Sistemas sanguíneos, incompatibilidade e procedimentos alternativos à transfusão / Blood systems, incompatibility of alternative procedures to transfusion

Arieny Dias Rodrigues, Lília Rosário Ribeiro

Abstract


Os sistemas de grupos sanguíneos são caracterizados pela presença ou ausência de antígenos na membrana dos eritrócitos. Cada sistema sanguíneo constitui um grupo de antígenos semelhantes em suas características e dentre eles, os mais significativos são: ABO, Rh (Rhesus), Kidd, Kell, MNS e Duffy. Diversas estratégias alternativas têm sido utilizadas para minimizar ou evitar transfusões sanguíneas. Essas alternativas podem ser utilizadas com o intuito de reduzir os custos hospitalares, o tempo de internação, os riscos de reações adversas e transmissão de doenças, proporcionando ao paciente um tratamento mais seguro e com menos riscos. Este trabalho teve como objetivo realizar uma revisão bibliográfica sobre os grupos sanguíneos, abrangendo sua importância acerca das transfusões sanguíneas, bem como alternativas de tratamento sem o uso do sangue. Diante das evidências relatadas na literatura, ainda que o sistema ABO seja o mais importante na prática transfusional, existem 39 sistemas de grupos sanguíneos descritos, os quais abrangem 360 antígenos eritrocitários. É necessário o envolvimento interativo permanente com os pacientes que irão se submeter à transfusão, sendo imprescindível a reflexão clínica sobre os riscos do seu uso. É essencial que a equipe multidisciplinar dos profissionais de saúde obtenha conhecimento sobre as principais opções de tratamento sem o uso do sangue. Além do uso de outras terapias alternativas como a ventilação hiperóxica e a recuperação sanguínea pós-operatória, é necessário que outras pesquisas sejam realizadas nesta área, trazendo importantes contribuições para o avanço da pesquisa, com a finalidade de minimizar custos para o sistema de saúde, reduzir a exposição do paciente a riscos e proporcionar opções de escolha para o melhor tratamento baseando-se em critérios da clínica individual de cada paciente, respeitando sua autonomia e visando principalmente, a redução da mortalidade.


Keywords


Grupos sanguíneos, Incompatibilidade, Terapias alternativas à transfusão.

References


ANDRADE, B. Sistema ABO e as patologias prevalentes em residentes no estado de Mato Grosso Do Sul. Tese de Doutorado – Programa de Pós Graduação em Saúde e Desenvolvimento, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. 2016.

BARROS, L.F.; SILVA J. Complexidade na transfusão de sangue, riscos e alternativas de substituição. [Dissertação]. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria; 2005.

BARROS, R. et al. Transfusão de hemácias em pacientes falcêmicos. Scire Salutis, v. 9, n. 1, p. 50-61, 2019.

BATISSOCO, A.; NOVARETTI, M. Aspectos moleculares do Sistema Sangüíneo ABO. Rev. Bras. Hematol. Hemoter., São José do Rio Preto, v. 25, n. 1, p. 47-58, Mar. 2003.

BLASIUS, E. et al. O conhecimento dos profissionais de enfermagem de áreas críticas do HMSJ referente a terapias alternativas às Transfusões de sangue e aspectos relacionados. Projeto de Pesquisa da Unidade Curricular “PAC” - Instituto Federal de Ensino Tecnológico de Santa Catarina, Campus Joinville. 2012.

CAIXETA, E.; SILVA, R. Assistência pré-natal prestada às gestantes Rh negativo isoimunizadas. Trabalho de Conclusão de Curso. Curso de Enfermagem. Centro Universitário do Planalto Central Apparecido dos Santos. 2019.

CARMO, B. C. et al. O uso de técnicas alternativas utilizadas em cirurgia sem transfusão de sangue e hemoderivados: Uma revisão de literatura. III CIPEEX - Ciência para a redução das desigualdades, v. 2, 2018.

CRUZ RUBIO, S. et al. Origin and phenotype of the Rh system in negative donors in a Colombian hemocenter. Rev Cubana Hematol Inmunol Hemoter, Ciudad de la Habana, v.35, n. 4, e986, 2019.

DA SILVA, A. Padronização da genotipagem de alelos dos sistemas de grupo sanguíneo Diego, Dombrock e Duffy por PRC em tempo real na Fundação Hemominas. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Minas Gerais. 2018.

DA SILVA, R. et al. Mapeamento dos sistemas de grupos sangüíneos ABO E RH dos doadores de sangue em Primavera do Leste–MT. Biodiversidade, v. 9, n. 1, 2011.

DO CARMO MACHADO, A. Frequências fenotípicas dos grupos sanguíneos Kell, Duffy e Kidd em doadores de sangue do Hemonúcleo de Apucarana, sul do Brasil. RBAC, v. 50, n. 1, p. 76-9, 2018.

DUARTE, A. R. et al. Reação transfusional hemolítica aguda. Anais do 18° Simpósio de TCC e 15° Seminário de IC do Centro Universitário ICESP, v.18, p. 200-205, 2019.

FERNANDES, P. R. et al. Medicina não transfusional, uma outra transfusão de sangue. Anais - VII Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG, v. 7, n. 7, 2019.

FERREIRA, O. et al. Avaliação do conhecimento sobre hemoterapia e segurança transfusional de profissionais de enfermagem. Rev. Bras. Hematol. Hemoter., São José do Rio Preto, v. 29, n. 2, p. 160-167, June 2007.

FRANCHINI, M. et al. The prognostic value of ABO blood group in cancer patients. Blood Transfus, v. 14, n.5, p. 434‐440, 2016.

GUIMARÃES, H. Os sistemas de grupos sanguíneos kell, kidd e duffy. AC&T - Academia de Ciência e Tecnologia. 2019. Disponível em: . Acesso em 20 jul. 2020.

LARANJEIRA, H. Recuperação pós-operatória de sangue como alternativa à transfusão homóloga na artroplastia total do joelho e na artroplastia total da anca. Revista da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia, v. 21, n. 5, p. 8-17, 2012.

LEITE, D. et al. Perfil epidemiológico dos candidatos à doação de sangue no hemocentro de marabá no período de 2010 à 2015. Universidade do Estado do Pará – Campus VIII/Marabá – Anais Eletrônico - ISSN: 2447-7605, n. 4, 2017.

MARANHO, C. K. Prevalência de anticorpos irregulares em gestantes atendidas em serviços públicos da hemorrede de Santa Catarina. 2016. Dissertação (Mestrado em Hemoterapia e Medicina Transfusional) - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2016.

MENEGATI, S. Discrepâncias entre fenótipos e genótipos: implicação na segurança transfusional. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP. 2019.

Miriam, B.M.R. Genética Humana. Grupo A, 2013. Disponível em: . Acesso em: 17 Nov 2020.

MITRA, R, Blood groups systems. Indian J Anaesth, v. 58 n.5, p.524‐528, 2014.

MODESTO, T. et al. Estratégias alternativas para transfusão de sangue. Revista Saúde em Foco, v.11, p. 1362 – 67, 2019.

MÖLLER, M. et al. Erythrogene: a database for in-depth analysis of the extensive variation in 36 blood group systems in the 1000 Genomes Project. Blood Advances, v. 1, n. 3, p. 240-249, 2016.

MONTEIRO, A. Reações transfusionais. Curso de pós-graduação em Hematologia e Banco de sangue, Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto. 2011.

MOTA, L.P., et al. Rh system and association with hemolytic disease of the newborn. Research, Society and Development, v.9, n.9, 2020.

MOTA, M. et al. Cuidados de enfermagem na transfusão de sangue. Trabalho de Conclusão de Curso - Universidade Catolica de Salvador 2017.

NARDOZZA, L. M. et al. Bases moleculares do sistema Rh e suas aplicações em obstetrícia e medicina transfusional. Rev. Assoc. Med. Bras, São Paulo, v. 56, n. 6, p. 724-728, 2010.

OLIVEIRA, L.; COZAC, A. Reações transfusionais: diagnóstico e tratamento. Medicina (Ribeirao Preto. Online), v. 36, n. 2/4, p. 431-438, 2003.

PENAFORTE, H. Normotermia no perioperatório: perspetiva do enfermeiro. Revista de Investigação & Inovação em Saúde, v. 2, n. 1, p. 7-17, 2019.

PEREIRA, A.; DA PIEDADE RIBEIRO, Maria Celina. Terapias alternativas às transfusões de sangue. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, v. 12, n. 2, p. 566-579, 2014.

PEREIRA, L.; SIEBERT, T. Frequência fenotípica dos grupos sanguíneos ABO e fator RH em Santarém, Pará – Brasil. Revista Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 10, p. 78472-78481, oct. 2020.

REZENDE, L. Caracterização do traço falciforme, antígenos CDE e KELL em doadores de sangue da Fundação Hemocentro de Brasília. Monografia (Graduação) – Faculdade de Ciências da Educação e Saúde, Centro Universitário de Brasília, Brasília, 2017.

ROCHA, K. Técnicas de recomposição de componentes do sangue para fins terapêuticos. Brazilian Journal of Clinical Analyses, v. 49, n. 4, p. 339-43, 2017.

ROSA, L. et al. Teste de antiglobulina humana indireto em gestantes aloimunizadas: uma revisão sistemática. Trabalho Conclusão do Curso - Curso de Farmácia do Centro de Ciências da Saúde. Universidade Federal de Santa Catarina. 2018.

SANTANDER, N. Principais anticorpos irregulares em politransfundidos: uma revisão de literatura. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biomedicina) - Centro de Bionciências, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2019.

SANTOS, A. et al. Estratégias Clínicas e Cirúrgicas para Evitar ou Reduzir Transfusões de Sangue Alogênicos. Pesquisa em Cardiologia, América do Norte, 2016. Disponível em: . Data de acesso: 08 de outubro de 2020.

SANTOS, A. et al. Opções terapêuticas para minimizar transfusões de sangue alogênico e seus efeitos adversos em cirurgia cardíaca: Revisão sistemática. Rev Bras Cir Cardiovasc, São José do Rio Preto, v. 29, n. 4, p. 606-621, Dec. 2014.

SANTOS, A. et al. Retransplante cardíaco em criança sem o uso de hemoderivados. Rev Bras Cir Cardiovasc, São José do Rio Preto, v. 27, n. 2, p. 327-330, 2012.

SANTOS, R. et al. Frequência da classificação sanguínea na Unidade de Coleta e Transfusão" Dr. Marcio Curvo de Lima" polo de Rondonópolis, Mato Grosso em 2015. Biodiversidade, v. 16, n. 3, 2017.

SILVA, C. et al. O Uso De Técnicas Alternativas Utilizadas Em Cirurgia Sem Transfusão De Sangue E Hemoderivados: Uma Revisão De Literatura. CIPEEX, v. 2, p. 1013-1026, 2018.

SILVA, J. M. S. Fenotipagem eritrocitária em doadores de sangue no HEMOPI - PI (Teresina - Picos) e no hemocentro regional do Crato - CE. Dissertação (Mestrado em Farmacologia) - Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016.

SOARES, F. M. et al. Avaliação Dos Registros De Enfermagem Acerca Da Reação Transfusional. Revista Enfermagem Atual In Derme, v. 90, n. 28, 2 jan. 2020.

STORRY, J. R. et al. International society of blood working party on red cell immunogenetics and blood group terminology: report of the Dubai, Copenhagen and Toronto meetings. Vox sanguinis, v. 114, n. 1, p. 95-102, 2018.

VILAR, V. M. et al. Fatores associados a reações transfusionais imediatas em um hemocentro universitário: estudo analítico retrospectivo. Medicina (Ribeirao Preto), v. 53. n. 3, p. 275-82, 2020.

VIZZONI, A. Estudo da Prevalência entre os sistemas de grupos sanguíneos ABO, Rh, Kell, Kidd, Duffy, MNS e formas clínicas da doença de Chagas. Tese (Doutorado em Pesquisa Clínica em Doenças Infecciosas)-Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION et al. Availability, safety and quality of blood products. Geneva: World Health Organization, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-085

Refbacks

  • There are currently no refbacks.