde: Mês de combate à Sífilis Congênita. Disponível em: https://www.spsp.org.br/2019/09/30/campanha-outubro-verde-mes-do-combate-a-sifilis-congenita/. Acesso em: 18 mai. 2020.

SOUZA, P. H. G. F. D; MEDEIROS, Marcelo. The concentration of income at the top in Brazil: 2006-2014. International Policy centre for inclusive growth: Working Paper, Brasília, v.1, n. 3, p. 3-16, 2017.

TOLDO, M. K. S.; MENEGAZZO, L. S.; SOUTO, A. S. A recrudescência da sífilis congênita. Arq. Catarin Med, v. 47, n. 1, p. 02-10, 2018.

TRAVAIM, S. F.; MACHADO, B. S.; DOMINGUES, B. S.; MORAIS, L. I. ALVES, H. N. S.; PEREIRA, G. S. A. Análise do perfil epidemiológico dos casos de sífilis notificados no município de ji-paraná no período de 2012 a 2016. Braz. J. Surg. Clin. Res, v. 21 n. 2, p. 42-46, 2018.

TUCKER, J. D.; COHEN, M. S. China’s syphilis epidemic: epidemiology, proximate determinants of spread, and control responses. Current Opinion in Infectious, v. 24, n. 1, p. 50-55, 2005.

USP. Universidade de São Paulo. Butatã, São Paulo. 20 de maio de 2020. Disponível em: https://www5.usp.br/. Acessado em 20 de maio de 2020.

WARD, J. S. et al. Epidemiology of syphilis in Australia: moving toward elimination of infectious syphilis from remote Aboriginal and Torres Strait Islander communities? Medical Journal of Australia, Austrália, v. 194, n. 10, p. 525-529, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-120

Refbacks

  • There are currently no refbacks.