Aterro sanitário - a engenharia na disposição final de resíduos sólidos / Landfill - engineering in the final disposal of solid waste

Washington Kennedy Araújo Sousa Silva, Evandro Roberto Tagliaferro

Abstract


A disposição final inadequada de resíduos sólidos é um dos maiores problemas que integram os sistemas de gerenciamento dos resíduos, resultando em impactos ambientais, sociais e de saúde negativos. O aterro sanitário mostra-se há tempos como uma solução adequada técnica, operacional e legalmente para a disposição final desses resíduos e se enquadrada nas diretrizes regulamentares sobre o tema. Trata-se de uma obra que objetiva receber resíduos sólidos proporcionando sua disposição final adequada e segura no solo. É composto por uma série de sistemas de proteção e monitoramento, cada qual com funções e objetivos definidos, todos diretamente relacionados com as engenharias civil, ambiental e sanitária. O estudo objetivou verificar esses sistemas de proteção e monitoramento e analisar suas relações para com a engenharia, muitas vezes esquecida pela população e até por alguns técnicos da área. A complexidade problemática dos resíduos e sua implicação direta na saúde da população e no meio ambiente justificou os trabalhos, bem com a escassez de bibliografia que integrem os componentes existentes em um aterro sanitário e sua relação para com as engenharias. Estudo descritivo, dedutivo, bibliográfico, de abordagem qualitativa, natureza comparativa, de caráter não experimental, se debruçou na investigação da prática, elementos e sistemas de engenharia adotados na disposição final de resíduos sólidos em aterros sanitários. A pesquisa concluiu ser necessário uma maior entendimento quanto ao que de fato é um aterro sanitário e a complexidade dos sistemas empregados em sua concepção, instalação, operação, monitoramento e encerramento, uma vez tratar-se de uma alternativa adequada e segura para a disposição final de resíduos. A integração de importantes elementos técnicos de engenharia garantem essa adequação e segurança, desde que empregados de forma tecnicamente responsável. O trabalho ainda oferece um instrumento de apoio à disseminação do conhecimento nas áreas da engenharia e dos resíduos sólidos.


Keywords


Estruturas de proteção ambiental, Monitoramento ambiental, Engenharia.

References


ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Amostragem de resíduos sólidos, NBR 10007. Rio de Janeiro. 2004.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Apresentação de projetos de aterros sanitários de resíduos sólidos urbanos, NBR 8419. Rio de Janeiro. 1992.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Aterros de resíduos não perigosos – critérios para projeto, implantação e operação, NBR 13896. Rio de Janeiro. 1997.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Geomembranas termoplásticas – instalação em obras geotécnicas e de saneamento ambiental, NBR 16199. Rio de Janeiro. 2013.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Impermeabilização – Seleção e Projeto, NBR 9575. Rio de Janeiro. 2010.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Poços de monitoramento de águas subterrâneas em aquíferos granulados – Parte 1: Projeto e construção, NBR 15495-1. Rio de Janeiro. 2007.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Poços de monitoramento de águas subterrâneas em aquíferos granulados – Parte 2: Desenvolvimento, NBR 15495-1. Rio de Janeiro. 2008.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Resíduos sólidos urbanos – Aterros sanitários de pequeno porte – Diretrizes para localização, projeto, implantação, operação e encerramento, NBR 15849. Rio de Janeiro. 2010.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Resíduos Sólidos - Classificação, NBR 10004. Rio de Janeiro. 2004.

ABRELPE. Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. Panorama de Resíduos Sólidos no Brasil - 2016. São Paulo: ABRELPE, 2016.

ALBUQUERQUE, J. B. Torres de. Resíduos sólidos. Leme: Independente, 2011.

ALVES, M. C. M.; BELTRÃO, K.G.Q.B.; JUCÁ, J.F.T. Resíduos Sólidos: Projeto, operação e monitoramento de aterros sanitários: Guia do profissional em treinamento: Nível 2, Salvador, ReCESA:2008.

AUGUSTO FILHO, O.; VIRGILI, J. C. Estabilidade de Taludes. In. Oliveira, A.M.S e Brito.; S.N.A. (eds) Geologia de Engenharia. ABGE, São Paulo: 243 – 269, 1998.

BOLOGNESI, Bruna; MONTELATO, Fernanda. Estudo de dispersão de poluentes atmosféricos usando CFD. 2011. Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Departamento de Engenharia Química da Universidade de São Paulo para obtenção do grau de graduando em Engenharia Química, São Paulo.

BRAGA, B.; HESPANHOL, I.; CONEJO, J. G. L.; MIERZWA, J. C.; BARROS, M. T. L.; SPENCER, M.; PORTO, M.; NUCCI, N.; JULIANO, N.; EIGER, S., Introdução a Engenharia Ambiental. 2005. 2ª Edição. Pearson Prentice Hall, São Paulo.

CEMPRE, Lixo municipal: manual de gerenciamento integrado. São Paulo: CEMPRE. 2018.

CONGEA. VII Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. Monitoramento ambiental e geotécnico de aterros sanitários. Campina Grande/PB. 2016.

CRISPIM, Flavio Alessandro. Compactação de solos: influência de métodos e de parâmetros de compactação na estrutura dos solos. Viçosa/MG, 2007. 77f.: il. (algumas col.).

D’ALMEIDA, M. L. O. et al. Lixo municipal: manual de gerenciamento integrado. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT/Compromisso Empresarial para Reciclagem – CEMPRE, 2000.

DA SILVA, Karine Trajano. Projeto de um aterro sanitário de pequeno porte. 2016. Projeto submetido ao corpo docente do curso de engenharia civil da Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do grau de engenheiro civil.

DNIT. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. Drenagem – Dispositivos de drenagem pluvial urbana – Especificação de serviço. Norma DNIT 030 – ES. 2004.

DNIT. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. Drenagem – Drenos subterrâneos – Especificação de serviço. Norma DNIT 015 – ES. 2006.

DNIT. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. Terraplenagem – Aterros – Especificação de serviço. Norma DNIT 108 – ES. 2009.

FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de Direito Ambiental brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2011.

FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Orientações técnicas para a operação de aterros sanitários/Fundação Estadual do Meio Ambiente. Belo Horizonte: FEAM, 2005. 32p.; il.

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE. CETESB – Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Inventário estadual de resíduos sólidos urbanos. São Paulo: Secretaria de Meio Ambiente; 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL – IBAM. Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano da Presidência da República – SEDU/PR. Manual Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos. José Henrique Penido Monteiro [et al.]; coordenação técnica Victor Zular Zveibil. Rio de Janeiro: IBAM, 2001.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico, 2008. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Plano Nacional de Resíduos Sólidos – Versão Preliminar para Consulta Pública. Versão 2. Brasília, fevereiro de 2012.

MONTEIRO, José Henrique Penido et al. Manual de Gerenciamento Integrado de resíduos sólidos. Rio de Janeiro: IBAM, 2001.

OLIVEIRA, David Américo Fortuna. Estabilidade de taludes de maciços de resíduos sólidos urbanos. 2002. Dissertação de mestrado submetida ao departamento de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade de Brasília como parte dos requisitos necessários para a obtenção do grau de mestre.

Premiado modelo de São José do Rio Preto. Gestão de Resíduos. São Paulo, n.4, p.20-23, set./out. 2006.

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 357. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. 17 de março de 2005, publicada no DOU nº 053, de 18/03/2005, págs. 58-63.

RODRIGUES, Francisco Luiz; CAVINATTO, Vilma Maria. Lixo: de onde vem? Para onde vai? 2. Ed. Moderna. São Paulo: 2003.

SÃO PAULO. Governo do Estado de São Paulo. Institui a Política Estadual de Resíduos Sólidos e define princípios e diretrizes. Lei Estadual n° 12.300, de 16 de março de 2006, regulamentada pelo decreto Nº 54.645, de 5 de agosto de 2009. São Paulo, SP.

TAGLIAFERRO, Evandro Roberto. Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). 2018. Congresso: Reflexos das recentes alterações da legislação brasileira. Ilha Solteira: OAB / FACILUZ, 2018.

TAGLIAFERRO, Evandro Roberto. Sistema Integrado de Gerenciamento de Resíduos Sólidos em São José do Rio Preto. 2010. Aula (Pós-graduação em Ecogestão) – Universidade Paulista (UNIP), São José do Rio Preto.

TENÓRIO, Jorge Alberto Soares; ESPINOSA, Denise Crocce Romano. Controle Ambiental de Resíduos. In.: PHILIPPI JUNIOR, Arlindo; ROMÉRO, Marcelo de Andrade; BRUNA, Gilda Collet. Curso de Gestão Ambiental. Barueri: Manole, 2004. p.157-211.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-037

Refbacks

  • There are currently no refbacks.