Tecnologia e cultura no ensino de química: um enfoque multidisciplinar sobre o uso de vídeos em sala de aula / Technology and culture in chemistry teaching: a multidisciplinary focus on the use of video in the classroom

Hebert Freitas dos Santos, Iseli Lourenço Nantes Cardoso

Abstract


Este trabalho tem por objetivo mostrar e exemplificar as potencialidades do uso de vídeos como estratégia para construção do conhecimento e avaliação e algumas de suas relações com a BNCC (Base Nacional Comum Curricular), expor como professores e graduandos participantes do curso Tecnologia e Cultura no Ensino de Química, realizado na Universidade Federal do ABC (UFABC) em 2018, enxergavam a aplicação deste meio como forma de complementar seu plano de aula, bem como apresentar alguns programas de edição de vídeos e os direitos autorais pertinentes à educação para uso e produção de material audiovisual. Como resultado no que tange ao curso, os cursistas sentiram-se mais motivados em produzir material de própria autoria e perceberam o potencial pedagógico do vídeo como instrumento para aulas mais interativas e trabalhos diferenciados. Além disso, espera-se que o leitor, professor de qualquer segmento e disciplina, encontre o suporte necessário, incluindo um modelo de plano de aula, para que introduza esta ferramenta que ganhou tamanha importância em virtude da pandemia, mas que tem seu valor pedagógico em qualquer situação.


Keywords


vídeos, estratégia de ensino, BNCC, direito autoral.

References


ABRÃO, E. Y. Comentários à Lei de Direitos Autorais e Conexos. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2017, p. 49.

ANDRADE, S. Você sabe por que a Ponte de Tacoma USA entrou em colapso?. 2019. (12min43s). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=vcTbA7A4wW0. Acesso em: 24 fev. 2020.

ANTONIALLI, D.; CRUZ, F. B.; VALENTE, M. G. Seu meme é ilícito? O Estadão. São Paulo, p. 1-1. 01 abr. 2015. Disponível em: https://link.estadao.com.br/blogs/deu-nos-autos/seu-meme-e-ilicito/. Acesso em: 14 jan. 2021.

BELLONI, M. L. Educação a Distância. 2.ed. São Paulo: Editora Autores Associados, 1999. p. 53.

BRASIL. Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre a alteração, atualização e consolidação da legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9610.htm. Acesso em: 14 jan. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: dezembro, 2017 Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 14 jan. 2021.

COLL, C.; TEBEROSKY, A. Aprendendo Arte. São Paulo: Ática, 2000.

CREATIVE COMMONS BRASIL. Sobre as licenças. Brasília, 2001. Disponível em: https://br.creativecommons.org/licencas/. Acesso em: 14 jan. 2021.

FRANCISCO, W.; JUNIOR, W. E. Leitura e demonstração de experimentos por meio de vídeos: análise de uma proposta a partir da escrita dos estudantes. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Minas Gerais, v. 13, n. 2, p. 49-65, ago. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4261/2826. Acesso em: 14 jan. 2021.

FREIRE, P.; HORTON, M. O caminho se faz caminhando: conversas sobre educação e mudança social. 4 ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2003.

GALLI, E. F.; BRAGA, F. M. O diálogo em Paulo Freire: concepções e avanços para transformação social. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 19, n. 1, 11 maio 2017.

GIRÃO, L. C. Processos de produção de vídeos educativos. In: ALMEIDA, M. E. B.; MORAN, J. M. (Orgs.). Integração das Tecnologias na Educação / Secretaria de Educação a Distância. Brasília: Ministério da Educação, Seed, p. 113, 2005.

GLASSER, W. Teoria da Escolha: uma nova psicologia de liberdade pessoal. São Paulo: Mercuryo, 2001.

GOMES, D. Músicas sem direitos autorais: 10 listas para usar no dia a dia. 2019. Disponível em: https://sambatech.com/blog/insights/musicas-sem-direitos-autorais/. Acesso em: 14 jan. 2021.

GOMES, D. Como fazer um roteiro de vídeo de forma simples. 2021. Disponível em: https://sambatech.com/blog/insights/roteiro-de-video/. Acesso em: 14 jan. 2021.

HARASIM, L. et al. Redes de aprendizagem: um guia para o ensino e aprendizagem on-line. Ed. Senac São Paulo: São Paulo, 2005.

HERNANDEZ, F. Cultura visual, mudança educativa e projeto de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 2000.

JACOMETTO, H.; RESENDE, P. Idoso que teve foto usada sem autorização em memes diz que ficou “revoltado” com exposição. Portal G1, 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/go/goias/noticia/2019/08/18/idoso-que-teve-foto-usada-sem-autorizacao-em-memes-diz-que-ficou-revoltado-com-exposicao.ghtml. Acesso em: 14 jan, 2021.

JANUÁRIO, V. Google Imagens passa a facilitar a busca por fotos licenciáveis. 2020. Disponível em: https://olhardigital.com.br/2020/09/03/noticias/google-imagens-passa-a-facilitar-a-busca-por-fotos-licenciaveis/. Acesso em: 14 jan. 2021.

JOHNSTONE, A. H. TEACHING OF CHEMISTRY - LOGICAL OR PSYCHOLOGICAL? Chem. Educ. Res. Pract., [S.L.], v. 1, n. 1, p. 9-15, 2000. Royal Society of Chemistry (RSC). http://dx.doi.org/10.1039/a9rp90001b.

JÚNIOR, S. V. B. Direitos autorais na internet e o uso de obras alheias. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017. 219 p.

LEITE, S. Cinema brasileiro: das origens à retomada. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2005.

LIMA, E. J. M. Google Imagens x Direitos Autorais: Posso usar uma imagem tirada da internet?: os riscos de se utilizar imagens da internet sem a devida permissão. 2018. Disponível em: https://eltonjonatasmacedolima.jusbrasil.com.br/artigos/554891059/google-imagens-x-direitos-autorais-posso-usar-uma-imagem-tirada-da-internet. Acesso em: 14 jan. 2021.

LIMA, R. de F. Registrar pra quê? Pra quem? In: IV ENCONTRO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS E III COLÓQUIO DE PRÁTICAS LETRADAS, 2016, São Carlos. Anais [...] . São Carlos: Ufscar, 2016. p. 1-8. Disponível em: http://www.pnaic.ufscar.br/files/events/annals/fae23ece21e1e0b535704aaf74cecfc9.pdf. Acesso em: 14 jan. 2021.

MACHADO, F. C.; LIMA, M. de F. W. P. O uso da tecnologia educacional: um fazer pedagógico no cotidiano escolar. Scientia cum industria, Caxias do Sul, RS, v. 5, n. 2, p. 44-50, 2017.

MORÁN, J. M. O vídeo na sala de aula. Comunicação & Educação, [S. l.], n. 2, p. 27-35, 1995. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/36131. Acesso em: 14 jan. 2021.

MORÁN, J.M. A Educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. Campinas, SP: Papirus Editora, 2007.

MORGADO, J. Qualidade na educação: Um desafio para os professores. Lisboa: Editorial Presença, 2004.

NETTO, Jose Carlos Costa. Direito Autoral no Brasil. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2018. 704 p.

PACHECO, J. A.; FLORES, M. A. Formação e avaliação de professores. Porto: Porto Editora, 1999. p. 168.

PERRENOUD, P. A prática reflexiva no ofício do professor: Profissionalização e Razão Pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2002.

SANTOS, H. F. dos; AMARAL, C. L. C. Experimentação investigativa: aprendizagem de conceitos químicos através da montagem parcial de uma estação de tratamento de água. Scientia Naturalis, Rio Branco, v. 1, n. 2, p. 281-296, 14 maio 2019. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/SciNat/article/view/2510. Acesso em: 14 jan. 2021.

SANTOS, H. F dos; CARDOSO, I. L. N. Tecnologia e Cultura no Ensino de Química. In: VOIGT, Carmen. O Ensino de Química. Ponta Grossa: Atena, 2019. Cap. 10. p. 119-135. Disponível em: https://www.atenaeditora.com.br/post-ebook/2305. Acesso em: 14 jan. 2021.

SCHÖN, D. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SIMÃO, A. M. V. Reforçar o Valor Regulador, Formativo e Formador da Avaliação das Aprendizagens. Revista de Estudos Curriculares, n. 2, v. 3, 2005, p. 273.

SODRÉ, M. A antropológica do espelho. Uma teoria da comunicação linear e em rede. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 85.

WOJCIECHOWSKI, M. Como fazer um roteiro. 2017. Disponível em: https://www.aicinema.com.br/como-fazer-um-roteiro/. Acesso em: 14 jan. 2021.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-049

Refbacks

  • There are currently no refbacks.