Subtração de volumes em aterros sanitários: um estudo de caso no centro de tratamento de resíduos sólidos de Gericinó, RJ /Subtraction of volumes in landfills: a case study in the solid waste treatment center of Gericinó, RJ

Barbara Lucia Guimarães Alves

Abstract


A pesquisa possibilitou um olhar sobre a questão de excesso de resíduos de podas de árvores urbanas remetido aos aterros sanitários. Assim, teve como objetivo desenvolver um modelo de gerenciamento para os resíduos de poda de árvores visando a sua utilização, com a possibilidade de minimizá-los na disposição final. A metodologia baseou-se na criação um modelo diferenciado do ponto de vista legal, gerencial, tecnológico e econômico, que pudesse servir de base à pesquisa e gerar estratégias para beneficiar o meio ambiente. Foi feita uma apreciação no Centro de Tratamento de Resíduos Sólidos de Gericinó, para a qual foi elaborada a proposta de criação de uma Usina Verde nas áreas já desativadas do aterro, visando a sua revitalização. Esta ação contemplaria a região com um bosque, onde seriam absorvidos os subprodutos dos resíduos de poda. Haveria, também, a probabilidade de destinação certa, para a composição do mobiliário urbano da cidade, cuja ação poderia privilegiar a capacidade operacional dos catadores nas etapas de obtenção de compostos orgânicos e partes de plantas.


Keywords


Árvores, Podas e Gerenciamento.

References


Alves, B. L. G. (2007). Gestão de resíduos de poda: estudo de caso da Fundação Parques e Jardins do Município do Rio de Janeiro (Dissertação de mestrado). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (2014). Panorama. Limpeza Pública e Resíduos Especiais. Recuperado de http://www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama2014.pdf

Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (2019) “Os descaminhos do lixo”. Recuperado de https://abrelpe.org.br/brasil-produz-mais-lixo-masnaovancacoletaseletiva/#:~:text=Desse%20total%2C%2092%25%20foram%20coletados,regi%C3%B5es%2C%20com%20exce%C3%A7%C3%A3o%20do%20Nordeste.

Baratta, A. P., Jr. (2007). Utilização do composto de resíduos da poda da arborização urbana em substratos alternativos para a produção de mudas. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ, Brasil.

Bidone, F. A. (Org.) (2001). Resíduos sólidos provenientes de coletas especiais: eliminação e valorização. Brasília: FINEP/PROSAB.

Cadernos Pedagógicos I, II, III, IV. Governo do Estado do Rio de Janeiro. SEMADS-FEEMA-SEE (2000). Rio de Janeiro: CEPUERJ.

Eigenheer, E. M., Ferreira, J. A., & Adler, R. R. (2005). Reciclagem: mito e realidade. Rio de Janeiro: In-Fólio.

Laera, L. H. N. (2006). Valoração Econômica da Arborização: a valoração dos serviços ambientais para a eficiência e manutenção do recurso ambiental urbano. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, Brasil.

Laprovitera (2005). Paisagismo Carioca. Fundação Parques e Jardins. Recuperado de www.rio.rj.gov.br/fpj

Lerner, W. (1992). Organização, sistemas e métodos. São Paulo: Atlas.

Lorenzi, H. (2000). Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. São Paulo: Plantarum.

Lorenzi, H. (2002). Árvores exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Madeira, J. M. P. (2005). Administração pública centralizada e descentralizada. Rio de Janeiro: América Jurídica.

Moscovici, S. (2007). Natureza-Para Pensar a Ecologia. Rio de Janeiro: Mauad.

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. (2012). Plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos–PMGIRS da cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.

Sanders, R. A. (1984). Some determinants of urban forest structure. Urban Ecology, 8(1-2), 13-27

Sisinno, C. L. S., & Oliveira, R. M. D. (2000). Resíduos sólidos, ambiente e saúde: uma visão multidisciplinar. Rio de Janeiro: Fiocruz.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-104

Refbacks

  • There are currently no refbacks.