Partos no sistema único de saúde (SUS) brasileiro: prevalência e perfil das partutientes / Childbirths under the unified health system (SUS) of brazil: prevalence and profile of parturients

Nara Moraes Guimarães, Valéria Cristina de Souza Freitas, Christina Galbiati de Senzi, Danila Fernanda Rodrigues Frias, Guilherme Trojillo Gil, Leonice Domingos dos Santos Cintra Lima

Abstract


Objetivo: Avaliar o perfil dos partos realizados no Sistema Único de Saúde do Brasil, entre os anos de 2000 a 2018. Métodos: Estudo epidemiológico descritivo transversal, retrospectivo, quantitativo, com dados secundários temporais coletados da base de dados TABNET/DATASUS no Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (SISNAC). Resultados: No período de estudo foram realizados 56.314.895 partos pelo SUS em todo o Brasil, sendo 51,3% partos vaginais e 48,7% partos cesáreos. Possuíam companheiro no momento do parto, 51,2% das gestantes; 62% possuíam acima de 8 anos de estudos; e 52,1% de 20 a 29 anos de idade. O recorte racial demonstrou a ocorrência maior de partos cesáreos em mulheres declaradas de raça branca, e parto vaginal em mulheres negras, pardas, amarelas e indígenas. Conclusão: A incidência de partos cesáreos no Brasil parece estar mais associada as condições socioeconômicas e ao direito de escolha, aliada aos avanços tecnológicos na área da medicina.


Keywords


Saúde da Mulher. Parto Humanizado. Nascido Vivo.

References


Villar J, Valladares E, Wojdyla D, Zavaleta N, Carroli G, Velazco A, Shah A, CAmpodónico L, Bataglia V, Faundes A, Langes A, Narváez A, Donner A, Romero M, Reynoso S, Pádua KS, Giordano D, Kublickas M, Acosta A. Caesarean delivery rates and pregnancy outcomes: the 2005 WHO global survey on maternal and perinatal health in Latin America. The Lancet. 2006;12(9525):1819-1829.

Martins APV. Visões do feminino: a medicina da mulher nos séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2004.

Leal MC, Pereira APE, Domingues RMSM, Theme Filha MM, Dias MAB, Nakamura-Pereira M, Bastos MH, Gama SGN. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cadernos de Saúde Pública. 2014;30(supl 1):S17-32.

Amaral MC. Mulheres, imprensa e higienização: a medicalização do parto na Bahia (1910-1927). História, Ciências, Saúde - Manguinhos. 2008;15(4):927-944.

Amorim MMR, Souza ASR, Porto AMF. Indicações de cesariana baseadas em evidências: parte I. Femina. 2010;38(8):415-422.

Melo JKF, Davim RMB, Silva RRA. Vantagens e desvantagens do parto transpélvico e cesariano: opinião das puérperas. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental. 2015;7(4):3197-3205.

Vicente AC, Lima AKBS, Lima CB. Parto cesário e parto normal: uma abordagem acerca de riscos e benefícios. Temas em Saúde. 2017;17(4):24-35.

WHO. World Health Organization. WHO statement on Caesarean section rates; 2015. [acesso em 10 set 2020]. Disponível em : https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/161442/WHO_RHR_15.02_eng.pdf;jsessionid=4D1525D59A951EF32CBCD5DA24D9421B?sequence=1

Hofelmann DA. Tendência temporal de partos cesáreos no Brasil e suas Regiões: 1994 a 2009. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2012;21(4):561-568.

Boerma T, Ronsmans C, Melesse DY, Barros AJD, Barros FC, Juan L, Moller AB, Say L, Hosseinpoor AR, Yi M, Rabello Neto DL, Temmerman M. Global epidemiology of use of and disparities in caesarean sections. The Lancet. 2018;392(10155):1341-1348.

Silva MCM, Tobias GC, Teixeira CC. Caracterização dos partos e nascidos vivos de mães residentes em um município de Goiás, Brasil. Revista de atenção à Saúde. 2019;17(61):21-29.

CONITEC. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS. Diretrizes de Atenção à Gestante: a operação cesariana. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Garcia N, Valadares C. [noticia na internet]. Ministério da Saúde fará monitoramento online de partos cesáreos no país. Agência Saúde. 2018. [acesso em 15 set 2020]. Disponível em: .

Rattner D, Moura EC. Nascimentos no Brasil: associação do tipo de parto com variáveis temporais e sociodemográficas. Revista Brasileira de Saúde Materna e Infantil. 2016;16(1):39-47.

Leal MC, Gama SGN, Pereira APE, Pacheco VE, Carmo CN. A cor da dor: iniquidades raciais na atenção pré-natal e ao parto no Brasil. Cadernos de Saúde Pública. 2017;33(supl.1):1-17.

Knupp VMAO, Melo ECP, Oliveira RB. Distribuição do parto vaginal e da cesariana. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 2008;12(1):39-44.

Oliveira MM, Andrade SSCA, Dimech GS, Oliveira JCG, Malta DC, Rabello Neto DL, Moura L. Avaliação do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos, Brasil, 2006 a 2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2015;24(4):629-640.

Mascarenhas MDM, Rodrigues MTP, Monte NF. Caracterização dos partos e dos nascidos vivos em Piripiri, Piauí, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materna e Infantil. 2006;6(2):175-181.

Mendoza-Sassi RA, Cesar JA, Silva PR, Denardin G, Rodrigues MM. Risk factors for cesarean section by category of health service. Revista de Saúde Pública. 2010; 44(1):80–89.

Pádua KS, Osis MJD, Faúndes A, Barbosa AH, Moraes Filho OB. Fatores associados à realização de cesariana em hospitais brasileiros. Revista de Saúde Pública. 2010; 44(1):70-79.

Barros AJD, Santos IS, Matijasevich A, Domingues MR, Silveira M, Barros FC, Victora CG. Patterns of deliveries in a Brazilian birth cohort: almost universal cesarean sections for the better-off. Revista de Saúde Pública. 2011;45(4):635-643.

Magalhaes MM, Melo CPG, Menezes Filho N, Komatsu BK. Os determinantes da realização de cesárias no Brasil. Policy Paper. 2019; 41:1-28.

Rasador S, Abegg C. Fatores associados à via de parto em um município da região nordeste do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materna e Infantil. 2019;19(4):807-815.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Diretrizes de Atenção à Gestante: a operação cesariana. Brasília: Ministério da Saúde; 2016b.

Coimbra Junior CEA, Santos RV, Welch JR, Cardoso AM, Souza MC, Garnelo L, Rassi E, Foller ML, Horta BL. The First National Survey of Indigenous People’s Health and Nutrition in Brazil: rationale, methodology, and overview of results. BMC Public Health. 2013;13(52): 1-19.

Brasil. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Ministério da Saúde. Diretriz Nacional de Assistência ao Parto Normal. Relatório de recomendação. Brasília: Ministério da Saúde; 2016

Victora CG, Aquino EML, Leal MC, Monteiro CA, Barros FC, Szwarcwald CL. Maternal and child health in Brazil: progress and challenges. The Lancet. 2011;377:1863-1876.

Saucedo M, Deneux-Tharaux C, Bouvier-Colle MH. Ten years of confidential inquiries into maternal deaths in France, 1998-2007. Obstetrics and Gynaecology. 2013;122(4):752-760.

Oliveira RR, Melo EC, Novaes ES, Ferracioli PLRV, Mathias TAF. Fatores associados ao parto cesárea nos sistemas público e privado de atenção à saúde. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2016;50(4):734-741.

Spinola PSL. Convenience Effect on Birth Timing Manipulation: Evidence from Brazil. Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Economia). Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-019

Refbacks

  • There are currently no refbacks.