Perfil de carreira dos egressos da residência de medicina de família e comunidade no estado de Goiás / Career profile of egresses from the residence of family and community medicine in the state of Goiás

Letícia de Paula Palmeira

Abstract


Segundo dados do Sistema da Comissão Nacional de Residência Médica, a primeira residência em Medicina Geral e Comunitária no Estado de Goiás surgiu no ano de 1982, formando uma única turma. Somente em 2010 que a residência em Medicina de Família e Comunidade – seu nome atualizado -  retorna e se fixa no estado. Atualmente, quatro instituições dispõem da área para especialização, o que contribuiu para o aumento progressivo do número de egressos formados. Porém, é ainda um desafio para esta especialidade que se mantém pouco conhecida tanto pela população quanto pelas autoridades locais, logo, traz consigo dúvidas em relação à perspectiva profissional. O artigo foi apoiado nestas ponderações e no interesse em saber o caminho percorrido pelos egressos desta área. Através de questionário, foi observado o perfil de carreira que os residentes em Medicina de Família e Comunidade de Goiás tiveram após a conclusão da especialização. O questionário foi enviado para 53 egressos presentes no Sistema da Comissão Nacional de Residência Médica que se formaram entre os anos de 1984 e 2020. O estudo então traçará, através de estatísticas descritivas, os perfis de carreira atualmente disponíveis e escolhidos pelos egressos da residência. Assim, usará representações estatísticas para conscientizar principalmente as autoridades de trabalho e acadêmicas em relação a esta importante especialidade no estado de Goiás.


Keywords


Medicina de Família e Comunidade, questionário, carreira médica, atenção Primária à Saúde.

References


ABREU, Raphael Lorenzeto. Mapa do Estado de Goiás. 29 de abril de 2006. Il. color. Disponível:https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/16/Brazil_Goias_location_map.svg. Acesso em: 07 de janeiro 2021.

EUROPA, Wonca. A definição europeia de Medicina Geral de Familiar. Wonca Europa, p. 6-14, 2002.

GUSSO, Gustavo Diniz Ferreira et al. Bases para um novo sanitarismo. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, v. 10, n. 36, 2015.

LIMA, Letícia de et al. Satisfação e insatisfação no trabalho de profissionais de saúde da atenção básica. Escola Anna Nery, v. 18, n. 1, p. 17-24, 2014.

MACHADO, Humberto Sauro Victorino; MELO, Eduardo Alves; PAULA, Luciana Guimarães Nunes de. Medicina de Família e Comunidade na saúde suplementar do Brasil: implicações para o Sistema Único de Saúde e para os médicos. Cadernos de Saúde Pública, v. 35, p. e00068419, 2019.

OLESEN, Frede; DICKINSON, Jim; HJORTDAHL, Per. General practice—time for a new definition. Bmj, v. 320, n. 7231, p. 354-357, 2000.

RODRIGUES, Elisa Toffoli et al. Perfil e trajetória profissional dos egressos da residência em Medicina de Família e Comunidade do estado de São Paulo. Revista brasileira de educação médica. Rio de Janeiro. Vol. 41, n. 4 (out./dez. 2017), p. 604-614, 2017.

ROWLING, J.K. Harry Potter e a Pedra Filosofal. 1ª edição (edição comemorativa). Rio de janeiro: Rocco, 2020.

SORATTO, Jacks et al. Insatisfação no trabalho de profissionais da saúde na estratégia saúde da família. Texto & contexto enferm, p. e2500016-e2500016, 2017.

STARFIELD, Barbara et al. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. 2006.

TALEB, N.N. Arriscando a Própria Pele: assimetrias ocultas no cotidiano. 1ª edição. Rio de Janeiro: Objetiva, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-009

Refbacks

  • There are currently no refbacks.