Estimativa de custos na recuperação de áreas degradadas em Rondônia / Estimated costs in the recovery of degraded areas in Rondônia

Kenia Michele de Quadros Tronco, José Neuton Alves de Oliveira, Karen Janones da Rocha, Geremias Dourado da Cunha, Gustavo Neco da Silva

Abstract


Rondônia ocupa a terceira posição de unidades federativas com maior índice de desmatamento até 2018, acarretando enormes impactos para além de seu território e bioma. Entretanto, há pouco incentivo para que o produtor recupere a área degradada, incluindo a falta de valoração dos custos necessários para recuperar um hectare de área degradada nesse estado. Desta maneira, o objetivo desse estudo foi estimar os custos para a recuperação de um hectare de área degradada em um cenário de média degradação, em cinco territórios de Rondônia: Território Zona da Mata (Rolim de Moura); Território Vale do Guaporé (São Francisco do Guaporé); Território Central (Ji-Paraná); Território Rio Machado (Cacoal) e Território Vale do Jamari (Ariquemes). A partir de lista de materiais e serviços necessários para a recuperação de área degradada, elaborada pela SEDAM-ERGA Rolim de Moura, realizou-se o levantamento dos custos, que foram dispostos em três grupos: A) Materiais; B) Serviços para preparo do solo e plantio; C) Mudas e sementes, e D) Manutenção do reflorestamento. A partir dos valores levantados, foi realizado o estudo descritivo dos dados, com e sem estratificação por itens e localidades. Em média, o valor para recuperação de um hectare degradado em Rondônia é de R$ 29.145,90, sendo que desse montante, 50,86% equivale ao grupo A, 24,86% ao grupo B, 19,69% ao grupo C e 4,59% ao grupo D. Independente do local, o valor de aquisição de mudas florestais foi alto, variando de 12,82% a 25,54% do montante. O valor de recuperação entre os municípios estudados variou 7,4%, com a ordem crescente para Rolim de Moura, Cacoal, Ariquemes, Ji-Paraná e São Francisco do Guaporé, com a variação de R$ 5.689,98 entre Rolim de Moura e São Francisco do Guaporé. O custo médio para a recuperação de área degradada para Rondônia é considerado baixo, provavelmente pela ausência de serviços e mão-de-obra qualificada, mas que deve ser visto como uma vantagem, tornando a recuperação no estado mais acessível. Como o levantamento de custos foi realizado em municípios de 5 territórios estratégicos do estado, sendo que há 7 territórios, é possível utilizar esse valor para o preço médio de custos de recuperação para todo o Estado de Rondônia.

 

 


Keywords


Desmatamento, Amazônia, Recomposição Florestal.

References


Almeida, A.N.de, Lara, C.L.de & Angelo, H. (2019). Avaliação do custo para recuperar uma área degradada: estudo de caso em uma área de preservação permanente do Rio Bisnau (Formosa, Estado de Goiás, Brasil). Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 6(13), 349-364. doi: https://doi.org/10.21438/rbgas.061307

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Taxa de Desmatamento na Amazônia Legal. 2018. Recuperado de: http://www.mma.gov.br/informma/item/15259-governo-federal-divulga-taxa-de-desmatamento-na-amaz%C3%B4nia.html (acessado: 18/08/2020).

Brasil. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm.

Golinelli, R. (2020). Plano de Recuperação de uma área degradada de Preservação Permanente - Torrinha, São Paulo. (TCC em Engenharia Ambiental). UFU. Uberlândia-MG-BR.

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (2017). Desmatamento da Amazônia Legal. PRODES. Recuperado de: http://www.obt.inpe.br/OBT/assuntos/programas/amazonia/prodes (Acessado em: 20/08/2020).

Januário, M.L. (2010). Rolim de Moura: uma viagem no tempo. 2 ed. D’press Editora e Gráfica. Rolim de Moura-RO, 100 p.

King, K.F.S. (1979). Agroforestry. Agroforestry: Proceedings of the Fiftieth Symposium on Tropical Agriculture. Royal Tropical Institute, Amsterdam, The Netherlands.

Miccolis, A.; Peneirero, F.M.; Marques, H.R.; Vieira, D.L.M.; Arco-Verde, M.F.; Hoffmann, M. R.; Rehder, T.; Pereira, A. V. B. (2016). Restauração Ecológica com Sistemas Agroflorestais: como conciliar conservação com produção. Opções para Cerrado e Caatinga, Brasília: Instituto Sociedade, População e Natureza – ISPN/Centro Internacional de Pesquisa Agroflorestal – ICRAF

Passaretti, R.A., Pilon, A.A.L., Durigan, G. (2020). Weed control, large seeds and deep roots: Drivers of success in direct seeding for savanna restoration. Applied Vegetation Science. volume 23, edição 3, pág 406-416 doi: https://doi.org/10.1111/avsc.12495

Pellens, G.C.; Lessa, P.R.; Schorn, L.A.; Fenilli, T.A.B. (2018). Influência da matocompetição em povoamentos jovens de Pinus taeda l., Ciência Florestal, Santa Maria, v. 28, n. 2, p. 495-504, abr.- jun., 2018. doi: http://dx.doi.org/10.5902/1980509832030

Rodrigues, R.R.; Nave, A.G.; Gandolfi, S. (2015). Cartilha de Restauração Florestal de Áreas de Preservação Permanente, Alto Teles Pires, MT. The Nature Conservancy-TNC, 33 pg.

Santos, A.F.; Auer, C. G.; Dedecek, R. A.; Santos, P. E. T.; Silva, H. D. (2008). Morte de Árvores Resultante de Práticas Inadequadas durante a Implantação Florestal. Circular técnica 158. Colombo-PR.

Silva, J. M.; Tronco, K. M. Q.; Almeida, A. L. C. (2015). Influência da recuperação de matas ciliares ao igarapé D'Alincourt sobre propriedades do solo. Revista Brasileira de Ciências da Amazônia-RBCA, volume 4, edição 1. doi: 10.47209/2317-5729.v.4.n.1.p.29-40

Silva, A.P.M., Marques, H.R., Santos, T.V.M.N.dos, Teixeira, A.M.C., Luciano, M.S.F. & Sambuichi, R.H.R. (2015). Diagnóstico da produção de mudas florestais nativas no Brasil. Brasília: Ipea. Recuperado de: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/7515/1/RP_Diagn%C3%B3stico_2015.pdf. (acessado em: 19/08/2020).




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-111

Refbacks

  • There are currently no refbacks.