Dinamômetro Inercial para Avaliação do Desempenho Físico de Cadeirantes / Inertial Dynamometer for Physical Performance Evaluation of Restraints

Charles Rech, Andre Francisco Caldeira, Cristiano Frandalozo Maidana, Juan Galvarino Cerda Balcazar, Arthur Emilio Missio Strelow, Pericles Nicolau Balafa, Simone Ferigolo Venturini

Abstract


O equipamento proposto visa auxiliar na reabilitação e desenvolvimento de habilidades motoras como dispositivo de treino para a realização das atividades diárias de forma independente e, também, ferramenta para terapeutas e demais profissionais da saúde na avaliação cardiovascular pelos esforços físicos do cadeirante. Assim, o presente trabalho oferece o desenvolvimento de um dinamômetro inercial como dispositivo para avaliação do desempenho e condicionamento físico de cadeirantes onde, a partir do impulso promovido pelo cadeirante tem-se uma variação da quantidade de movimento e, portanto, a velocidade, fazendo possível a obtenção de valores de torque e potência resultante do esforço físico. Para isso, são utilizados sistemas de medição e monitoramento dinâmico e, com os dados coletados,


Keywords


Tecnologias assistivas; Dinamômetro inercial; Avaliação física de PcD cadeirantes; Condicionamento físico de PcD cadeirantes; Qualidade de vida de PcD cadeirante.

References


Abreu, T., Friedman, R., Fayh, A.P.T. (2011). Aspectos fisiopatológicos e avaliação do estado nutricional de indivíduos com deficiências físicas. Clinical & Biomedical Research, 31(3), 345 – 352.

Boninger, M.L., Souza, A.L., Cooper, R.A., Fitzgerald, S.G., Koontz, A.M., Fay, B.T. (2002). Propulsion patterns and pushrim biomechanics in manual wheelchair propulsion. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 83(5), 718 – 723.

Budymas, R.G., Nisbett, J.K. (2011). Elementos de máquinas de Shigley: projeto de engenharia mecânica, cap. 13, p. 661. AMGH, Porto Alegre, RS.

Broadcom. 2020. Incremental Encoders. [online] Disponível em: [Acesso em 26 Abril 2020].

Cardoso, V.D. (2011). A Reabilitação de pessoas com deficiência através do desporto adaptado. Revista Brasileira de Ciências e Esporte, Florianópolis, 33(2), 529 - 539.

Confederação Brasileira de Atletismo. 2020. Anexo II das Normas para Participação de Atletas com Deficiência em Corridas de Rua. [online] Disponível em: < http://www.cbat.org.br/repositorio/cbat/documentos_oficiais/normas_oficiais > [Acesso em 26 Abril 2020].

Costa, V. B., Shibue, D. K. L., Ferreira, W. A. A., Ribeiro, M. I. P., Planejamento nas instalações físicas com foco às pessoas com deficiência, 2020, https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/13274/11154

De Groot, E.J.S., Veeger, P.H., Hollander, H.V.A., Van Der Woude, H.V.L. (2004). Effect of Wheelchair Stroke Pattern on Mechanical Efficiency. American Journal of Physical Medicine & Rehabilitation, 83(8), 640 – 649.

IBGE EDUCA. 2010. Pessoas com Deficiência. [online] Disponível em: [Acesso em 28 de abril 2020].

Kwarciak, A.M., Sisto, S.A., Yarossi, M., Price, R., Komaroff, E., Boninger, M.L. (2009). Redefining the Manual Wheelchair Stroke Cycle: Identification and Impact of Nonpropulsive Pushrim Contact. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 90(1), 20–26.

Lima, S.S.C., De Carvalho Freitas, M.N., Dos Santos, L.M.M. (2013). Repercussões psicossociais da acessibilidade urbana para as pessoas com deficiência física. Psico, 44 (3), p. 362-371, 2013

Martins, J.M.M. (2006). Motores de combustão interna, cap. 11, p. 406 – 410. Publindústria, Porto.

Matweb. 2020. Material Property Data. [online] Disponível em: [Acesso em 26 Abril 2020].

Mcveigh, S.A., Hitzig, S.L., Craven, B.C. (2009). Influence of Sport Participation on Community Integration and Quality of Life: A Comparison Between Sport Participants and Non-Sport Participants With Spinal Cord Injury. The Journal of Spinal Cord Medicine, 32(2), 115–124.

Meneghelo, R.S., et al. (2010). III Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre teste ergométrico. Arquivos brasileiros de cardiologia, 95(5), 1-26.

Noce, F., Simim, M.A.D.M., Mello, M.T.D. (2009). A percepção de qualidade de vida de pessoas portadoras de deficiência física pode ser influenciada pela prática de atividade física? Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, 15(3), 174-178.

Rech, C., Balafa, P., Santos, C.R.O.D. (2018). Esteira Ergométrica Para Cadeirantes. Proceedings Do 6º Encontro Nacional De Engenharia Biomecânica.

Robertson, R.N., Boninger, M.L., Cooper, R.A., Shimada, S.D. (1996). Pushrim forces and joint kinetics during wheelchair propulsion. Archives of physical medicine and rehabilitation, 77(9), 856-864.

SolidWorks. 2020. [online] Disponível em: < https://www.solidworks.com > [Acesso em 04 Maio 2020].

Torres, V.M.F., Vieira, S.C.M. (2014). Qualidade de vida em adolescentes com deficiência. Revista CEFAC, 16(6), 1953-1961.

Vieira, S.A.A. (2012). ERGO1: Novo Protótipo Para Condicionamento Físico De Cadeirantes E Paratletas. Mestrado. Universidade Federal de Uberlândia.

Whoqol Group. (1995). The World Health Organization quality of life assessment (WHOQOL): position paper from the World Health Organization. Social science & medicine, 41(10), 1403-1409.

World Para Athletics Rankings. 2020. [online] Disponível em: [Acesso em 26 Abril 2020].

Zuchetto, Â.T. (2002). As contribuições das atividades físicas para a qualidade de vida dos deficientes físicos. Kinesis, (26).

Costa, V. B., Shibue, D. K. L., Ferreira, W. A. A., Ribeiro, M. I. P., Planejamento nas instalações físicas com foco às pessoas com deficiência, 2020, https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/13274/11154




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-075

Refbacks

  • There are currently no refbacks.