Plantas medicinais como recurso terapêutico nos bairros Siderópolis e Santa Rita do Zarur em Volta Redonda/RJ / Medicinal plants as a therapeutic resource in the Siderópolis and Santa Rita do Zarur neighborhoods in Volta Redonda/RJ

Alexandra Maria da Silva, Lílian Weitzel Coelho Paes, Ana Paula Martinazzo, Pedro Paulo de Souza, Fabíola Angelita Cezarina Bastos Martins

Abstract


O conhecimento do uso de espécies medicinais pela população é de importância social, cultural e econômica, trazendo além de novos conhecimentos, possibilidade de estratégias governamentais para promoção da saúde. Os dados obtidos neste trabalho foram por meio de entrevistas, com a participação de 203 moradores, sendo que 59% declararam fazer o uso de plantas medicinais com propósito terapêutico. Amostras de plantas foram coletadas, herborizadas e identificadas. Entre as espécies mais citadas estão hortelã, capim limão, boldo, erva cidreira, camomila, guaco encontradas nos dois perímetros. A maioria das plantas utilizadas é utilizada na forma de chá por infusão, obtidas em cultivo próprio, sendo que, em geral, o conhecimento sobre o uso e modo de preparo das plantas medicinais foi obtido dos familiares. Conforme o estudo foi observado que as plantas medicinais indicam uma complementaridade no tratamento de saúde dos participantes.


Keywords


Fitoterapia, espécie vegetal, propriedade terapêutica.

References


BORGES, R.; MOREIRA, R. P de M. Estudo etnobotânico de plantas medicinais no município de Confresa Mato Grosso, Brasil. Biodiv, v. 15, n. 3, 2016, p. 38;

BRASIL. Ministério da Saúde. RENISUS – Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS. 2009, 2 p. Disponível em: . Acesso em: 14 dez. 2020;

________. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Formulário de Fitoterápicos da Farmacopéia Brasileira. 1.ed. Brasília, DF: ANVISA, 2011, 126p;

_______. Ministério da Saúde. Monografia da Espécie Mentha x piperita L. (Hortelã Pimenta). Brasília, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2020;

_______. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Memento Fitoterápico da Farmacopéia Brasileira 1.ed. Brasília, DF: ANVISA, 2016, 115 p.;

________. Agência Nacional d Vigilância Sanitária (ANVISA). Memento Fitoterápico: Farmacopeia brasieira. 1º ed. 2016b. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2020;

________. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Formulário de Fitoterápicos da Farmacopéia Brasileira. 1.ed. Brasília, DF: ANVISA, 2018, 160 p;

BRASILEIRO, B. G., et al. Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no "Programa de Saúde da Família", Governador Valadares, MG, Brasil. Rev Bras Cien Farmac, v. 44, n. 4, 2008, p. 629-636;

BRUNING, M. C. R.; MOSEGUI, G. B. G; VIANNA, C. M. de M. A utilização da fitoterapia e de plantas medicinais em unidades básicas de saúde nos municípios de Cascavel e Foz do Iguaçu - Paraná: a visão dos profissionais de saúde. Rio de Janeiro, Cien Saúde Colet, v. 17, n. 10, 2012, p. 2675-2685;

DLUZNIEWSKI, F. S.; MÜLLER, N. T. G. Estudo etnobotânico de plantas medicinais utilizadas no município de sete de setembro, Rio Grande do Sul, Brasil. Perspectiva, Erechim. v. 42, n. 157, 2018, p. 49-61;

FERNANDES, V. F, et al. Anatomia e ultraestrutura foliar de Ocimum gratissimum sob diferentes níveis de radiação luminosa. Rev Cien Rural, Santa Maria, v. 44, n. 6, 2014, p. 1037-1042;

FIDALGO, O.; BONONI, V. L. R. Técnicas de coleta, preservação e herborização do material botânico. São Paulo: Instituto de Botânica (manual 4), 1989, 61p;

FIGUEIREDO, L.B.; PAIVA, P.M.H. Levantamento sobre a utilização de plantas medicinais por universitários e colaboradores do centro Universitário do Sul de Minas – Varginha MG. Rev. Brazilian Journal of Development, Varginha, MG, 2020, 101718-101735 p;

GADELHA, C. S., et al. Utilização de medicamentos fitoterápicos e plantas medicinais em diferentes segmentos da sociedade. Rev Verde Agroeco Desenvolv Sustent, Pombal, PB v. 10, n. 3, 2015, p. 1-15;

GASPARETTO, J. C., et al. Mikania glomerata Spreng. e M. laevigata Sch. Bip. ex Baker, Asteraceae: estudos agronômicos, genéticos, morfoanatômicos, químicos, farmacológicos, toxicológicos e uso nos programas de fitoterapia do Brasil. Rev Bras Farmac. Curitiba, v. 20, n. 4, 2010, p. 627-640;

GIRALDI, M.; HANAZAKI, N. Uso e conhecimento tradicional de plantas medicinais no Sertão do Ribeirão, Florianópolis, SC, Brasil. Acta Botânica Brasileira, 2010, p. 395-406;

HASSANI, F. V.; SHIRANI, K.; HOSSEINZADEH, H. R. (Rosmarinus officinalis) as a potential therapeutic plant in metabolic syndrome: a review. Naunyn-Schmiedeberg's Arch Pharmacol, n. 389, 2016, p. 931–949;

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Atlas do Censo Demográfico 2010: Religião. 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 dez. 2020;

________. IBGE Cidades. Disponível em: . Acesso em 21 de janeiro de 2020;

LEITE, J. P. V.; PEREIRA, F. L.; FERNANDES, J. M. Ethnopharmacological survey: a selection strategy to identify medicinal plants for a local phytotherapy program. Braz Journal of Pharmac Scien, v. 48, n. 2, 2012;

MARTINAZZO, A. P, et al. Perfil de Utilização de Fitoterápicos nos Municípios de Volta Redonda e Barra Mansa/RJ. Rev Fitos., v. 8, n. 2, 2013, p. 103-112;

OLIVEIRA, A. P.; MARTINS, F. A. C. B. Desenvolvimento de Arranjo Produtivo Local de Plantas Medicinais e Fitoterápicos em Volta Redonda/RJ. Vittalle – Rev Cien Saúde. v. 30, n 1, 2018, p. 159-167;

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Depression and Other Common Mental Disorders. Global Health Estimates. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/254610/WHO-MSD-MER-2017.2-eng.pdf. Acesso em: 27 nov. 2020;

PAULI, P. T. P., et al. Estudo etnobotânico de plantas medicinais em bairros de Juína, Mato Grosso, Brasil. Mato Grosso, Juína, Rev Saúde Viva Multidiscip da AJES, v. 1, n. 1, 2018, p. 1-156;

RATHER, M. A., et al. Foeniculum vulgare: uma revisão abrangente de seu uso tradicional, fitoquímica, farmacologia e segurança. Arabian Journal of Chemistry, v. 9, suplemento 2, 2016;

RICARDO, L. M.; BRANDÃO, M. G. L. Mikania glomerata Spreng. & Mikania laevigata Sch.Bip. ex Baker. In: Albuquerque U., Patil U., Máthé Á. Dordrecht: Med and Aromat Plants of the World, v.5, Springer: 2018, p. 337-344;

SANTOS, A. S.; VILANOVA, C. M. Estudo etnobotânico de plantas medicinais utilizadas como hipoglicemiantes por usuários do Programa de Fitoterapia da Universidade Federal do Maranhão, Brasil. Scien Plena, v. 13, n. 03, 2017, p. 1-12.;

SANTOS, M. R. A dos. Levantamento dos recursos vegetais utilizados como fitoterápicos no Município de Cujubim, Rondônia, Brasil. 21º ed. Porto Velho, RO: Embrapa Rondônia, 2009, 17p.;

SILVA, F. L. de A, Oliveira RAG de, Araújo EC. Uso de plantas medicinais pelos idosos em uma estratégia saúde da família, Rev Enf, UFPE online, 2, 2008, p. 7636-7643;

SILVA, L. E.; QUADROS D. A.; MARIA NETO, A. J. Estudo etnobotânico e Etnofarmacológico de plantas medicinais utilizadas na região de Matinhos, PR. Cien e Nat, v. 37, n. 2, 2015, p. 266-276;

SILVA, M. D.; ZENI, A. L.; DREVECK, S. Estudo etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pela população rural no entorno do Parque Nacional da Serra do Itajaí, Indaial. Rev Saúde e Amb, v. 10, n. 2, 2009, p. 54-64;

SOUZA, M. S. P. A. de, et al. Poincianella pluviosa as biomonitor of heavy metals in the municipality of Volta Redonda, RJ, Brazil. Rev Bras Eng Agríc Amb, v. 23, n.1, 2019, p.71-76;

TURINO, F.; BELO, M. G.; SILVA, A. G. Uma Visão Diagnóstica da Fitoterapia na Pastoral da Saúde. Rev Nature On-line, 2 (1), 2004, p. 15-21;

VALLI, M.; BOLZANI, V. S. Natural Products: Perspectives and Challenges for use of Brazilian Plant Species in the Bioeconomy. Anais da Academia Brasileira Ciências, Rio de Janeiro, v. 91, supl. 3, 2019, p. 1-7;

VIEIRA, K. L. D, et al. Atendimento da população masculina em unidade básica saúde da família: motivos para a (não) procura. Esc Anna Nery (impr.), 2013 jan -mar; v. 17, n. 1, p. 120 – 127;

VOLTA REDONDA. Prefeitura Municipal de Volta Redonda. Política Municipal de Práticas Integrativas e Complementares no Município de Volta Redonda, RJ. Disponível em: http://www.portalvr.com/images/leis_municipais_2011/LEI%20MUNICIPAL%204.832.pdf. Acesso em: 04 nov. 2020;

ZARGARAN, A., et al. Potential effect and mechanism of action of topical chamomile (Matricaria chammomila L.) oil on migraine headache: a medical hypothesis. Med Hypotheses, v. 83, n. 5, Elsevier: 2014, p. 566-569.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-023

Refbacks

  • There are currently no refbacks.