Metodologias ativas no ensino superior: uma análise bibliométrica / Active methodologies in higher education: a bibliometric analysis

Ricardo Henrique Pucinelli, Yara Kassab, Claudemir Ramos

Abstract


A formação dos novos cidadãos para o Século XXI pressupõe o uso de metodologias que o integrem com o espaço social em que se encontra e os faça extrapolar para outros espaços e tempos, promovendo suas ações ao ponto de ele ser o protagonista do seu sucesso e da sua autonomia. As metodologias ativas visam valorizar esses processos de desenvolvimento individual e coletivo, social e emocional, afetivo e reflexivo. Levando em consideração que o tema metodologias ativas no ensino superior ainda é algo a ser explorado em profundidade, este estudo buscou responder a seguinte questão de pesquisa: Quais são as principais temáticas associadas ao uso de metodologias ativas no ensino superior que aparecem na produção científica internacional? Dentre os 40 artigos analisados, os países que mais publicaram até o momento da coleta de dados foram: Espanha (24) e Brasil (11), dentre outros. Ao todo, foram analisadas as publicações de 8 países. Em relação as universidades que mais publicaram, se destacou a University os Théo Basque Country (4). Os termos mais recorrentes de cada cluster foram: teacher training, impact, strategy e flipped classroom. Considerando seu caráter exploratório e descritivo, as análises realizadas nesta pesquisa permitiram perceber que os artigos analisados buscaram apresentar como as metodologias ativas no ensino superior demandam pesquisas qualitativas que possibilitem aprofundar discussões sobre o uso delas por docentes no ensino superior. Este estudo identificou uma tendência de os artigos abordarem o termo flipped classroom como uma das metodologias mais recorrentes nos estudos analisados. A contribuição deste estudo foi o mapeamento e organização das publicações por meio de clusters, graças a utilização de softwares que nos possibilitaram mineralizar os dados e depois fazer a recomposição das informações de modo a estratificar por: países, instituições vinculadas às publicações, frequência de palavras e seus diversos contextos. Finalmente, esta pesquisa se aproximou da temática explorada ao apresentar que as metodologias ativas são fundamentais para a atuação de professores no ensino superior e que ainda demandam processos formativos que os possibilitem integrar essas práticas as suas aulas.


Keywords


Análise de Clusters, Pesquisa Quantitativa e Qualitativa, Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC).

References


ARAÚJO, C. A. Bibliometria: evolução história e questões atuais. EmQuestão, v. 12, n. 1, p.11–32, 2006.

ARRUABARRENA, R. et al. Integration of good practices of active methodologies with the reuse of student-generated content. International Journal of Educational Technology in Higher Education, v. 16, n. 10, p. 1–20, 2019.

BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. de M. (Orgs.) Ensino Híbrido: Personalização e Tecnologia na Educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

BRASIL. MEC. Base Nacional Comum Curricular – BNCC, versão aprovada pelo CNE, novembro de 2017. Disponível em: . Acesso em: 01 mar. 2018.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9394, 20 de dezembro de 1996.

CASTANO-GARRIDO, C.; GARAY-RUIZ, U.; THEMISTOKLEOUS, S. De la revolución del software a la del hardware en educación superior. RIED- Revista Iberoamericana de Educacion a Distancia, v. 21, n. 1, p. 135–153, jan. 2018.

CASTELLS, M. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Tradução de Maria Luiza X de A. Borges e Revisão Paulo Vaz. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 2003.

CERETTA, G. F.; REIS, D. R.; ROCHA, A. C. Inovação e Modelos de Negócio: um estudo bibliométrico da produção científica na base Web of Science. Gestão & Produção, São Carlos, v. 23, n. 2, p. 433-444, 2016

CHUEKE, G. V.; AMATUCCI, M. O que é bibliometria? uma introdução ao Fórum. Internext, v. 10, n. 2, p. 1-5, 2015.

COLL, C.; MONEREO, C. Pisicologia da Educação Virtual: Aprender e ensinar com as Tecnologias da Informação e da Comunicação. Tradução de Naila Freitas e supervisão e revisão Milena da Rosa Silva Consultoria. Porto Alegre, RS: Artmed, 2010.

DO NASCIMENTO, E. R. et al. Narrativas digitais para uma aprendizagem significativa no Ensino Superior: qual a percepção dos estudantes? Revista Educação Por Escrito, v. 9, n. 2, p. 235–253, 2018.

DO NASCIMENTO, E. R. et al. Metodologias ativas e engajamento docente: uma reflexão sobre as dificuldades enfrentadas pelos professores da educação superior. Revista Educação Por Escrito, v. 10, n. 1, p. 1–25, 2019.

DOS SANTOS, V. L.; LEOPOLDO MERCADO, L. P.; NASCIMENTO, E. M. Professores Universitários em Rede de Aprendizagem Cooperativa: A Ação Tutorial como Experiência (Auto)Formativa. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 15, n. 2, p. 385–405, 2020.

DREYER, L. M. Reflective Journaling: A Tool for Teacher Professional Development. Africa Education Review, v. 12, n. 2, p. 331–344, 2015.

GUEDES, V. L. S. A Bibliometria e a Gestão da Informação e do Conhecimento Científico e Tecnológico: uma revisão da literatura. PontodeAcesso, Salvador, v.6, n. 2, p. 74-109 , 2012.

JACKSON, K.; BAZELEY, P. Qualitative Data Analysis with NVIVO. Londres: Sage Publications Ltd., 2019.

KNIGHT, Kam. Mind Mapping. Improve memory, concentration, communication, organization, creativity, and time management. MindLily.com, 2020. eBook Kindle.

MARTENS, M. L.; BRONES, F.; CARVALHO, M. M. Lacunas e Tendências na Literatura de Sustentabilidade no Gerenciamento de Projetos: uma revisão sistemática mesclando bibliometria e análise de conteúdo. Revista de Gestão e Projetos - GeP, v. 4, n. 1, p. 165-195, 2013. Disponível em: http://www.revistagep.org/ojs /index.php/gep/article/ view/123. Acesso em: 19 jul. 2020.

MEDEIROS, J. B. Redação Científica: prática de fichamentos, resumos, resenhas. 13. ed. São Paulo: Atlas, 2019.

MORAN, José. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: BACICH, Lilian; MORAN, José (Orgs.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

NVIVO. Release 1 for Windows. [S.l.]: QSR International, 2020.

PANCOTTE DARIUS, R. P.; STANGE LOPES, B. J. O Uso Da Metodologia da Problematização para o desenvolvimento de Projeto Integrador no Curso de Pedagogia. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educacao, v. 12, n. 2, p. 983–1004, 2017.

SOSA DIAZ, M. J.; PALAU MARTIN, R. F. Flipped Classroom en la Formación Inicial del Profesorado: Perspectiva del alumnado. REDU- Revista De Docencia Universitaria, v. 16, n. 2, p. 249–264, 2018.

SPINAK, E. Diccionario enciclopédico de bibliometría, cienciometría e informetría. Caracas: Cresalc/Unesco, 1996.

SILVA, M. A internet na escola e inclusão. In: ALMEIDA, M. E.; MORAN, J. M. (. ). Integração das tecnologias na educação. Basília: Ministério da Educação, 2005. p. 62-68. Disponivel em: . Acesso em: 23 jun. 2018.

SUNAGA, A.; CARVALHO, C. S. D. As tecnologias digitais no ensino híbrido. In: BACICH, L.; TANZINI NETO, A.; TREVISANI, F. D. M. (. ). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015. p. 141-154.

VAN ECK, N.; WALTMAN, L. Software Survey: VOSviewer, a computer program for bibliometric mapping. Scientometrics, v. 84, n. 2, p. 523-538, 2010.

VOSviewer. Disponível em: < https://www.vosviewer.com/features/highlights>. Acesso em: 07 jul. 2020.

YAMAKAWA, Eduardo Kazumi et al. Comparativo dos softwares de gerenciamento de referências bibliográficas: Mendeley, EndNote e Zotero. Transinformação, Campinas, v. 26, n. 2, p. 167-176, ago. 2014. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2020.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Trad. Daniel Bueno. Porto Alegre: Penso, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-051

Refbacks

  • There are currently no refbacks.