Prática em microbiologia para o ensino médio: uma estratégia de ensino envolvendo espaços não formais/ High school microbiology pratice: a teaching strategy involving non-formal spaces

André Luiz Marques Pinto, Aldalúcia Macêdo dos Santos Gomes, Janderson da Costa Barroso, Keila Dayane do Espírito Santo Pereira

Abstract


As novas demandas da sociedade contemporânea vêm exigindo uma restruturação das metodologias de ensino no sentido de superar a aula meramente expositiva, mesclando-a com práticas que aproximem a ciência da realidade dos estudantes. Nesse contexto, a microbiologia é de fundamental importância na formação curricular escolar e, diante da natureza abstrata dos seus conteúdos, é corrente a necessidade de estratégias de ensino nesta área que aproximem a ciência ao cotidiano dos estudantes, facilitando o processo ensino-aprendizagem. Este trabalho se constituiu na elaboração e avaliação de uma atividade prática em microbiologia envolvendo espaços não formais para alunos de ensino médio. Por meio dele, foi evidenciado que o uso de espaços não formais se configuram como uma boa alternativa para o ensino de microbiologia, o que é sustentado por um resultado de 41% de aumento no nível de informação obtida pelos alunos sobre o tema após a realização da atividade prática. Sua metodologia incluiu a construção e aplicação de um roteiro de visita técnica a um parque florestal situado na cidade de Manaus no qual foi abordado a Microbiologia, estando em conformidade as principais diretrizes educacionais vigentes no Brasil que preconizam a união de teoria e prática no âmbito do ensino de base. A análise dos resultados foi realizada a partir da verificação dos conhecimentos dos alunos acerca do tema, antes e depois da prática, através da aplicação de questionários que avaliaram desde o conhecimento sobre o assunto até as opiniões pessoais e experiências de cada discente a partir realização da atividade.


Keywords


Ensino, Microbiologia, Espaços não formais.

References


ALVES-MAZZOTTI, A. J.; GEWANDSZAJER, F. O Método nas ciências naturais e sociais - pesquisa quantitativa e qualitativa. 2. ed. São Paulo: Pioneira Thomson, 2002.

ARAÚJO, M. P. et al. As Atividades Experimentais Como Proposta na Abordagem Contextualizada dos Conteúdos de Biologia. Atas do VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências e o I Congresso Iberoamericano de Investigação em Enseñanza de Las Ciências. Unicamp/Campinas/São Paulo, 2011.

ALMEIDA, S. R. DE. Micologia. 1. ed. Guanabara Koogan, 2008.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Referências bibliográficas NBR 6023. Rio de Janeiro, 2002.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BARRAS, R. Os cientistas precisam escrever: guia de redação para cientistas, engenheiros e estudantes. 3 ed. São Paulo: T.A. Queiroz, 1991, 218p.

BORGES, R. M. R.; LIMA, V. M. R. Tendências contemporâneas do ensino de Biologia no Brasil. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. Vol. 6; Nº 1; janeiro de 2007.

BRASIL, Ministério da Educação e da Cultura. Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio, Ciências da Natureza, Matemática e Suas Tecnologias. Brasília, 2006.

BRASIL, Lei de Diretrizes e B. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRUNO, A. N. Biotecnologia I: Princípios e Métodos. São Paulo: Artmed Editora, 2014.

BRUSCA, R. C.; BRUSCA, G. J. Invertebrados. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.

BURGOS, D. C.; PEREIRA, S. M. B.; BANDEIRA-PEDROSA, M. E. Levantamento florístico das Rodofíceas do Arquipélago de São Pedro e São Paulo (ASPSP) - Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 23, n. 4, p. 1110–1118, dez. 2009.

CERVO, A. L.; SILVA, R.; BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Prentice Hall do Brasil, 2006.

CÓRDOBA, M. V. Virología médica. Bogotá: Editorial El Manual Moderno Colombia S.A.S., 2016.

COLLEY, H. et al. “Non-formal learning: mapping the conceptual terrain”. A consultation report, Leeds: University of Leeds Lifelong Learning Institute. 2002.

DUQUE, J. P. Biotecnología. Madri: Netbiblo, 2010.

DMITRUCK, H. B. Diretrizes de metodologia científica. Chapecó: Argos, 2001.

ECO, H. Como se faz uma tese. 18. ed. São Paulo: Perspectiva, 2003.

FERREIRA, D. R. Avaliação Fitoquímica, Antimicrobiana, Antioxidante e Aitotóxica de Axtratos das Algas Hypnea pseudomusciformis, Padina gymnospora e Jania adhaerens. Ministério da Educação. Universidade Federal do Piauí pró- reitoria de Ensino de Pós-graduação Campus Ministro Reis Velloso Programa de Pós-graduação em Biotecnologia. Universidade Federal do Piauí: p. 84, 2018.

FERNANDES, J. A. B. Você vê essa adaptação? A aula de campo em ciências entre o retórico e o empírico. Tese (doutorado) Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

GASPAR, A. A Educação Formal e a Educação Informal em Ciências, Ciência e Público. Editora Cidade Cultural, p. 171-183, outubro.1990.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIORDAN, M. O papel da experimentação no ensino de ciências. São Paulo: Química Nova na Escola, n. 10, p. 43-49, fev. 1999.

GOHN, M. da G. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. São Paulo: Ensaioaval. pol. públ. Educ., v.14, n.50, p. 27-38, maio. 2006.

GOHN, M. da G. Educação não formal e cultura política: impactos sobre o associativismo do terceiro setor. 5ª Ed. São Paulo: Cortez, 2011.

GOHN, M. da G. Educação não formal e o educador social: atuação no desenvolvimento de projetos sociais. São Paulo: Cortez, 2010.

IMAÑA ENCINAS, J.; COSTA, A. F. O Trabalho Científico. Brasília: UnB. 1990.

ISANDAR, I. J. Normas da ABNT: comentadas para trabalhos científicos. 2 ed. Curitiba: Juruá, 2003.

JACOBUCCI, D.F.C. Contribuições dos Espaços Não-Formais de Educação para a formação da Cultura Científica. Em Extensão, v. 7, p. 55-66, março. 2008.

MADIGAN, M. T. et al. Microbiologia de Brock - 14a Edição. São Paulo: Artmed Editora, 2016.

MAIA, E. M. PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS (ENSINO MÉDIO) Parte I - Bases Legais Parte II - Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Parte III - Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias Parte IV - Ciências Humanas e suas Tecnologias. p. 58, 26 jun. 1998.

MINAMI, P. S. Micologia: métodos laboratoriais de diagnóstico das micoses. Barueri: Manole, fev. 2003.

MUSA - Museu da Amazônia. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2018.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DO BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ensino Médio. Brasília: MEC, 2000.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DO BRASIL. PCN+Ensino Médio: Orientações Educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Brasília: MEC: SEMTEC, 2002.

PRAXEDES, G. C. A utilização de espaços de educação não formal por professores de biologia de Natal-RN. 2009. 168 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências Naturais e Matemática) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009.

PECHENIK, J. A. Biologia dos Invertebrados. 7ed. São Paulo: McGraw Hill Brasil, 2016.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo, POA: Feevale, jan. 2013.

QUEIROZ R. M.; TEIXEIRA, H. B.; VELOSO, A. S.; TERÁN, A. F.; QUEIROZ, A. G. A caracterização dos espaços não formais de educação científica para o Ensino de Ciências. Revista Amazônica de Ensino de Ciências, v. 4, n. 7, p.12-23, abril. 2011.

QUEIROZ, G. A. & OLIVEIRA, C. G. S. Feira livre: uma proposta metodológica para o ensino de geografia. Revista de Ensino de Geografia, v. 5, n. 9, p. 110-123, agosto. 2014.

KORSMAN, S. N. J. et al. Virologia. São Paulo: Elsevier Brasil, 2014.

ROSA, C. W.; FILHO, J. P. A. Evocação Espontânea do Pensamento Metacognitivo das Aulas de Física: Estabelecendo Comparações com as Situações Cotidianas. Investigações em Ensino de Ciências – V17(1), pp. 7-19, set. 2012.

RAYMUNDO, M. DOS S.; HORTA, P.; FETT, R. Atividade antioxidante in vitro de extratos de algumas algas verdes (Chlorophyta) do litoral catarinense (Brasil). Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v. 40, n. 4, p. 495–503, dez. 2004.

SANTOS, J. L. G. DOS et al. INTEGRAÇÃO ENTRE DADOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS EM UMA PESQUISA DE MÉTODOS MISTOS. Texto & Contexto - Enfermagem, v. 26, n. 3, julho. 2017.

SILVA, A. L. F.; PERRUDE, M. R. Atuação do pedagogo em espaços não-formais: algumas reflexões. Revista Eletrônica Pro-Docência/UEL, v. 1, n. 4, p. 46-56, maio. 2013.

SILVESTRE, A. L. Analise de Dados e Estatistica Descritiva. 5° ed. São Paulo: Escolar Editora, 2016.

SEDUC. Proposta Curricular de Biologia para o Ensino Médio. Manaus: Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino, 2012.

SEDUC. Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino. Disponível em: . Acesso em: 31 mar. 2019.

SRIVASTAVA, S. Understanding Bacteria. Springer Science & Business Media, 2003.

STEFFANI, M. H. Planetários brasileiros e CT&I para o desenvolvimento social. In: Parcerias Estratégicas / Centro de Gestão e Estudos Estratégicos.v.16, n. 32. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos: Ministério de Ciência e Tecnologia. 2011.

STREIT, N. M.; CANTERLE, L. P. – As Clorofíceas: revisão bibliográfica - Ciência Rural, Santa Maria, v.35, n.3, p.748-755, mai-jun, 2005.

TORTORA, G. J.; CASE, C. L.; FUNKE, B. R. Microbiologia - 12a Edição. São Paulo: Artmed Editora, 2016.

VIEIRA, D. A. P; QUEIROZ, C. DE A. Microbiologia Geral. Inhumas: IFG; Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, 2012.

VIDOTTI, E. C.; ROLLEMBERG, M. DO C. E. Algas: da economia nos ambientes aquáticos à bioremediação e à química analítica. Química Nova, v. 27, n. 1, p. 139–145, fev. 2004.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-038

Refbacks

  • There are currently no refbacks.